Mundo

Em 1997, Blatter negava que concorreria à presidência da Fifa: “23 anos são o bastante”

O poder é algo sedutor. A implicância em se agarrar a ele que tantos dirigentes de futebol demonstram é a prova clara de que, uma vez em contato com o comando, é difícil abrir mão dele. Reeleito para o cargo de presidente da Fifa, Joseph Blatter completará 17 anos na posição na próxima segunda-feira. Ao todo, são 40 anos dentro da entidade. E olha que antes mesmo de ser eleito pela primeira vez para chefiar a instituição, o suíço falava em deixá-la.

VEJA TAMBÉM: Jack Warner usa notícia de site de humor para se defender em um vídeo maravilhoso (de ruim)

Em um tópico no Reddit, um usuário publicou uma pequena nota de um jornal suíço, de 1997, em que Blatter, então secretário-geral, dizia que 23 anos na Fifa já eram suficientes. “Depois da Copa do Mundo de 1998, na França, Sepp Blatter se aposentará do cargo de secretário-geral da Fifa. “23 anos trabalhando para a Fifa são o bastante”, disse o suíço, explicando que não busca a posição de presidente da Fifa depois que João Havelange (Brasil) se aposentar em 1998”, diz o texto, que você pode ver abaixo.

wMIsnSX

Cada vez mais agarrado ao poder e ao status que alcançou, Blatter certamente não deixará a posição sem luta. Mesmo o escândalo do Fifagate, e os pedidos de gente importante, como Platini, pela sua saída foram suficientes para tirar o suíço da disputa da semana passada. A vitória sobre o Príncipe Ali bin Hussein, mesmo que apenas no segundo turno das votações, mostrou que o capital político do mandatário é suficientemente grande para fazê-lo sobreviver até à mais forte das turbulências pela qual passou a Fifa em sua história. Desta vez, no entanto, o esforço para ter um mandato mais estável será muito maior.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo