Libertadores

‘Confiança e felicidade’: decisivo, Scarpa se encontra no Atlético-MG de Milito

Depois de início difícil, Scarpa soma dois importantes gols seguidos e parece estar se encaixando no Atlético de Milito

O Atlético-MG bateu o Rosario Central por 2 a 1 nesta quarta-feira (10), em um jogo típico de Copa Libertadores, muito truncado. Quem destravou o jogo foi Gustavo Scarpa, que confirmou seu bom momento depois de ter desencantado no fim de semana, marcando o gol que selou o título do Galo no Mineiro. O jogador destacou que retomou sua confiança e agora se encontra no time de Gabriel Milito.

Gustavo Scarpa foi a principal contratação do Atlético na temporada. A expectativa era que ele chegasse já participando de muitos gols, como fez no Palmeiras em 2022. No entanto, o início dele no Galo foi péssimo, principalmente por estar sendo usado fora de posição por Felipão. Com a chegada de Milito, ele virou reserva, mas não desistiu e seguiu trabalhando.

Assim, Scarpa entrou na final do Mineiro no último domingo e foi crucial para mais um título atleticano, ganhando assim confiança, e também a titularidade contra o Rosario. Antes há mais de 500 dias sem participar de gol, o meia agora soma dois (muito importantes) nos últimos dois jogos:

— Na minha visão, futebol é 80% confiança, e quando as coisas começam a dar certo é uma atrás da outra. O mais importante é continuar trabalhando, mesmo quando você não é escolhido para ser titular. Estava um bom tempo sem fazer gol, e fazer dois tão importantes em sequência me deixa muito feliz — destacou o meia atleticano.

Sem dúvida o gol (no clássico) me trouxe mais confiança e felicidade. Eu já estava há muito tempo sem fazer gol. Saio do Brasil muito bem, com títulos individuais e coletivos, e passei um ano jogando pouco e lesionando. Poder chegar no Atlético, ciente do meu peso, e marcar em uma final, foi muito importante para retomar a minha confiança — Scarpa.

Com Milito, Scarpa joga (quase) onde prefere

Uma das críticas que Felipão sofria no Atlético era por escalar Scarpa fora de onde ele mais rendeu na carreira, que foi pelo lado direito do campo. Com Milito, ele entrou de ala direita na final e fez a diferença. Contra o Rosario, já jogou como ponta, que é quase o ideal para ele, já que a posição preferida mesmo é como um meia pela direita. No fim, o que vale é saber se adaptar ao que o treinador pede.

— Todo mundo tem a sua posição de origem. A minha, inclusive, nem é como joguei hoje, é mais por dentro e não mais aberto. Mas temos que nos adaptar. Eu já tive excelentes desempenhos jogando como ala esquerdo — disse Scarpa.

Contra o Rosario, Atlético teve dificuldades, mas foi novamente forte

Gustavo Scarpa foi o responsável por destravar a partida desta quarta pela Libertadores. O Rosario foi pensando em se defender e sair com o empate, mas o meia deu um jeito de mudar o estilo dos argentinos ao abrir o placar na primeira etapa, e isso alterou também o jogo.

No primeiro tempo, como citou Milito, o Atlético “foi superior e teve paciência para jogar”, principalmente com o Rosario todo fechado, mas poderia até ter saído com um placar maior do que o 1 a 0. Esse gol do Galo fez os argentinos mudarem a estratégia para o segundo tempo, marcando mais alto e pressionando por um gol. Nessa, o Alvinegro acabou jogando mal e cedeu o placar.

— Não acho que o time sentiu fisicamente. O que a gente deixou mais a desejar foi a imposição de jogo no segundo tempo. Aceitamos mais facilmente o que eles propuseram — disse Scarpa

Mas o Atlético teve mentalidade forte de novo para buscar um novo gol, minutos após sofrer o empate, inclusive: “A sensação, antes deles empatarem, é que não estávamos controlando a partida como no primeiro. Mas, graças a qualidade dos jogadores, pudemos fazer o 2 a 1. A intenção nossa era controlar a partida com a bola, mas não conseguimos”, afirmou Milito sobre o segundo tempo.

No fim, o que ficou foi um típico jogo de Libertadores, em que o Atlético soube sofrer, não se abalou e saiu vencedor. A evolução do time em tão pouco tempo de trabalho de Milito, que chegou há menos de três semanas e está encarando uma maratona de jogos, foi celebrada por Scarpa e pelo treinador.

— A nossa equipe está de parabéns, pois, com pouco tempo de trabalho, sem tempo de trabalhar tudo que a gente queria, vai na base da conversa e da experiência de todo mundo entender — afirmou Scarpa.

Estou realmente contente com a equipe que tenho. Sobretudo com a mentalidade. A qualidade está aí, mas só ela não serve, necessitamos da mentalidade, e essa equipe tem isso. Espero que, com o passar o tempo, melhoremos em todos os aspectos do jogo. Vamos melhorar, mas estou feliz pelo resultado e pelo rendimento — destacou Milito.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo