Argentina

Tevez após vitória sobre o River nos pênaltis: “Tiramos um espinho que nos doía”

Carlitos marcou o gol do Boca no primeiro tempo, River empatou no segundo e xeneizes venceram nos pênaltis

Boca Juniors e River Plate fizeram um Superclasico movimentado neste domingo. Depois do empate por 1 a 1 no tempo normal na Bombonera, os Xeneizes venceram por 4 a 2 nos pênaltis. Carlos Tevez marcou o gol do Boca ainda no primeiro tempo, e os Millonarios conseguiram o gol de empate na segunda etapa. Um momento que serviu para o time de La Boca ir à forra, depois de eliminações recentes frente ao rival. Além da final da Libertadores em 2018, houve também a Supercopa da Argentina e mesmo a Libertadores há mais tempo, ainda em 2015.

“Tiramos um espinho que nos doía, é um rival muito difícil de vencer e conseguimos derrotá-los nos pênaltis”, afirmou Carlitos. “É muito importante converter nessas instâncias contra o River, me faz muito feliz. Estou contente, porque os rapazes fizeram muito bem”, continuou.

Tevez comentou ainda sobre a situação do River Plate, que precisou usar o terceiro goleiro por causa dos casos de COVID-19. O titular foi Alan Leonardo Díaz, de 21 anos, que fez a sua estreia pelo clube. “Lamentavelmente tiveram que jogar com um goleiro jovem, que defendeu duas ou três bolas impressionantes. O parabenizei porque ele merece, é uma situação que não é normal e foi muito bem”, afirmou.

“Eu acredito que nas últimas três partidas falhamos em matar o jogo. O goleiro defendeu três, não liquidamos o jogo e o River cresceu, faz um gol, isso é normal”, analisou o capitão do Boca. “Temos que nos concentrar nos dois torneios [Copa da Liga Argentina e Libertadores]. Temos quatro partidos, é só comer, dormir, descansar e treinar. Faltam quatro finais que temos que ganhar”.

Como o campeonato sendo disputado em meio à pandemia, Tevez foi perguntado sobre a situação social. A Argentina ainda vive uma situação delicada em relação à pandemia da COVID-19. Desde março, o país tem registrado um aumento do número de casos. Neste domingo, foram registrados mais de 16 mil casos, com média móvel em mais de 22 mil. Foram também 269 mortes, com média móvel de 457 mortes. O país já passou das 70 mil mortes por COVID-19.

“Na verdade, são circunstâncias muito difíceis. Damos alegrias ou tristezas às pessoas às pessoas que passam maus momentos. Agradeço aos médicos que fazem de tudo para que as pessoas não morram. Estão na vanguarda desta pandemia que nunca acaba”, disse o Apache.

O Boca está no Grupo C da Libertadores, vem de derrota para o Santos, e ainda tem desafios importantes para conseguir a classificação. Neste momento, o clube está em terceiro, com a mesma pontuação do Santos. O time faz os dois últimos jogos da fase de grupos na Bombonera, contra o Barcelona, do Equador, e o Strongest. O clube tenta um novo título, depois de conquistar a Copa Diego Maradona, em 2020.

No River, orgulho pela forma como o time competiu

Apesar da derrota e a decepção pela perda de um título, Marcelo Gallardo e o alto comando do River se mostraram bastante satisfeitos com a forma como o time complicou o jogo e perdeu só nos pênaltis, em uma disputa muito apertada.

“Depois de 24 ou 48 horas, tínhamos que vir jogar uma partida no campo do Boca contra um rival sempre difícil como é um clássico e a verdade é que depois de tudo que vivemos, fazer a partida que fizemos, no River temos que estar muito orgulhoso porque nos representaram dignamente. O que representamos e o que somos, para além dos incômodos e adversidades e até na vida, com os momentos que vivemos, com os casos de Covid que tivemos, com muitos dos meninos que não estiveram presentes. Graças aos jogadores, eles não representaram muito bem”, analisou Marcelo Gallardo.

“O que faltou? Viemos jogar tentando estar o mais presente possível e fazer um jogo decente de acordo com o nosso jeito. Além de perder nos pênaltis, acho que, no segundo tempo, entre o potencial do rival e nós, não houve diferença. Acho que tínhamos o controle da Bola, o Boca estava em seu campo, com contra-ataque, tentando criar perigo com seus jogadores rápidos”, analisou ainda Gallardo.

Ele também elogiou o jovem goleiro Leo Díaz. “Foi emocionante para ele, sobretudo para sua família, seus entes queridos, que o viram em uma situação muito particular e que estreou no gol do River em um clássico, com tudo que isso representa, nos emociona porque nos representa de uma boa maneira”, elogiou o técnico.

O River Plate está na disputa da Libertadores no grupo D, está em segundo lugar neste momento, atrás do Fluminense, que tem dois pontos a mais. Os Millonarios fazem dois jogos em casa na reta final, contra Independiente Santa Fe e Fluminense.

 

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo