Olimpíadas

Na partida que jogou menos, Brasil venceu Arábia Saudita com dois gols de Richarlison

Depois de um primeiro tempo ruim, Brasil consegue deslanchar na fase final, vence com dois gols de Richarlison e avança em primeiro no seu grupo

A Arábia Saudita era, teoricamente, o time mais fraco do grupo do Brasil, mas criou dificuldades para o time comandado por André Jardine. A vitória por 3 a 1 veio só no segundo tempo, em uma reta final que teve dois gols de Richarlison. Foi o jogo que a seleção brasileira jogou menos futebol, especialmente no primeiro tempo. O adversário tentou causar problemas especialmente em velocidade, mas acabou sucumbindo no segundo tempo. O futebol ficou aquém, mas o time mostrou consistência para poder vencer o jogo e se classificar em primeiro lugar com tranquilidade, já que Costa do Marfim e Alemanha empataram no outro jogo – o que eliminou os europeus.

O time do Brasil em campo foi praticamente o mesmo dos jogos anteriores, com uma mudança obrigada: o ovolante Douglas Luiz, expulso, estava suspenso e entrou em seu lugar Matheus Henrique. Mais uma vez, o time jogou em um 4-4-2, com Richarlison e Matheus Cunha no ataque e Claudinho aberto pela esquerda e Antony pela direita.

Foi um jogo para aumentar a confiança de Matheus Cunha, que conseguiu marcar seu primeiro gol, embora tenha perdido outra chance. Richarlison mais uma vez foi decisivo e tem assumido o posto de protagonista da equipe. Ainda é um problema pensar que Claudinho acaba sacrificado demais pelo lado esquerdo, quando é sabido que pode render mais pelo meio. Ainda é uma questão que Jardine terá que lidar. O Brasil espera o adversário para as quartas de final, que será no próximo sábado, 7h (horário de Brasília) contra o segundo colocado do Grupo C, ainda a definir.

Primeiro tempo

Aos 13 minutos, Claudinho cobrou escanteio do lado esquerdo na primeira trave e Matheus Cunha subiu muito bem, de cabeça, e marcou: 1 a 0 para o Brasil. Foi o seu primeiro gol na Olimpíada, depois de perder diversas chances nas duas primeiras rodadas. No ciclo olímpico, ele tinha feito 19 gols, sendo um dos jogadores mais presentes desde o início da preparação.

A seleção brasileira quase chegou ao segundo gol aos 19 minutos. Guilherme Arana chegou pela esquerda e fez o cruzamento para a área. Antony chegou tocando de peixinho e a bola bateu no travessão. Ainda deu rebote, mas Claudinho chutou em cima do jogador saudita.

O time saudita pressionou a marcação e conseguiu uma falta de Guilherme Arana, que recebeu o cartão amarelo. Salman Al-Faraj colocou na área, Diego Carlos não alcançou a bola e o zagueiro Abdulelah Alamri conseguiu o toque de cabeça no canto, tirando do goleiro Santos e empatando o jogo em 1 a 1.

O jogo ficou perigoso, com os sauditas atacante sempre em velocidade e tentando pegar o Brasil no contra-ataque. A seleção brasileira chegava com troca de passes e, aos 36, por pouco não chegou ao segundo gol. Depois de trabalhar a jogada pelo lado esquerdo, Arana chutou forte de fora da área e a bola passou raspando.

Matheus Cunha comemora seu primeiro gol na Olimpíada (Lucas Figueiredo/CBF)

Segundo tempo

O técnico André Jardine decidiu mudar a equipe para o segundo tempo. Sacou o ponta Antony e colocou em campo Malcom. O jogador do Zenit, ex-Corinthians, entrou na mesma posição: como ponta do lado direito do ataque.

Os brasileiros tiveram mais iniciativa no segundo tempo, enquanto os sauditas esperavam para os contra-ataques. Nos primeiros minutos da segunda etapa, o time brasileiro forçou muito os cruzamentos para a área.

O Brasil perdeu uma grande chance de marcar o segundo gol aos 20 minutos. Matheus Henrique chutou de pé esquerdo, o goleiro defendeu e sobrou para Matheus Cunha, que tentou o toque de pé direito, mas a bola bateu no pé da trave e saiu. Uma chance claríssima desperdiçada.

Com o passar dos minutos e o futebol do time ainda abaixo dos outros jogos, Jardine colocou em campo Reinier no lugar de Claudinho, que rendeu menos do que estamos acostumados a ver jogando deslocado pela esquerda, como tem acontecido.

O gol finalmente saiu aos 31 minutos. Depois de cobrança de falta pela esquerda, a defesa afastou e a bola sobrou no meio da área para Bruno Guimarães, que tocou de cabeça para Richarlison desviar para o gol: 2 a 1 para o Brasil.

Richarlison ainda marcaria outro gol, mas foi anulado por impedimento. Malcom recebeu a bola em profundidade na ponta direita, avançou e tocou rasteiro para o Pombo finalizar de pé esquerdo, mas imediatamente o tento acabou anulado.

Só que nos acréscimos, não teve jeito. Desta vez em uma jogada pela direita, Malcom tocou para Reinier, que tocou cruzado para o lado oposto. Richarlison, livre, quase embaixo do gol, empurrou para a rede: 3 a 1, aos 47 minutos. Um gol que selou a vitória e deu ao atacante a artilharia do torneio, com cinco gols.

Quem o Brasil enfrenta?

A seleção brasileira enfrentará o segundo colocado do Grupo C, que tem Espanha, Austrália, Argentina e Egito. Os jogos começam 8h desta quarta.

 

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo