Alemanha

Dinamarca aproveitou jogo contra a Alemanha para saudar os campeões da Euro 92

O amistoso entre Dinamarca e Alemanha, nesta terça, teve um pano de fundo especial. A federação dinamarquesa aproveitou a ocasião para comemorar os 25 anos da conquista da Euro 1992, principal título da seleção, justamente diante dos alemães. Os festejos no Estádio Brondby contaram com a presença dos titulares naquela decisão, entre eles Peter Schmeichel e Brian Laudrup, posando para uma nova foto oficial e saudando o público. Além disso, os jogadores atuais da Dinamarca levaram a lembrança no corpo, com a nova camisa da equipe nacional, inspirada naquela usada na Eurocopa. Belo tributo, que só não evitou o empate por 1 a 1 diante dos germânicos.

VEJA TAMBÉM: Kurt Cobain, 50 anos: Quando a final da Eurocopa criou um clima insano para o show do Nirvana

Buscando dar uma cara para o time que disputará a Copa das Confederações, Joachim Löw escalou a Alemanha com diversos novatos. E, a princípio, a equipe não impressionou. Jogando com três zagueiros, o desentrosado Nationalelf cedeu o primeiro gol aos 18 minutos. Antonio Rüdiger afastou mal uma bola e deixou a oportunidade limpa para Christian Eriksen na entrada da área, batendo rasteiro para vencer Kevin Trapp.

Como era de se esperar, a Alemanha realizou diversas modificações ao longo do segundo tempo. Amin Younes, Julian Brandt e Kerem Demirbay estavam entre os jovens que entraram no decorrer da partida. Já o gol de empate saiu aos 43 do segundo tempo, com um dos titulares. Lars Stindl tentou dominar cruzamento da esquerda e Joshua Kimmich emendou bonito chute de bicicleta, vencendo o goleiro Frederik Ronnow, responsável por boas defesas que adiaram o tento germânico.

A Alemanha enfrenta San Marino na próxima semana, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. Última chance de ajustar o time para a estreia na Copa das Confederações, diante da Austrália. Já a Dinamarca volta a campo no próximo sábado, pegando o Cazaquistão pelas Eliminatórias.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo