Olimpíadas

Brasil x Egito se pegaram nas Olimpíadas não faz muito tempo, na estreia de ambos nos Jogos de Londres

Duelo em Cardiff contou com uma série de astros em campo, incluindo Neymar e Salah

Brasil e Egito duelam por uma vaga na semifinal do torneio masculino de futebol das Olímpiadas neste sábado, com um precedente não muito distante nos próprios Jogos. Há nove anos, brasileiros e egípcios se encaravam exatamente na estreia da fase de grupos, em Cardiff. E aquele embate contaria com uma porção de figuras marcantes dentro de campo. De um lado, a Canarinho reunia nomes como Neymar, Marcelo e Thiago Silva. Já os Faraós vinham com uma equipe suficientemente forte, estrelada por Mohamed Aboutrika, mas com a presença de um jovem Mohamed Salah. A vitória por 3 a 2 ficou com a Seleção, mas os dois times se classificariam.

O Brasil contava com uma geração promissora o suficiente nos Jogos de Londres. Entre os talentos da idade apareciam Neymar, Alexandre Pato, Paulo Henrique Ganso, Oscar e Leandro Damião – badalados na época, ainda que quase todos não tenham estourado como o esperado. Danilo, Alex Sandro e Lucas Moura estavam no banco. Já a trinca acima dos 23 anos oferecia Thiago Silva, Marcelo e Hulk. Era mais um elenco com força para a busca do cobiçado ouro, mas que acabaria fracassando no momento decisivo.

Já o Egito aproveitou a oportunidade com uma equipe de peso. Os Faraós voltavam ao futebol masculino nas Olimpíadas após 20 anos e tentavam a inédita medalha, após ficarem na quarta colocação tanto em 1928 quanto em 1964. O maestro Mohamed Aboutrika encaminhava-se ao fim da carreira e vestia a camisa 10, assim como usava a braçadeira de capitão. Mohamed Salah, aos 20 anos, servia como uma espécie de aprendiz da lenda. Entre os medalhões acima dos 23 anos também estavam Ahmed Fathy e Emad Moteab, símbolos da equipe principal. Atual capitão em Tóquio, Ahmed Hegazi era um dos jovens daquele grupo, assim como Mohamed Elneny.

A partida pareceu se definir logo cedo em Cardiff. O Brasil não precisou de muito esforço para abrir três gols de vantagem. O lateral Rafael anotou o primeiro, Leandro Damião ampliou e Neymar também deixou o seu aos 30 minutos. O problema é que a Seleção se acomodou com seus três gols e permitiu a reação do Egito no segundo tempo. Aboutrika descontou no rebote de uma bola na trave e Salah ganhou a disputa com a zaga para assinalar o segundo. Faltando mais 15 minutos para o fim do embate, os egípcios botaram pressão atrás do empate, mas os brasileiros acabaram confirmando o triunfo.

O Brasil terminou o Grupo C das Olimpíadas de 2012 com nove pontos, derrotando também Belarus e Nova Zelândia. Já o Egito confirmou o posto de segunda força na chave, ao empatar com os neozelandeses e derrotar os belarussos. Salah balançou as redes em todos os jogos. A queda dos Faraós ocorreu nas quartas de final, derrotados por 3 a 0 pelo Japão. Já o Brasil despachou Honduras e Coreia do Sul, até a dolorosa derrota para o México na final. A Seleção deu a volta por cima com o ouro de 2016. O Egito se ausentou no Rio, voltando para Tóquio e outra vez medindo forças com os brasileiros.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo