Graças ao seu apoio, as colunas das cinco grandes ligas da Europa estão de volta, e esta é a Die Meister, com informações e análises sobre o futebol alemão. Faça parte do nosso financiamento coletivo no Apoia.se e nos ajude a bater mais metas.

A Alemanha acumulou, na última temporada, sua maior pontuação na história do Ranking da Uefa. O número superou até mesmo a marca estabelecida em 2012/13, quando dois clubes da Bundesliga disputaram a decisão da Champions League. E os desempenhos recentes permitem acreditar que os representantes do país podem se tornar mais competitivos além das fronteiras. Há uma consistência que não se limita ao Bayern de Munique, enquanto a Liga Europa parece se tornar um objetivo mais palpável aos germânicos. Essa qualidade beneficia o campeonato como um todo, afinal.

O sucesso estrondoso do Bayern de Munique ajudou a deixar a Bundesliga novamente em evidência na temporada passada. Os bávaros sobraram na Champions League e fizeram uma das campanhas mais inquestionáveis do torneio ao longo das últimas décadas. Dentro de casa, porém, a hegemonia do clube permanece intacta. Por mais que a edição anterior tenha se mantido equilibrada durante parte do tempo, ninguém conseguiu acompanhar o time de Hansi Flick na reta final. Na atual campanha, não há uma diferença de pontos tão grande ainda, mas de novo parece difícil imaginar alguém que vá acompanhar o ritmo dos octacampeões. Então, a Europa se torna mais atrativa.

Por anos, além do Bayern, o Borussia Dortmund se manteve como o outro clube alemão a fazer bons papéis nas copas europeias. O RB Leipzig deixou expresso na temporada passada como a situação pode ser diferente. Não se menospreza a capacidade de superar Tottenham e Atlético de Madrid pelo caminho, alcançando as semifinais. Os Touros Vermelhos contribuíram bastante à pontuação no ranking, enquanto o Dortmund teve um desempenho razoável até as oitavas, caindo por pouco diante do Paris Saint-Germain. O respeito aos representantes da Bundesliga se torna maior.

E o mesmo dá para se dizer da Liga Europa, um terreno onde os alemães podem ganhar espaço. Durante boa parte dos últimos anos, os times da Bundesliga não conseguiram representar seu potencial no torneio secundário. Houve uma sequência de bons desempenhos até 2010, quando o Hamburgo chegou até a semifinal – depois de clubes como Werder Bremen, Schalke 04, Borussia Dortmund e o próprio Bayern alcançarem as fases mais agudas. A partir de então, ocorreu uma queda de competitividade dos germânicos no certame, até o Eintracht Frankfurt bater nas semifinais em 2018/19 com uma caminhada histórica. Na edição passada, ninguém foi tão longe, mas o Bayer Leverkusen parou nas quartas de final, enquanto Wolfsburg e Frankfurt caíram nas oitavas.

O início da atual temporada das competições europeias leva a crer que os alemães possam repetir o alto nível e chegar longe com diferentes representantes. Desta vez, não dá para dizer que o sorteio ajudou, sobretudo na fase de grupos da Champions. Mesmo assim, as equipes da Bundesliga batem de frente contra adversários muito mais badalados e de maior investimento. Apenas o Wolfsburg ficou nas preliminares. Dos seis sobreviventes, todos já estão garantidos nos mata-matas, ainda que dois deles precisem definir se seguem na Champions ou se serão repescados à Liga Europa.

O Bayern de Munique é a garantia óbvia de que a Alemanha continuará acumulando bons pontos nos rankings da Uefa. Ainda não parece haver um clube capaz de encarar os bávaros nesse momento, pela própria consistência do futebol exibido. O time de Hansi Flick se classificou com duas rodadas de antecipação e ganha com folga até quando não joga tão bem. A maior prova de força veio nos 4 a 0 contra o Atlético de Madrid da segunda rodada. Nesta semana, mesmo com um mistão, os alvirrubros foram capazes de arrancar o empate com os colchoneros no Metropolitano. Não há fórmula para desbancar a potência.

O Borussia Dortmund também garantiu a classificação antecipada, ao empatar com a Lazio dentro do Signal Iduna Park. Ainda se espera uma grande atuação da equipe nesta Champions, considerando o grupo nivelado um pouco por baixo. Permanece a impressão de um time desequilibrado, sem que Lucien Favre consiga montar um coletivo tão sólido. Mas, mesmo se baseando nas individualidades, os aurinegros permanecem com uma equipe para ser temida nos mata-matas continentais. Afinal, não dá para ignorar a capacidade goleadora de Erling Braut Haaland, especialmente quando o centroavante se recuperar fisicamente. Há também jogadores que podem render mais.

O RB Leipzig corresponde bem, levando em conta que essa é uma temporada de transição e que jogadores importantes fizeram as malas – em especial, Timo Werner. O ataque ainda se acerta na Red Bull Arena, mas o time de Julian Nagelsmann continua brigando pelas cabeças na Bundesliga. A questão é o que conseguirá na Champions, em disputa tripla contra PSG e Manchester United. Nesta rodada, os Touros Vermelhos sofreram mais que o esperado, mas arrancaram a emocionante vitória por 4 a 3 sobre o Istambul Basaksehir. O time ainda depende só de si para avançar, mas precisará dar o troco dos 5 a 0 sofridos contra o Manchester United em Old Trafford. Dentro da Red Bull Arena, a vitória será necessária, até porque os parisienses devem cumprir sua parte no jogo paralelo. Será mais um teste de força ao Leipzig, contra um United que não transmite segurança.

Por fim, a missão mais difícil será a do Borussia Mönchengladbach. Ainda assim, os Potros podem ser considerados a grande surpresa alemã neste início de temporada europeia. Não fossem os pontos perdidos no fim dos jogos, a equipe poderia estar com uma situação mais confortável no temível Grupo B. Acabou derrotada pela Internazionale nesta terça, mas quase arrancando o empate no final – depois de já ter deixado escapar os empates contra os próprios nerazzurri e contra o Real Madrid nas rodadas iniciais. De qualquer forma, para o elenco curto que há no Borussia Park, a campanha sai bem melhor que a encomenda. O futebol agressivo e veloz aplicado por Marco Rose se expressa também na Champions, com direito a duas goleadas incontestáveis sobre o Shakhtar Donetsk.

O Gladbach não terá a vantagem de jogar em casa na última rodada. Dá para dizer até que o clube aproveitou mal os compromissos como mandante, acumulando apenas quatro pontos. Em compensação, a responsabilidade diminui contra o Real Madrid, dentro do Santiago Bernabéu. E se os Potros desejam mesmo fazer história, não parece haver palco mais propício. A equipe continua dependendo apenas de si, e um empate será suficiente para passar até mesmo na segunda colocação. Os merengues estão em crise, carecendo de uma identidade. A camisa blanca pode até pesar, assim como os jogadores mais renomados, mas os alemães possuem um padrão de jogo e um punhado de talentos para acreditar na inédita desclassificação do Madrid na fase de grupos.

Por fim, na Liga Europa, a missão está cumprida por Bayer Leverkusen e Hoffenheim. O Leverkusen tem mesmo uma equipe mais forte que a média no torneio secundário e se classificou ao conquistar quatro vitórias nas cinco primeiras rodadas. Nesta quinta aconteceu o triunfo sobre o Nice dentro da França, que culminou na demissão de Patrick Vieira. Os Aspirinas contam com o melhor ataque da competição até o momento, somando 17 tentos, e merecem créditos para chegar longe, enquanto seguem na cola dos líderes na Bundesliga. Mesmo com vendas importantes na atual temporada, sobretudo de Kai Havertz e Kevin Volland, a equipe de Peter Bosz continua apresentando vastos recursos ofensivos.

Já o Hoffenheim nem faz um início de temporada tão bom na Alemanha. Apesar da goleada que interrompeu a série invicta do Bayern, os alviazuis atravessam um jejum de triunfos no campeonato e frequentam a parte inferior da tabela. O time de Sebastian Hoeness está a sete pontos de distância da zona de classificação às copas europeias no momento. Assim, se agarra à Liga Europa como um objetivo interessante – até porque seu elenco também não é tão bem servido. Com 13 pontos, o Hoffe está invicto no cenário continental e até se confirmou na liderança da chave – mesmo que o desafio não fosse tão grande contra Estrela Vermelha, Slovan Liberec e Gent. O time só tomou um gol, com a segunda melhor defesa do certame. Pode correr por fora.

Lá se vão oito temporadas consecutivas em que o Bayern de Munique não concede muitas chances para os demais alemães competirem pela Bundesliga. Quando muito, os concorrentes fazem um bom papel na Copa da Alemanha. E até pela fase dos bávaros, essa reviravolta parece mais difícil agora – com a visita do RB Leipzig à Allianz Arena neste sábado podendo trazer respostas importantes. Desta maneira, os representantes da Bundesliga podem focar mais nas copas continentais e buscar outros caminhos para crescer. Ainda que houvesse qualidade técnica no restante das equipes do país, não acontecia um investimento e um planejamento específico para buscar o sucesso nas campanhas europeias. Neste momento, os germânicos parecem mais preparados a bater de frente com as potências estrangeiras, até pela capacidade dos treinadores em atividade no país.

As boas atuações na Champions são consequência desta mentalidade. Os representantes da Bundesliga ainda não compartilham o nível de investimento médio da Premier League, mas dão mostras de que o sucesso pode ser mais frequente. Já a Liga Europa é um termômetro maior desse empenho nos torneios continentais, especialmente por ser uma competição mais aberta. Se ninguém consegue perseguir o Bayern, pode tirar proveito do alto nível de exigência que existe na liga local para encarar melhor os desafios continentais. Mesmo se não seguirem em frente na Champions, Gladbach e Leipzig serão importantes para reforçar esse olhar além das fronteiras na Liga Europa. É um meio alternativo para os times não ficarem presos apenas ao abismo do Campeonato Alemão, e que já deveria ser focado antes.