Libertadores

Pedrinho aproveita ‘última chance’ e Hulk acaba com jejum em passeio do Atlético-MG

Meia que pode estar de saída marcou duas vezes, mas a estrela da noite de Libertadores ainda foi Hulk

Assim como no primeiro jogo, na Venezuela, o Atlético-MG passeou contra o Caracas e goleou por 4 a 0. A surpresa da noite ficou para a grande atuação de Pedrinho, que somava 50 jogos pelo clube e ainda não havia marcado.

Mas, nesta terça-feira (28), ele desencantou e marcou duas vezes. No último lance, Hulk acabou com seu jejum de nove jogos sem marcar com um belo gol.

Última chance de Pedrinho no Atlético-MG?

Com quatro jogadores pendurados, Milito mandou um time a campo bem modificado — foi aí que surgiu a chance para Pedrinho. O meia, que está em fim de empréstimo e deve sair, aproveitou da melhor forma possível.

Além dele, o jovem Alisson deixou o dele. Outro destaque foi Gustavo Scarpa, que atuou pela esquerda e deu duas assistências. Além, claro, de Hulk, finalmente, ter voltado a balançar as redes — e não foi por falta de tentativa.

Com a vitória, o Atlético terminou a fase de grupos em primeiro do Grupo G, com 15 pontos, sendo cinco vitórias e só uma derrota. O outro classificado do grupo foi o Peñarol, que somou 12 pontos e foi o único a vencer o Galo.

O fácil ficou mais fácil, e Scarpa aproveitou para decidir

Como esperado, o Caracas entrou em campo pensando em se defender primeiro. Mas a estratégia não durou muito. Logo aos cinco minutos, Hulk deu bela enfiada de bola para Cadu, que tentou driblar o goleiro Fariñez e caiu fora da área.

Inicialmente, o árbitro mandou seguir, mas, após revisão do VAR, o goleiro venezuelano foi expulso, acabando com qualquer ideia de jogo do Caracas.

O Caracas, então, se fechou mais ainda, e o Galo rodou bola com tranquilidade procurando espaços. Para isso, contou com a qualidade de Gustavo Scarpa, que dessa vez estava jogando na esquerda.

Em dois cruzamentos, o camisa 6 basicamente matou o jogo. O primeiro foi em arco, bonito, e parou na cabeça de Pedrinho, que concluiu para as redes, marcando pela primeira vez com a camisa do Atlético. O segundo, mais forte, parou no jovem Alisson, que emendou um lindo voleio para ampliar.

A bola de Hulk não entrava por nada

A maioria das outras chances que o Atlético criou caíram nos pés de Hulk. Com toda a qualidade dele, era de se esperar que todas acabassem no fundo das redes. No entanto, o camisa 7 não vive uma grande fase na frente do gol, e desperdiçou gols que, geralmente, ele marca com tranquilidade.

Hulk teve duas chances claras. Na primeira, recebeu de frente para o gol na área e sozinho. Com o gol todo a sua frente, pegou mal na bola e mandou por cima. Na segunda, a jogada mais tradicional dele no Alvinegro: arrancada sozinho nas costas da defesa.

Sozinho e de frente para o goleiro, ele tentou a também tradicional cavadinha, tipo de gol que ele já fez inúmeros pelo Galo. No entanto, como a fase não é das melhores.

Fora isso, na falta que gerou a expulsão do goleiro adversário, ele bateu soltando o pé. O azar dele é tão grande, que a bola tocou no goleiro, na trave, correu na frente do gol e não entrou.

Finalmente, Hulk marcou

O segundo tempo não foi nada diferente do primeiro. O Atlético seguiu muito dominante no jogo e sem sofrer qualquer pressão do Caracas. Mesmo com o 2 a 0, o Galo seguiu atacante em busca de mais. Fuchs parou no goleiro e Hulk, com sua “zica”, desperdiçou uma boa chance mandando para fora.

Mas a noite era mesmo de Pedrinho. O meia pegou sobra da entrada da área e chute forte no cantinho do goleiro venezuelano, que nem teve reação de ir na bola, vendo ela morrer no fundo do gol.

O Atlético não abaixou seu ímpeto e seguiu buscando mais gols. Já depois dos 30 minutos, o Galo emendou uma sequência de lances perigosos. Primeiro, Hulk bateu falta caprichosa, mas o goleiro foi buscar no ângulo.

Depois, Palacios fez o goleiro trabalhar e, no rebote, Arana acertou a trave. Ainda no mesmo lance, Palacios teve nova chance após um drible desconcertante em dois marcadores, mas, novamente, para no arqueiro venezuelano.

Já nos segundos finais do jogo, Pedrinho deu lindo lançamento para Hulk na direita. Ele dominou, passou no meio de dois marcadores e, da meia-lua, bateu no cantinho, acabando finalmente com a má sorte e o jejum de gols.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Jornalista pela PUC-MG, passou por Esporte News Mundo e Hoje em Dia, antes de chegar a Trivela. Cobriu Copa do Mundo e está na cobertura do Atlético-MG desde 2020.
Botão Voltar ao topo