AlemanhaBundesliga

Schalke comemora empate com Bayern, enquanto questionamentos a Ancelotti surgem

Quando se entra em campo um Bayern de Munique e Schalke 04, o favorito é o time bávaro pelo histórico recente, mas não quer dizer que os azuis reais sejam favas contadas. Tanto não foram que desta vez aproveitaram a incapacidade dos mandantes em finalizar e ficaram com um empate por 1 a 1 jogando na Allianz Arena. Sem choro nem vela. Se os visitantes comemoraram a igualdade no placar, o Bayern saiu lamentando. E a torcida questiona algumas decisões de Carlo Ancelotti.

LEIA TAMBÉM: Kanté incansável, golaços de Hazard e Fàbregas e Chelsea cada vez mais perto do título

A posse de bola foi do Bayern, como era de se esperar, com 60% a 40%. Só que o Bayern não foi tão dominante quanto se pode imaginar só olhando para os números. O Schalke foi valente. E mesmo tomando um gol cedo no jogo, aos nove minutos, reagiu rapidamente.

O gol do Bayern foi de Robert Lewandowski, em uma bela finalização. O gol parecia quebrar o cadeado, considerando o que o Bayern costuma fazer com os adversários na Allianz Arena. Só que não foi isso que aconteceu. Aos 13, o zagueiro brasileiro Naldo empatou e fez a festa com a torcida.

O Bayern foi quem deu as cartas no jogo, mas viveu o dilema de não conseguir ameaçar tanto assim o gol do rival. E ainda via o Schalke eventualmente causar problemas. Ao final do jogo, foram 12 chutes a gol do Bayern contra sete do Schalke. Se considerarmos só os chutes certos, foram quatro a três.

Olhando além dos números, em campo, o jogo acabou sendo mais equilibrado do que o esperado. E a torcida atribui parte dessa culpa ao técnico Carlo Ancelotti.  A primeira mudança só veio aos 27 minutos do segundo tempo, quando tirou Arjen Robben para a entrada de Kingsley Coman. Aos 32, mais duas mudanças: saíram Bernat e Rafinha, dois laterais, e entraram Alaba e Lahm, outros dois laterais. Nada de Thiago Alcântara.

Não ter Thiago Alcântara é um problema porque o time sofreu justamente naquela que é a função dele: criação de jogadas. Thomas Müller não é um criador, é um jogador mais atacante do que meio-campista.

As escolhas de Ancelotti são questionadas porque o time não apresenta o mesmo futebol das temporadas anteriores. Os resultados acabam não vindo, o que dificulta para que a torcida tenha paciência. É verdade que os questionamentos são poucos por enquanto. O time, afinal, ainda é líder, embora possa ser incomodado pelo RB Leipzig. O que preocupa mesmo os torcedores bávaros é se o time mostrará o nível de temporadas anteriores no confronto com o Arsenal na Champions League, ainda este mês.

 

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo