AlemanhaBundesliga

O dia em que Klopp (jogador) achou que era Van Basten e fez um golaço

“Eu nunca consegui fazer em campo o que acontecia no meu cérebro. Eu tinha talento para a quinta divisão e a cabeça para a Bundesliga. O resultado foi uma carreira na segunda divisão”. A frase de Jürgen Klopp define muito bem a sua carreira nos gramados. O alemão rodou por times da segundona, sempre falhando na hora de subir. Depois de ficar no quase com o Rot-Weiss Frankfurt, passou 11 anos no Mainz 05 disputando a divisão de acesso – com 340 jogos no torneio, um recorde. A sorte só mudou mesmo a partir de 2001, quando trocou a chuteira pelas pranchetas no próprio clube, finalmente chegando à primeira em 2004.

VEJA TAMBÉM: As 25 frases mais carisma de Jürgen Klopp no Borussia Dortmund

Os lances de Klopp dentro de campo são raros. Centroavante trombador no início da carreira, a inteligência tática transformou-o em zagueiro com o passar dos anos. E o atual técnico do Borussia Dortmund fez seus golzinhos: somente pelo Mainz, foram 52 bolas nas redes. Um número nada extraordinário, que ressalta um pouco a autocrítica ao talento.

Na despedida de Klopp do Dortmund, o ótimo canal da Bundesliga no Youtube tem produzido vários vídeos sobre o treinador. E, desta vez, resolveu falar sobre o jogador. Selecionou os cinco gols mais bonitos da carreira do alemão. Os três primeiros não têm nada demais. O segundo é bonito, um lindo chute de primeira, mas nada tão especial. Já o primeiro colocado, contra o modesto Meppen em 1997/98, poderia muito bem ter sido assinado por Van Basten – até pela camisa, parecida com a do Ajax. O dia em que o cérebro do Klopp jogador funcionou muito mais do que os seus pés.

Conteúdos relacionados

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo