Alemanha

Hoffenheim no seu lugar

Ter o emergente Hoffenheim na ponta da tabela, mesmo que isso aconteça nas duas primeiras rodadas do campeonato, causou o natural estranhamento. O time acabara de conseguir o acesso para a Bundesliga e vencera suas primeiras partidas. Mas no último final de semana, a derrota para o Bayer Leverkussen pode ter deixado tudo em seu devido lugar.

No duelo contra o time de Leverkussen, a falta de experiência do setor defensivo e o excesso de confiança foram decisivos. Apesar de a equipe ter mostrado que tem poder ofensivo, principalmente pela boa atuação de Sejad Salihovic, as deficiências de uma equipe inexperiente ficaram evidentes em seu primeiro teste real.

Aliás, juventude foi um fator que não faltou no confronto: As duas equipes têm a menor média de idade da competição. No Bayer, a média de seus titulares era de 23, 2, no TSG era de apenas 22,5.

Porém, a vitória não veio apenas devido às fragilidades do adversário novato na Bundesliga. Parte dos méritos devem ser dados ao técnico Bruno Labbadia que fez alterações na formação da equipe que havia sido derrotada pelo Stuttgart. Lesionado, o zagueiro Castro foi substituído por Haggi que atuou ao lado de Friedrich, com Henrique pelo lado direito.

Logo após a partida, o treinador, que assumiu o comando do time nesta temporada, ressaltou o trabalho intensivo que está conduzindo à frente do clube e afirmou que a principal qualidade de sua equipe foi a velocidade e a facilidade de anular as os principais pontos do adversário.

Em contrapartida, Ralf Rangnick não mexeu no time que havia enfrentado e vencido o Gladbach, na rodada anterior e sua tática não funcionou contra um time melhor preparado. Nada que coloque o homem de confiança de Dietmar Hopp, o bilionário responsável pelos investimentos realizados no clube, Rangnick, em perigo. Em 2006, quando iniciou seu trabalho no Hoffenheim ainda na terceira divisão, o treinador perdeu os quatro primeiros jogos.

Apesar de todos os investimentos, ter um real objetivo, que poderia até mesmo ser a classificação para a Copa Uefa ajudará o Hoffenheim a não tropeçar nas próprias pernas em seu primeiro ano de Bundesliga.

Última chamada

Nesta segunda-feira, aconteceu último dia para a janela de transferências. Mas as alterações no mercado praticamente não afetaram o Campeonato Alemão. A partir de agora, ninguém entra e ninguém sai até o dia 1 de janeiro de 2009.

Na corrida por reforços, o Hertha Berlim acertou a contratação de Andriy Voronin, ex-Leverkussen que estava encostado no Liverpool, por um ano. O time da capital, que não começou bem a temporada, havia perdido Amine Chermiti por lesão e apostou no atacante da seleção ucraniana.

Voronin já é experiente na disputa da Bundesliga e da 2.Bundesliga com passagens por Borussia Mönchengladbach, Mainz e Köln, o atacante marcou 37 gols em 118 pela primeira divisão e balançou as redes 29 vezes em 77 partidas na Segundona.

Quem também investiu em um jogador de seleção foi o Borussia Monchengladbach que fechou com Michael Bradley, que atuou pelo Heerenveen na ultima temporada. O meia não terá uma missão fácil, a de salvar o tradicional clube de mais um rebaixamento.

Já em Dortmund, a prioridade era encontrar um substituto para o lesionado Dede, que ficará cerca de seis meses afastado dos gramados, o escolhido foi o sul coreano Young-Pyo Lee, do Tottenham. A esperança é que ele repita, ao menos parcialmente, o bom futebol mostrado em seus tempos de PSV.

O Wolfsburg, que já havia trazido sete reforços: Zaccardo, Adlung, Misimovic, Alvim, Bazagli, Saglik e Wolze no início do período de transferências fechou também a contratação do jovem goleiro Marwin Hitz, da seleção suíça sub-21, do zagueiro Bernd Korzynietz.e do atacante Caiuby, ex- São Caetano, que chega para formar a dupla de ataque ao lado de Grafite, mas para isso ele deve entender que Bundesliga não é Série B.

Mas foi o Hamburgo de Martin Jol que realizou os maiores investimentos nesta reta final do mercado. E as escolhas foram acertadas. Se o time perdeu Van der Vaart, no meio campo e Vicent Kompany na defesa, as peças foram repostas de forma correta. O lateral Marcell Jansen, deve garantir mais velocidade e estabilidade pelo lado esquerdo na parceria com Timothee Atouba. O ex-zagueiro do São Paulo Alex Silva deve chegar como boa opção para a reserva, principalmente por questões de adaptação, já o meia Thiago Neves possivelmente dará o toque criativo no meio campo.

Aliás, antes do anúncio da contratação do lateral italiano Massimo Oddo junto ao Milan, muita gente se perguntava o porquê do Bayern liberar o jogador da Nationalelf para um rival pelo título da Bundesliga.

As mudanças mexeram com os clubes e o momento é de reorganização para as equipes. Com a chegada de titulares ou mesmo de opções para seus treinadores, a primeira parte da disputa pelo título da temporada com suas efetivas peças, começa a partir de agora.

O verdadeiro  adeus

Nesta terça-feira, a seleção alemã e o Bayern de Munique se enfrentaram por um motivo bem especial, um jogo amistoso que celebraria a despedida de Oliver Kahn.

O ex-capitão do Bayern, como ele próprio afirmou, começará agora “o segundo tempo de sua vida”. Kahn, diante de 500 convidados especiais e 69 mil torcedores, entrou em campo com uma réplica da camisa usada por ele durante a temporada em que conquistou o título da Liga dos Campeões.

A saída do goleiro, aos 75 minutos da partida, emocionou a todos que acompanhavam a partida. Abraçado a bandeira do Bayern, Oli chorou ao ser substituído por Resing e saiu de campo muito aplaudido. Uma câmera o acompanhava até o vestiário.

A partida terminou com um empate em 1 a 1, os times foram formados principalmente pelos reservas. Os gols foram marcados por Trochowski e Klose.

Eliminatórias

A paz parece ter retornado ao Nationalelf após a conversa entre Michael Ballack e o manager Oliver Biehoff. Os dois se desentenderam ainda dentro de campo, após a derrota contra a Espanha que tirou o título da Eurocopa da Alemanha.

“A situação foi esclarecida e não há ressentimentos”declarou o diretor da Federação alemã, Harald Stenger.

Na ponta de lá

O meia Mikael Forssell parece ter conquistado uma vaga entre os titulares e em uma nova experiência do técnico Dieter Hecking, Mike Hanke foi para o banco. Porém, a mudança ainda não deu resultado no ataque da equipe.O Hannover 96 está na última colocação e ainda não marcou nesta temporada. Espera-se que com a volta de Jan Rosenthal, destaque da seleção sub 21 e recuperado de uma infecção possa acabar com a falta de gols.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo