AlemanhaBundesliga

Dortmund pede fim de protestos contra novas regras nos estádios

Parte dos torcedores alemães está descontente com as novas medidas de segurança que serão aplicadas nos estádios do país. Aprovadas na última semana, as regras têm causado protestos nas arquibancadas há cerca de um mês. E começam a incomodar os clubes. Em nota oficial assinada pelo técnico Jürgen Klopp e pelo capitão Sebastian Kehl, Borussia Dortmund pediu pelo fim do silêncio feito pela torcida.

Em alusão à data na qual foi votada a nova legislação, os torcedores permaneceram calados durante os primeiros 12 minutos e 12 segundos das últimas partidas dos aurinegros. O Dortmund volta a campo nesta quarta-feira, pela Copa da Alemanha, quando enfrentam o Hannover no Signal-Iduna Park.

“Nós sabemos que alguns torcedores planejaram um protesto para o jogo. Mas também sabemos que vários torcedores estarão nos apoiando. Aceitamos e respeitamos os temores e as preocupações que desencadearam os protestos nas últimas semanas. Não foi fácil jogar futebol nessas condições”, afirmou o clube.

“Então, pedimos a vocês, torcedores do Borussia Dortmund, para nos apoiar novamente amanhã. Soltando a voz. Incondicionalmente. Paciente. Da forma que sabemos que vocês podem. Por até 120 minutos, se necessário”, completou a nota.

Aprovado pelos 36 clubes da primeira e da segunda divisão, o novo plano de segurança dos estádios prevê revistas reforçadas nas entradas dos estádios, monitoramento através de câmeras, sanções mais duras contra uso de fogos de artifício nas arquibancadas e redução de ingressos para clubes visitantes em jogos considerados de “alto risco”.

Mais criticada pelos torcedores, a ideia de banir os lugares em pé nos estádios chegou a ser cogitada, mas não entrou na votação. Apesar disso, os protestos devem continuar.  Representante da organização “Pro Fans”, Philip Markhardt cogita o boicote a os jogos de uma rodada inteira da Bundesliga como retaliação às mudanças.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo