AlemanhaBundesliga

A derrota em casa para o Augsburg resumiu todo o desespero do Dortmund

A desgraça do Borussia Dortmund parece não ter fim. Muitos dos problemas da equipe parecem claros: a falta de efetividade no ataque, as bobeiras cruciais da defesa, os reforços frustrados. No entanto, os problemas não são tão simples assim de se resolver. E, por mais que a torcida aurinegra esperasse uma nova atitude na volta para o segundo turno, a situação do time na Bundesliga permanece crítica. Nesta quarta, mais um vexame: derrota por 1 a 0 para o Augsburg dentro do Signal Iduna Park, mesmo com um jogador a mais desde os 20 do segundo tempo. Para segurar a lanterna por mais uma rodada.

NO SÁBADO: O empate não foi ruim para o Dortmund, mas assumir a lanterna só reitera a pressão

Falar do que aconteceu em Dortmund é repetir o roteiro que aflige a Muralha Amarela a cada rodada. Mesmo com Reus, Aubameyang e Immobile, o ataque levou pouco perigo ao veterano goleiro Manninger. Na única chance de verdade, Kampl parou em boa defesa do goleiro. O novato, aliás, outra vez demonstrou muita disposição no time titular, mas errou demais. Pouco para um time que precisa de mais agressividade.

Já o gol do Augsburg acabou sendo um resumo do flagelo do Dortmund. A defesa abriu uma avenida para arrancada de Altintop e se desesperou. Bateu cabeça para deixar Raul Bobadilla livre, sem muito trabalho para vencer Weidenfeller. O tento que os visitantes precisavam. Aubameyang ia partindo sozinho em direção ao gol, mas foi derrubado na entrada da área por Janker, expulso. A partir de então, coube aos bávaros se segurarem na defesa, diante da pressão desordenada dos aurinegros. No melhor lance, Immobile cabeceou de dentro da pequena área em cima de Manninger.

Ao término da rodada, o Dortmund permanece na última posição, enquanto o Augsburg entra na zona de classificação à Champions – exatamente o oposto do que poderia se esperar no início da temporada. O time de Jürgen Klopp fica a dois pontos do Stuttgart, penúltimo na tabela, e também de sair da zona da degola. Já a Liga Europa está a 15 pontos de distância. Ao apito final, Hummels e Weidenfeller ainda tiveram que ir até a Muralha Amarela para conversar com os torcedores mais furiosos. Se a torcida se mostrava paciente e ao lado do time durante o primeiro turno, este é o sinal mais claro de que a paciência se esgotou.

Durante algum tempo, o Dortmund acreditou que a má fase era apenas passageira e ainda dava para sonhar com a Champions, diante do equilíbrio no meio da tabela da Bundesliga. Neste momento, entretanto, a grande prioridade é fugir do fantasma do rebaixamento. Especialmente porque o time não evoluiu praticamente nada durante os dois meses de pré-temporada, pelo menos nessas duas primeiras amostras. O jeito é tratar a sequência na tabela com a seriedade necessária: buscando os pontos para se safar o mais rápido possível de uma situação cada vez mais desesperadora.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo