Não será em 2020/21 que o Bayern de Munique buscará a Tríplice Coroa mais uma vez. O Holstein Kiel viveu uma noite histórica no Estádio Holstein e eliminou os gigantes da Copa da Alemanha. Foi uma partidaça dos anfitriões, do começo ao fim. A equipe foi valente durante os 90 minutos, se defendendo bem e levando perigo constante nos contragolpes. No último minuto, o Kiel arrancou o empate por 2 a 2 e forçou a prorrogação. Nos 30 minutos extras, o Bayern até mostrou ter mais pernas, mas os azarões mantiveram a luta com muito coração. E a recompensa veio nos pênaltis, com o triunfo do representante da segunda divisão por 6 a 5. O veterano Fin Bartels, que começou no clube e voltou à antiga casa após deixar o Werder Bremen neste fim de carreira, foi o responsável pela notável façanha dos anfitriões.

Tradicional clube do norte da Alemanha, o Holstein Kiel chegou a ser campeão nacional em 1912, além de vice em outras duas oportunidades. Também coleciona títulos regionais, mas desde a criação da Bundesliga, em 1963, permaneceu vagando entre a quarta e a segunda divisão. O clube voltou a ganhar representatividade a partir de 2017, quando retornou à segundona após 36 anos e chegou a disputar os playoffs de acesso logo depois. Brigando pela promoção à primeira divisão novamente nesta temporada, era um adversário para o Bayern tomar cuidado. Mesmo assim, uma surpresa parecia improvável.

Mesmo sem titulares importantes, o Bayern de Munique começou a partida pressionando e logo conseguiria o primeiro gol. Aos 14 minutos, Corentin Tolisso cruzou da direita e Thomas Müller cabeceou para o gol. O goleiro Ioannis Gelios espalmou, mas Serge Gnabry marcou no rebote. O problema é que o ponta estava impedido, mas, sem o VAR nesta fase da Copa da Alemanha, o tento acabou validado. Na sequência da partida, um pouco acomodados com a vantagem, os bávaros não criaram tantos problemas. Faltava velocidade e criatividade, apesar do domínio da bola. E o Holstein Kiel, sem cometer erros atrás, começou a ganhar confiança.

O Bayern ainda tinha um lance ou outro para ampliar. Gnabry quase anotou o segundo aos 26, mas bateu para fora, e Thomas Müller perdoou em ótimas condições aos 35. O Holstein Kiel se segurava bem, mas precisava construir um pouco melhor seus ataques. No entanto, aos 37, os anfitriões encaixaram perfeitamente seu contragolpe para empatar. Jannik Dehm lançou da defesa. O experiente Bartels passou às costas da marcação e, livre diante de Manuel Neuer, tirou do alcance do goleiro. A virada ainda quase saiu na sequência, mas o sul-coreano Lee Jae-sung estava impedido quando balançou as redes. Os azarões terminaram o primeiro tempo esboçando a virada, ainda que Müller tenha desperdiçado outra vez o segundo nos acréscimos.

O Bayern saiu um pouco do sufoco na volta ao segundo tempo. Uma falta frontal sobre Jamal Musiala concedeu a oportunidade do segundo gol. Leroy Sané cobrou com muito capricho por cima da barreira e acertou o ângulo. Apesar disso, o Holstein Kiel não entregaria os pontos e deu sua resposta com Alexander Mühling mandando para fora. O time da casa mantinha sua defesa sólida e não se continha à retranca, com escapadas constantes ao ataque, trabalhando bem os passes. Quando Musiala exigiu ótima defesa de Gelios aos 21, em tiro que ainda bateu na trave, Finn Porath quase aproveitou um vacilo da marcação para empatar.

O final da partida teria um elemento a mais, com a neve se intensificando em Kiel. O Bayern contou com as entradas de Robert Lewandowski e Douglas Costa, renovando as energias do ataque. Só que o Holstein Kiel também realizou um pacote de alterações. O time da casa começou a se soltar mais, se expondo aos contra-ataques, mas também se fazendo mais presente nos arredores da área adversária. E a aposta se pagaria, num jogo aberto. Depois de alguns incômodos, o time da casa forçou o empate no último minuto. Johannes van den Bergh cruzou e o zagueiro Hauke Wahl, já transformado em atacante, desviou de cabeça longe do alcance de Neuer.

O gol tardio nem permitiu uma tentativa de reação ao Bayern, com a prorrogação. O primeiro tempo extra não alterou muito a partida, com a resistência do Holstein Kiel. O Bayern de Munique tentava se impor mais no ataque, mas sem acertar suas jogadas e também correndo risco atrás. A vontade dos anfitriões era exemplar, seja para marcar quanto para avançar em velocidade. Quando foi necessário, Gelios ainda salvou um chute de Kimmich. Já durante o segundo tempo extra, as chances dos bávaros se tornavam mais claras, mas andava difícil de superar Gelios. O domínio era do Bayern e, nos 15 minutos finais, raramente o Kiel foi ao ataque. Mas os anfitriões mereciam a sobrevida nos pênaltis e seguraram o resultado até o fim dos 120 minutos.

Nos pênaltis, o Bayern começou na marca da cal. Gelios tocou na bola, mas não evitou o gol de Lewandowski. O capitão Wahl empatou ao Holstein Kiel. Kimmich e Ahmet Arslan converteram na segunda série, assim como Thomas Müller e Janni Serra fizeram na terceira. Na sequência, David Alaba e Lee mantiveram a precisão. Por fim, na quinta batida de cada time, Douglas Costa e Niklas Hauptmann forçaram as alternadas. A classificação do Kiel se definiu então. Gelios vinha saltando bem, quase sempre buscando seu lado esquerdo, e espalmou o tiro de Marc Roca. Por fim, coube justamente ao prata da casa Bartels selar a passagem. O meia bateu com muita calma e tirou Neuer até da foto.

Esta é a primeira vez desde 2000 que o Bayern de Munique cai logo na segunda fase da Copa da Alemanha. Na ocasião, o Magdeburg derrubou os bávaros exatamente nos pênaltis. O time de Hansi Flick, que não vinha convencendo muito nas últimas rodadas da Bundesliga e sofre com a exposição de sua defesa, toma um baque para perceber que não é o mesmo time da temporada passada. Ainda assim, não é isso que diminui o tamanho do feito do Holstein Kiel. A equipe da segundona fez uma excelente partida e não tremeu diante de Neuer nos pênaltis. Com a vaga nas oitavas, ainda não repete a campanha até as quartas de final de 2011/12, quando chegou às quartas, ou as semifinais de 1941. Mas nada se compara à representatividade da vitória alcançada nesta quarta.