Portugal
Tendência

Em tempos de fortunas da Arábia, Di María escolhe o coração e volta ao Benfica

O contrato entre os Encarnados e o meia argentino terá duração de apenas uma temporada, mas animou bastante a torcida

Ángel Di María é o novo reforço do Benfica para próxima temporada após deixar a Juventus. O meia-atacante argentino foi anunciado nesta quarta-feira (5) pelos Encarnados e retorna ao clube onde despontou na Europa. Em um mercado de verão de transferências no qual quem deu as cartas foi o mercado da Arábia Saudita, chama atenção o retorno do argentino à equipe na qual despontou e chamou a atenção de gigantes mundiais.

O contrato entre os Encarnados e o meia argentino terá duração de apenas uma temporada, mas animou bastante a torcida. Mesmo não tendo passado muito tempo no Benfica, Di María é extremamente querido por sua torcida, principalmente por ser o principal responsável pelo título português da temporada 2009/10. A conquista foi um alento em meio a uma época na qual o Porto, principal rival, nada de braçadas em Portugal — essa taça evitou que os Dragões conquistassem 8 taças consecutivas.

Mas mais do que um abraço no coração do torcedor do Benfica, o retorno de Di María pode render bons momentos em campo. Mesmo longe de seu auge, o argentino ainda tem lenha para queimar e pode liderar um jovem Benfica, atual campeão português, a alçar voos mais altos não só em Portugal, como também na Europa.

Como foram os últimos anos de Di María?

A primeira coisa que o Benfica tem de ter em mente é que Di María precisa de um planejamento específico para ser bem utilizado. Se em toda sua carreira o meia já sofreu com lesões e problemas físicos, a situação claramente se agravou agora, no alto de seus 35 anos. Pela Juventus, na última temporada, atuou em 26 jogos na Serie A, com uma média de 52 minutos jogados por partida. Para a Velha Senhora, pode não ter sido de muita utilidade, mas para o Benfica tende a ser.

A última Copa do Mundo é o exemplo perfeito para o Benfica. Di María começou a competição como titular, mas ainda na fase de grupos sucumbiu a problemas físicos. Veio o mata-mata e sua maior aparição até a final havia sido nos minutos finais da prorrogação das quartas de final contra a Holanda. Mas aí veio a final e Di María foi titular.

O jogo que marcou sua despedida da Seleção Argentina teve um roteiro digno dos melhores filmes. Di María surpreendentemente começou como titular e brilhou, sendo fundamental para a conquista argentina. Não apenas marcou um gol, como sofreu pênalti convertido pelo grande amigo Lionel Messi — a amizade, inclusive, foi o que alimentou o rumor de que o meia também poderia ir para o Inter Miami. Com tempo reduzido e dosado, foi simplesmente fundamental para a Argentina.

Como o Benfica pode usar Di María?

O meia é, sem dúvidas, o principal reforço do Benfica para a temporada. Os Encarnados têm se reforçado pontualmente e também trouxeram o ótimo e promissor Orkun Kökçü, que veio do Feyenoord. No 4-2-3-1 de Roger Schmidt, ambos têm muito espaço e muito a contribuir, mas vamos focar no que pode oferecer o argentino dentro de campo.

Di María tem todas as qualidades para atuar em qualquer posição na linha de três meio-campistas que Schmidt monta no Benfica. Sua composição depende muito do adversário a ser enfrentado e o argentino aumenta bastante o nível dessa rotação. Primordialmente, deve ser colocado na ponta esquerda, já que na direita João Mário foi um dos destaques da temporada encarnada. Por ali, teria a concorrência de David Neres e Fredrik Aursnes, devendo ser titular em jogos mais importantes.

O técnico alemão, se optar por fazer de Di María um coringa em sua rotação, deve ganhar e muito em qualidade técnica e, principalmente, experiência, deixando com que os bons jovens do Benfica brilhem mais tranquilos. Para um duelo como foi contra a Internazionale, que rendeu a eliminação lusa na última Champions, Di María pode ser uma peça-chave como foi para Lionel Scaloni e sua Argentina na Copa.

O fato do argentino ter optado por voltar por conta de sua ótima relação também é um alento para os torcedores. Com contrato de apenas um ano, passa a impressão que colocou o Benfica em sua rota de despedida do futebol, cada vez mais próxima. Com lenha para queimar, une o útil ao agradável e deve cravar ainda mais seu nome na história encarnada. Não a toa, será apresentado na quinta (6) ao lado da estátua de Eusébio, um Deus para o Benfica e sua torcida. Merecido para quem ouviu o coração antes do bolso.

Números de Dí Maria em sua carreira

  • BENFICA – 121 jogos, 15 gols e 28 assistências
  • Paris Saint Germain – 295 jogos, 93 gols e 119 assistências
  • Juventus – 40 jogos, 8 gols e 7 assistências
  • Real Madrid – 190 jogos, 36 gols e 85 assistências
  • Rosario Central – 39 jogos, 6 gols e 2 assistências
  • Manchester United – 32 jogos, 4 gols e 12 assistências
  • Seleção Argentina – 132 jogos e 29 gols
Foto de Leonardo Sacco

Leonardo Sacco

Formado em Jornalismo pela Cásper Líbero, fez categorias de base na TV Gazeta, Olheiros e Impedimento. Se profissionalizou no Yahoo e desde junho de 2023 é coordenador de conteúdos editoriais da Trivela.
Botão Voltar ao topo