Argentina

Jogador do Tucumán se afasta dos gramados para doar medula ao irmão doente

Cristián Villagra entendeu que existem coisas mais importantes do que futebol. Seu irmão padece de uma doença séria, parecida com a leucemia, e precisa de um transplante de medula. Ele é o único compatível da família para realizar a cirurgia. E, portanto, o Atlético Tucumán terá que ficar algumas semanas sem o seu lateral esquerdo.

LEIA MAIS: O recebimento do Atlético Tucumán filmado por um drone é simplesmente de arrepiar

Não será por muito tempo. A cirurgia será realizada em 26 de fevereiro e, se tudo correr bem, Villagra retorna ao Tucumán no começo de março. Mas ainda é uma cirurgia e todas envolvem algum tipo de risco. O lateral de 32 anos ficará de sete a oito horas na mesa de operação para tentar salvar a vida do irmão.

“Há cinco meses, meu irmão foi diagnosticado com aplasia medular, uma doença muito parecida com a leucemia”, contou Villagra ao TyC Sports. “De todos os meus irmãos, eu sou o mais compatível. Meu irmão não está bem. Está internado e estamos esperando a intervenção cirúrgica para que possa seguir em frente. Em uma situação assim, não há dúvidas e me coloquei à disposição dos médicos”.

O Atlético Tucumán encara quatro rodadas do Campeonato Argentino antes de iniciar sua caminhada na Libertadores, contra o Libertad, no dia 12, mais ou menos na época em que Villagra deve estar liberado. Em décimo lugar no Campeonato Argentino, o clube ainda não perdeu em 2018, com duas vitórias e um empate no Argentino.

“Quero agradecer ao clube e aos meus companheiros que me deram apoio”, afirmou. “A operação é em 26 de fevereiro e dias antes eu fico internado esperando o transplante. Espero que dê tudo certo e que meu irmão se recupere. Pelo que falei com os médicos, depois do transplante, fico entre 10 a 15 dias fora dos gramados”.

Villagra tem passagens por Rosario Central, River Plate e Metalist, da Ucrânia, antes de chegar ao Atlético Tucumán, cujos torcedores manifestaram apoio ao jogador nas redes sociais. E nem poderia ser diferente, diante da coragem e da solidariedade do atleta.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo