Libertadores

Cacique Medina após Vélez eliminar o River: “Nos davam pêsames pelo sorteio”

Técnico do Vélez, que deixou o Inter em abril, comandou a equipe que eliminou o poderoso River de Gallardo

O técnico Alexander Medina, conhecido como Cacique Medina, comemorou a classificação do Vélez sobre um dos mais badalados times da América do Sul, o River Plate. O Fortín passou pelo time comandado por Marcelo Gallardo com duas boas atuações, vitória em casa e empate nesta quarta-feira no Monumental de Núñez. Ele contou que quando assumiu a equipe, deram os pêsames a ele por ter sido sorteado contra os Millonarios.

Após um primeiro jogo que o Vélez foi imensamente superior e venceu por 1 a 0, em um placar que saiu barato para o time de Gallardo, havia muita expectativa para a partida de volta. No estádio do rival, o Vélez segurou a pressão do River, sobreviveu a um gol anulado pelo VAR por toque de mão que de fato aconteceu e saiu classificado após o 0 a 0.

“Quando foi feito o sorteio da segunda fase da Copa, nosso corpo técnico ainda não estávamos. Mas quando assumimos o desafio, muita gente do entorno do futebol nos dava os pêsames por ter que enfrentar a melhor equipe da Argentina, com um grandíssimo treinador e um dos melhores da América do Sul”, afirmou Cacique Medina.

Perguntado sobre o lance do gol de Matías Suárez, que teve o gol anulado por toque de mão e a polêmica pela demora do VAR, Cacique Medina foi sucinto. “Desde que o VAR foi incorporado, sabemos que o VAR faz parte do futebol. E temos que estar atento às suas decisões. Mas em termos futebolísticos, viemos preparados”, disse.

O técnico ainda valorizou a atuação da equipe. “Se vermos os dois jogos da série, o Vélez foi melhor. Eles tiveram uma ou outra oportunidade de gol, mas uma na trave no primeiro tempo, que nos salvamos. Mas acredito que no segundo tempo, nos defendemos muito melhor, fomos mais sólidos e não nos causaram dano”, continuou. “Na volta, o River só foi superior na posse de bola e na circulação”.

Cacique Medina começou o ano no Internacional, mas não conseguiu fazer o seu trabalho rendeu. O treinador uruguaio, de 43 anos, fez um ótimo trabalho no Telleres e chegou ao Internacional com altas expectativas. Apesar disso, o que se viu foi um time que não conseguiu jogar bem e, assim, acabou demitido depois de um empate com o Guaireña por 1 a 1 em Porto Alegre. Foram 17 jogos, com seis vitórias, seis empates e cinco derrotas, com 17 gols marcados e 20 gols sofridos. Com ele no comando, o time teve 47% de aproveitamento.

O Vélez decidiu apostar no treinador e com ele tem tido bons resultados até aqui, sendo esse o maior de todos. Eliminar o poderoso River Plate, de Marcelo Gallardo, é um feito que Cacique Medina comemorará muito com os jogadores. E, com o Talleres no caminho, pode sonhar em chegar à semifinal.

Pratto: “Fomos vencedores justos”

O capitão do Vélez, Lucas Pratto, foi outro a comentar sobre a classificação do Vélez, a começar pela polêmica do VAR. “Eles têm as ferramentas, mas não usam”, disse Pratto. “Depende muito dos árbitros.  Sempre digo, lamentavelmente com essas ferramentas novas, os jogadores perdem muito protagonismo porque dependemos muito disso”.

“Hoje foi a nosso favor, muitas vezes foi contra nós. Foi um gol com a mão, não vi. Essa decisão serviu para que passemos. Aguentamos bem até o final. River é um grande rival”, afirmou ainda o atacante.

Pratto ainda reforçou o mérito do Vélez. “Acredito que fomos superiores. Aqui o River teve algumas chances de gol. Acredito que erramos quatro ou cinco mano a mano que em outro momento não falharíamos. Fomos vencedores justos”, continuou o jogador.

Nas quartas de final, o Vélez enfrentará o Talleres. O vencedor desse confronto terá pela frente na semifinal o vencedor de Corinthians x Flamengo.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo