Libertadores

Conheça o técnico brasileiro que levou o San Antonio Bulo-Bulo para a Libertadores

Referências em Guardiola, e Telê Santana, campineiro Thiago Leitão faz história no futebol boliviano

O San Antonio Bulo-Bulo, da cidade de Entre Ríos, na Bolívia, foi o grande campeão do torneio Apertura do Campeonato Boliviano, e garantiu vaga na fase de grupos da próxima Libertadores da América. A equipe promete surpreender com um projeto ousado, encabeçado por um brasileiro, nascido em Campinas, que começou sua carreira na Ponte Preta, mas logo aceitou o desafio de construir sua carreira na Bolívia.

Thiago Leitão, de 45 anos, é um dos principais responsáveis pelo sucesso do San Antonio Bulo-Bulo. Ex-jogador do Inter de Santa Maria-RS e do Ceará, o campineiro revelado nas categorias de base da Macaca contou com exclusividade à Trivela sobre os motivos que o levaram a aceitar a proposta vinda do futebol boliviano. O treinador também falou sobre como esta escolha impactou em sua trajetória como jogador, e posteriormente como treinador.

Conquista do San Antonio Bulo-Bulo surpreendeu na Bolívia

Nem mesmo a imprensa boliviana cogitava a possibilidade do Bulo-Bulo conquistar o título do Apertura do Campeonato Boliviano. Principalmente pela boa fase de The Strongest e Bolívar, líderes de suas respectivas chaves na Libertadores. Contudo, um trabalho sério, humilde, e pautado no perfil disciplinador de Thiago Leitão possibilitou ao clube de Entre-Ríos fazer história no cenário local.

O campineiro revelou que em vários momentos na temporada disse que sua equipe, embora não considerada favorita, atrapalharia os grandes times do campeonato local, e iria competir até o fim. Mais do que apenas correr e se entregar, o San Antonio Bulo-Bulo demonstrou qualidade, e causou surpresa ao vencer o título do Apertura.

 “O rendimento que tivemos durante todo o torneio foi impactante, ganhando de times considerados imbatíveis, como o The Strongest, e o Bolívar, times que lideram de suas respectivas à Copa Libertadores. Mas nós com um trabalho sério, muito bem feito, conseguimos esse título, que foi sim uma surpresa, contudo eu sempre falei aqui (para a imprensa), que o San Antonio entraria no torneio para competir, para disputar de igual para igual contra qualquer equipe. Muitos não me levaram a sério, mas aí está a nossa resposta dentro do campo, disse Thiago Leitão.

Referências em Telê Santana e Pep Guardiola

Como todo treinador da nova geração, não é surpresa que Leitão se encanta com o estilo de posse de bola e movimentação de Pep Guardiola. O campineiro busca que sua equipe adote o estilo ofensivo e belo não só do espanhol, mas também de outro ícone do esporte brasileiro, Telê Santana. 

O treinador campineiro saiu cedo do Brasil, aos 22 anos, e não teve tantas referências profissionais atuando em solo tupiniquim. Contudo, nunca deixou de acompanhar o São Paulo da época do mestre Telê. A maneira de trabalho do mineiro pautou o campineiro em sua forma de agir com os atletas desde que assumiu o posto de treinador.

Apesar de ser um adepto do jogo posicional, principalmente na fase defensiva do jogo, Thiago Leitão reitera que seus jogadores têm liberdade para se movimentar, criar espaços, e principalmente driblar quando a equipe tem a bola no último terço do campo.

“Saí com 22 anos do Brasil, mas eu acompanhava muito São Paulo do Telê Santana, o Mestre Telê. Este jogo de posse de bola, um jogo de toque, de pé em pé. Tanto que o Guardiola também elogia muito esse time do São Paulo, a Seleção Brasileira também dirigida pelo Telê, em 1982, então tenho muita admiração e gosto muito desse jogo de posse de bola. Acho que o Guardiola é o rei de todos, é o melhor treinador que pude acompanhar, um treinador que revolucionou com o seu jogo de posse de bola, com o seu jogo posicional. Então eu trato de que meus jogadores tenham essa liberdade, mas responsabilidade também, de manter as posições, de poder buscar sempre essas associações para poder progressar”

Formação na Ponte Preta e carreira de sucesso na Bolívia

Thiago Leitão cumpriu o desejo pessoal, e também de seus familiares, de se tornar um jogador profissional de futebol. Revelado nas categorias de base da Ponte Preta, o ex-meia não teve tantas oportunidades no time principal da Macaca. Foi quando recebeu um convite para se mudar para a Bolívia, e tal decisão mudou drasticamente sua trajetória.

“Graças a Deus eu pude realizar o sonho da minha família e o meu sonho de ser um jogador profissional. E aí nós temos que tomar decisões. Eu estava no grupo da Ponte Preta, só que não jogava muito, porque a Ponte Preta tinha jogadores com mais experiência. Então eu optei por sair, por vir para a Bolívia, foi uma oferta assim que me pegou de surpresa, mas decidi aceitar, arrisquei, e foi tranquilo”, revela Thiago Leitão.

O treinador do San Antonio Bulo-Bulo afirmou que a transição para a Bolívia foi tranquila. Segundo o profissional, o país recebe bem os jogadores brasileiros, e amam os atletas do país. Leitão relembrou da passagem de Jairzinho, o Furacão da Copa de 1970, pelo Jorge Wilstermann como um dos fatores que fazem o povo boliviano admirarem os atletas nascidos no Brasil.

Ainda como jogador, Thiago Leitão fez uma boa temporada pelo mesmo Jorge Wilstermann em 2003, consagrou-se melhor jogador do ano, e ajudou a classificar a equipe para a disputa da Libertadores naquele ano.

 

“A Bolívia é um país que aceita muito bem os brasileiros, principalmente no meu primeiro time, o Jorge Wilsterman. O último ídolo que eles tiveram foi justamente o Jarzinho, o Furacão da Copa, que veio aqui depois da Copa do Mundo, jogou e foi campeão. Então eles amam os brasileiros, e eu tive também o prazer de vir jogar aqui, de fazer uma temporada excelente no ano de 2003, e classificamos para a Copa Libertadores, fui eleito o melhor jogador do país. Graças a Deus, essa transição foi bem legal, bem bacana, pude aprender muito”, relembra Leitão.

Além do Jorge Wilstermann, Thiago passou por outros clubes importantes do futebol boliviano, como o Oriente Petrolero, o Bolívar, o The Strongest, e o Sport Boys Warnes, clube onde encerrou sua carreira como jogador em 2014.

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Esse é Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia e da Trivela. Jornalista especializado em Marketing digital é também narrador do Portal Futebol Interior e da RP2Marketing.
Botão Voltar ao topo