Bundesliga

Hertha Berlim vai em busca de mais um medalhão e anuncia a chegada sem custos de Jovetic

Aos 31 anos, Jovetic jogará pela primeira vez na Bundesliga, passando por todas as cinco grandes ligas europeias

A política de contratações do Hertha Berlim nas últimas duas temporadas não surtiu resultados. O clube recorreu a diversos jovens jogadores e outros nomes em ascensão para tentar brigar por uma vaga nas copas europeias, mas a Velha Senhora se tornou uma das grandes decepções da Bundesliga ao lidar com o rebaixamento. Para 2021/22, os berlinenses mudaram um pouco o perfil de seus reforços e miraram jogadores mais experientes. E uma novidade no elenco será Stevan Jovetic. Aos 31 anos, o montenegrino chega sem custos ao Estádio Olímpico e agrega experiência ao Hertha.

Jovetic é um atacante cuja experiência dentro de campo é maior do que sua idade indica. A rodada carreira do montenegrino inclui passagens por Serie A, Premier League, La Liga e Ligue 1. O prodígio que despontou no Partizan Belgrado não atingiu as expectativas sobre seu talento, mas ainda assim construiu uma história condecorada e com muitos clubes relevantes. Teve seu melhor momento na Fiorentina e, depois de rodar um bocado sem emplacar (por Manchester City, Internazionale e Sevilla), se estabilizou no Monaco a partir de 2018.

Os números de Jovetic no Monaco não impressionam tanto. O atacante permaneceu três temporadas e meia no principado, com 21 gols em 77 partidas. Conviveu bastante com as lesões e apenas na temporada passada é que voltou a desfrutar de uma sequência, embora fosse reserva na boa campanha da equipe dirigida por Niko Kovac. Se não era um protagonista nos alvirrubros, o capitão da seleção de Montenegro ao menos seguia com mercado entre clubes médios da Europa. Pela primeira vez, tentará se provar na Bundesliga.

Ainda que seu histórico por clubes não anime tanto, Jovetic pode ser um jogador bastante útil ao Hertha Berlim. É um atacante com capacidade de definição e que pode atuar em diferentes funções na linha de frente. Com a saída de Jhon Córdoba ao Krasnodar, o montenegrino poderá garantir um pouco mais de senso coletivo ao ataque berlinense. Deverá se combinar com Krzysztof Piatek e Matheus Cunha, ainda que existam especulações sobre a saída do brasileiro nesta janela de transferências. O Hertha espera ter mais casca e mais lideranças para ascender na tabela, algo que faltou na temporada passada.

Vale lembrar que Jovetic não é o único medalhão que chegou ao Hertha. O clube também trouxe de volta Kevin-Prince Boateng, que iniciou sua carreira no Estádio Olímpico. Também vale mencionar o retorno de Davie Selke, que estava emprestado ao Werder Bremen. Já no meio, o principal reforço dos berlinenses até o momento foi a adição de Suat Serdar, um dos melhores jogadores do Schalke 04 nas últimas temporadas, que veio por €8 milhões. Até por sua chegada, a diretoria não comprou em definitivo Mattéo Guendouzi, um dos tantos reforços badalados que não renderam na capital.

Pál Dárdai segue à frente do Hertha Berlim, numa aposta atrelada à própria vivência do treinador no clube. Depois dos clamores megalomaníacos que a injeção de dinheiro recente na agremiação gerou, a Velha Senhora parece manter os pés no chão, agora acreditando nos serviços de Fredi Bobic – diretor-executivo referendado por seu trabalho à frente do Eintracht Frankfurt nos últimos anos. É ver qual será o resultado da nova barca de reforços no Estádio Olímpico. Os berlinenses permanecem com um elenco para passar longe do rebaixamento e almejar a metade de cima da tabela, ainda que setores permaneçam carentes. De qualquer maneira, faltam resultados concretos para se criar uma confiança genuína no projeto, que tanto mudou de rumos nos últimos meses.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo