Alemanha

Da melhor maneira

Uma vitória por 2 a 0 e nada de sustos na estréia da Nationalelf na Eurocopa-08. Nada de surpresas também na escalação da equipe. Se antes da partida o técnico Joachim Löw ainda tinha dúvidas de qual seria a melhor opção para jogar ao lado de Mirolav Klose no ataque da seleção alemã, a solução foi apostar em algo novo, mas sem abrir mão do que era uma certeza.

Com a perspectiva de enfrentar um adversário tradicionalmente mais fraco, o treinador decidiu por uma formação ofensiva. Apesar da atuação de Mario Goméz ter ficado abaixo das expectativas no amistoso contra a Sérvia, Löw o deu mais uma chance. O atacante do Stuttgart, um dos únicos jogadores entre os que iniciaram a partida que não fez parte do time na Copa do Mundo em 2006 (o outro foi Fritz), aproveitou a chance e provou, durante a partida, que o treinador havia feito a escolha certa. Assim como em escalar Clemens Fritz entre os titulares.

Goméz se movimentou bem, participou da jogada que resultou no primeiro gol e deixou uma boa imprensão ao ser substituído. Mas a noite, em Klagenfurt, seria mesmo de outro atacante, Lukas Podolski mostrou que, com ele, o meio campo funciona e confirmou que a dupla da Copa do Mundo de 2006 segue como uma parceria que dá certo.

Nascido na Polônia, o naturalizado Podolski não comemorou os gols marcados contra o amigo Boruc, mas vibrou com a possibilidade de que atuações como a do último domingo possam garantir a ele novos ares. Se em 2006 o jogador que foi considerado a revelação da Copa do Mundo, ainda poderia esperar por seu espaço em um grande clube como o Bayern de Munique. Em 2008 será muito difícil para o atacante assistir a mais uma temporada no banco de reservas.

O camisa 20 sabe que após a conquista da Copa da Alemanha e da Bundesliga com atuações irretocáveis da dupla Ribery e Luca Toni, suas chances de estar entre os onze, mesmo com a chegada de Jurgen Klismann, praticamente não existem. Além disso, se o Bayern seguir a tradição de não economizar em contratações de verão, o “Prinz” pode perder ainda mais espaço.

Já Joachim Low mostrou-se satisfeito com a estréia e claro, com a atuação de Podolski. Mesmo contra a Croácia, nesta quinta-feira, um adversário que conta com alguns jogadores que atuam na Bundesliga e possivelmente oferecerá mais dificuldades, a escalação da estréia deve ser mantida. Resta saber se Löw correrá o risco de colocar em campo uma equipe tão ofensiva diante de adversários mais fortes.

E os times da casa…

Em suas partidas de estréia, o que já era esperado aconteceu para a Áustria e a Suíça, as seleções anfitriãs saíram de campo derrotadas e o que resta é saber o que ficou de positivo na apresentação das co-anfitriãs da Euro. Apesar de não conseguirem vencer, Áustria e Suíça mostraram que não são (ou seriam), adversários tão insignificantes como se poderia pensar antes do início da competição.

Na primeira partida da Euro-08, a Suíça perdeu por 1 a 0 para a República Tcheca, no St Jacob Park, mas lutou pelo empate até o final. Pior que o resultado foi a perda do atacante Frei, que com uma lesão no joelho se despediu, ainda mais cedo que a sua seleção.

Contra a Turquia, a história foi parecida. Os hélveticos foram melhores no início, saíram na frente do placar, cederam o empate, mas continuaram seguros em campo. O empate manteria as chances de classificação até a última rodada, mas a virada aconteceu. Mesmo sem esperar muito, ver sua seleção eliminada logo na segunda partida não estava nos planos de Jacob Kuhn.

No Estádio Ernst Happel, Áustria e Croácia fizeram uma partida onde faltou criatividade e o que valeu mesmo foi a disposição. O gol da vitória por 1 a 0 dos croatas saiu aos 3 minutos por meio de uma cobrança de pênalti de Luka Modric, que passou longe de ser defendida pelo goleiro Jürgen Macho. O goleiro que, para a surpresa de alguns, acabou sendo o escolhido de Josef Hickersberger e deixou Alex Manninger no banco de reservas.

Apesar de ser considerada a seleção mais fraca da competição européia, a Áustria também vendeu caro a derrota e passou muito perto do empate. A atuação do meia direita Martin Harnik foi o destaque positivo e a disposição mostrada encheu os austríacos de esperança de que contra a Polônia, a Suíça não tenha o mesmo destino de seus vizinhos.

Nos bastidores

Enquanto a Nationalelf está na disputa do título da Eurocopa, seu ex-treinador Jurgen Klismann corre atrás de reforços para seu clube. E tudo leva a crer que Alexander Hleb é o favorito de Klismann para vestir a camisa do Bayern de Munique na próxima temporada.

O jogador deixou o Stuttgart em 2005 ao se transferir para o Arsenal. Fez uma boa temporada, mas já declarou não ter se acostumado com a vida em Londres. O contrato de Hleb com o clube inglês vai até 2010.
 

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo