Mundo

Japão evoluiu demais e vai incomodar muita gente

Se você acha que o Japão continua sendo aquele time tosco dos anos 1990 que se enrolava com a bola, abusava da correria, pare já. Caso você não tenha visto nada da seleção de Alberto Zaccheroni ou tenha tomado a atuação discreta contra o Brasil como base, volte ao título e releia.

Senhores, a cara nova do Japão é esta que sofreu um injusto 4 a 3 perante a Itália. Um time que se adapta às novas tendências táticas e que tem jogadores realmente talentosos foi o que se apresentou diante dos italianos. Uma equipe física, bem armada e inteligente para sair no contragolpe. Durante a primeira meia hora de jogo essa foi a tendência e especialmente no fim do segundo tempo da Arena Pernambuco os japoneses colocaram a defesa italiana em absoluto terror.

Desde agosto de 2010, todo o planejamento da seleção estava prestes a mudar, com a chegada de Zaccheroni ao comando. Um time que já estava se livrando das limitações técnicas e que mostrava boa margem de crescimento, sem falar em Keisuke Honda, meia insinuante que despontou muito bem na Copa daquele ano.

Com a bola nos pés, o Japão sabe se comportar muito bem e não parece se apequenar diante de grandes adversários. O bom trabalho dos laterais Uchida e Nagatomo, a condução de Hasebe e o talento de Honda e Kagawa certamente tornam os japoneses adversários complicados. Okazaki completa o setor ofensivo com bom cabeceio e agilidade para encontrar alternativas dentro da área.

A proposta de Zaccheroni é tentar encurtar o espaço dos adversários na criação e sair em velocidade para pegar a defesa adversária desprevenida, de preferência indo até a linha de fundo. Quando enfrenta oponentes de igual para igual, o Japão leva vantagem nos minutos finais do jogo por estar conservado fisicamente. E essa é uma receita que vem sendo trabalhada pela comissão técnica: os nipônicos serão sempre os últimos a cansar.

A se lamentar fica o fato da seleção mais intensa até aqui na competição ter dado adeus antes da fase final. Passam Brasil e Itália, que carregam sua tradição e uma reconhecida capacidade de superar azarões. Mas eles que não esqueçam que o Japão está chegando e jogando uma bola no mínimo louvável.

Para 2014, os japoneses não serão apenas figurantes ou uma daquelas seleções que participam apenas para chegar nas oitavas de final.

Mostrar mais

Felipe Portes

Felipe Portes é zagueiro ocasional, cruyffista irremediável e desenhista em Instagram.com/draw.portes

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo