AlemanhaBundesliga

Bendtner analisa sua fama: “As pessoas ou me acham o maioral ou atiram garrafas em mim”

As redes sociais ajudam certos jogadores a alcançar um nível de reconhecimento que eles não conseguiriam apenas com seu desempenho dentro de campo. Nicklas Bendtner, carinhosamente apelidado de “Lord” por seus seguidores fieis, é uma dessas figuras. Se bem que, em seu caso, também devemos dá-lo o devido crédito. Não fosse sua arrogância caricata, as pessoas não o elevariam ao status em que ele está hoje: de atleta que é popular não por um motivo razoável, mas, sim, pela ironia da coisa. O próprio atleta acabou entrando na brincadeira ao falar de sua fama.

VEJA TAMBÉM: Red Bull Brasil terá hino composto por Mc Guimé e Gaby Amarantos

Em entrevista ao jornal Westdeutsche Zeitung, Bendtner comentou as impressões opostas que causa nas pessoas e recordou que sua mãe já o definia como alguém que divide opiniões. “As pessoas ou acham que eu sou o maioral ou jogam garrafas em mim. Não tenho certeza sobre qual é a minha imagem. É diferente para diferentes pessoas, acredito. Minha mãe sempre me disse que sou uma pessoa que polariza opiniões. Também tem um ditado na Dinamarca que diz: ‘Você é alguém que divide o mar’. Conheço pessoas que me acham o maior do mundo e também outras que querem atirar garrafas em mim”, afirmou.

Toda a fascinação pelo jogador começou quando, ainda no Arsenal, em 2010, aos 22 anos, Bendtner fez um auto-avaliação no mínimo presunçosa. Mesmo reconhecendo que atacantes vivem de gols e que fazê-los não era o seu forte, o dinamarquês se colocou entre os melhores do mundo: “Se você me perguntar se eu sou um dos melhores atacantes no mundo, eu direi que sim, porque acredito nisso. Quando vejo que outros atacantes marcam muitos gols, percebo que preciso marcar esses gols. Mas acho que todo o resto do meu futebol está certo, mesmo acreditando que eu possa melhorar. Mas os gols são a última coisa que preciso acrescentar, e quando eu conseguir acredito que serei o jogador que quero ser: um dos melhores.”

Atualmente no Wolfsburg, segundo colocado da Bundesliga, Bendtner não tem tido muito espaço. Fez 15 jogos, quatro deles como titular, e marcou três gols. Nunca cumpriu a própria profecia e, nos últimos anos, diminuiu sua aparição nas manchetes por motivos extra-campo. O novo estilo mais comedido pode ter ofuscado aquele extravagante dos tempos de Arsenal, mas a fama que conquistou naquela época deverá segui-lo até o fim da carreira. Seja acompanhada de ódio ou de amor. Principalmente de amor, provavelmente.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo