América do SulArgentinaEliminatórias da Copa

Agonia paraguaia e as chances dos sul-americanos na Copa

O Paraguai viveu o auge de sua seleção nacional a partir de 1998. Depois da participação marcante na Copa da França, quando foram eliminados pelos anfitriões apenas no gol de ouro, os albirrojos foram a mais três Mundiais consecutivos. Em 2010, deram trabalho à Espanha e, pela situação do jogo, não seria tão surpreendente se conseguissem a classificação. Das glórias, porém, a seleção foi direto ao abismo.

A falta de esperanças do Paraguai já vinha desde as primeiras rodadas das Eliminatórias. A equipe venceu apenas um de seus primeiros 10 jogos na competição. A partir de outubro, os guaranis recobraram um pouco do ânimo ao vencerem o Peru e empatarem com o Uruguai em Montevidéu. As chances de ir à Copa de 2014 eram mínimas, mas não impossíveis diante de uma arrancada fulminante. Até que a derrota para o Chile nesta sexta, em Assunção, acabou com qualquer sonho do país.

O enfraquecimento da geração paraguaia é evidente, com o envelhecimento de alguns astros do passado e dificuldades na renovação do time. Entretanto, pesam ainda mais as dificuldades de organização após a saída de Tata Martino, que levou a equipe à final da Copa América de 2011. Desde então, Francisco Arce e Gerardo Pelusso não conseguiram colocar ordem na casa para montar uma equipe consistente.

Logo após a derrota no Defensores del Chaco, Pelusso pediu demissão da seleção. Abre o caminho para outra renovação, que mesmo sem tantas peças à disposição, se faz necessária para tentar apagar a decepção. O caminho promete ser longo para o Paraguai voltar a um Mundial. Mesmo que 2018 permaneça nos planos da Albirroja.

Quem deve ir à Copa de 2014

Restando mais cinco rodadas para o fim das Eliminatórias, algumas seleções estão com o passaporte praticamente carimbado ao Brasil. A mais tranquila delas é a Argentina, líder isolada com 25 pontos. Todavia, a Albiceleste não viveu seus melhores momentos na rodada, em empate pouco inspirado contra a Colômbia no Monumental de Núñez. Lionel Messi entrou apenas no segundo tempo, Gonzalo Higuaín foi expulso e Sergio Agüero reclamou dos gols anulados, que não alteraram o 0 a 0 no placar.

Os argentinos podem garantir a classificação à Copa na próxima rodada, embora a situação não seja tão simples. Para tanto, precisam vencer o Equador em Quito, onde os tricolores possuem 100% de aproveitamento e conquistaram 90% pontos na competição. Colombianos e equatorianos, aliás, aparecem em situações bastante confortáveis: com 20 pontos e um jogo a menos que as outras três equipes que aparecem nas cinco primeiras posições. Para a dupla, o Brasil é logo ali.

Na quarta colocação, o Chile renovou suas forças com a chegada de Jorge Sampaoli e vem de duas vitórias consecutivas, incluindo a conquistada no Defensores del Chaco. Com 18 pontos, La Roja tem mais quatro jogos pela frente, três em casa, incluindo confrontos diretos com Equador e Venezuela. É a brecha para que o embalo termine no Brasil.

Já os venezuelanos deixaram escapar um excelente resultado em La Paz, ao cederem o empate por 1 a 1 à Bolívia nos minutos finais. A Vinotinto permanece na zona da repescagem, com 16 pontos, mas possui um jogo a mais que os dois times logo abaixo. Na próxima terça, a equipe de César Farias faz o principal jogo da rodada ao receber o Uruguai em Ciudad Guayana. Uma vitória é essencial para manter o sonho do país em ir ao seu primeiro Mundial.

Os uruguaios, de folga na rodada, caíram para o sétimo lugar. Perdidos no tempo desde a conquista da Copa América, não sabem o que é vencer há sete rodadas na competição, incluindo derrotas para Chile e Argentina, goleadas para Bolívia e Colômbia, bem como empates em casa com Paraguai e Equador. A recuperação do time de Óscar Tabárez precisa ser imediata. São cinco jogos contra adversários à frente na tabela, o que pode ajudar se a Celeste reencontrar o bom futebol.

Entre aqueles que ultrapassaram o Uruguai está o Peru. O time andino conta com ótimos nomes no ataque e uma campanha consistente em Lima, onde conquistou suas quatro vitórias. O problema é que, além de não convencer, os albirrojos terão uma tabela ingrata longe de seus domínios, com Argentina, Colômbia e Venezuela. Por fim, a Bolívia soma 10 pontos e, com apenas mais quatro jogos, já deve se contentar por não estar na lanterna.

Próximas rodadas das Eliminatórias na América do Sul:

Rodada 14: Colômbia x Peru; Equador x Argentina; Venezuela x Uruguai; Chile x Bolívia
Rodada 15: Paraguai x Bolívia; Chile x Venezuela; Peru x Uruguai; Colômbia x Equador
Rodada 16: Uruguai x Colômbia; Bolívia x Equador; Paraguai x Argentina; Venezuela x Peru
Rodada 17: Argentina x Peru; Equador x Uruguai; Colômbia x Chile; Venezuela x Paraguai
Rodada 18: Uruguai x Argentina; Paraguai x Colômbia; Chile x Equador; Peru x Bolívia

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo