HolandaLeste Europeu

David Neres brilhou nos primeiros anos de Ajax, mas vai para o Shakhtar após perder espaço em Amsterdã

Ajax acerta a venda de David Neres ao Shakhtar por 15 milhões de euros e atacante integrará a legião brasileira na Ucrânia

O Ajax acertou a venda de David Neres, de 24 anos, ao Shakhtar Donetsk por € 15 milhões, segundo o Voetbal International. O atacante brasileiro estava para ser negociado há algum tempo e o clube ucraniano foi quem chegou efetivamente com uma proposta para levá-lo. O Ajax ainda fica com uma parcela de revenda do jogador no futuro, caso aconteça. O São Paulo tem uma porcentagem de 3% do valor para receber do valor. Ainda falta o anúncio oficial do clube, mas segundo a Voetbal International, está tudo acertado.

O jogador tinha contrato até junho de 2023 e, portanto, estava dentro dos últimos 18 meses do seu contrato. A ideia do Ajax era negociar o brasileiro e foi especulada em vários clubes, mas quem chegou com o dinheiro foi mesmo o Shakhtar. “Os clubes já estão com tudo certo er as coisas devem ser completadas nos próximos dias. No Shakhtar, David quer se colocar de volta no holofote europeu”, disse Revien Kanhai, da empresa que representa o jogador, ao Voetbal International.

A mudança de clube acaba sendo uma queda em relação ao que Neres vive atualmente. Reserva em Amsterdã, deve ganhar mais minutos jogando no Shakhtar, mas em um clube e uma liga de muito menos visibilidade. Aos 24 anos, precisará jogar muito bem para ainda sonhar com outra transferência para uma liga maior. A aposta parece ser mesmo em aparecer mais nos jogos europeus, os mais vistos no mundo. Considerando que o Shakhtar não costuma vender seus jogadores com facilidade, é bem possível que ele fique todo o contrato na Ucrânia e só depois possa pensar em um novo destino, aos 29 anos.

Altos e baixos em Amsterdã

O Ajax contratou Neres em janeiro de 2017 para o clube neerlandês. Na época, o valor pago foi de € 22 milhões pelo jogador. Ponta canhoto, Neres fez parte de grandes campanhas do Ajax e se tornou um jogador importante, conquistando a torcida e chamando a atenção para ir à seleção brasileira. A empolgação dos primeiros anos ficou de lado quando vieram as oscilações, uma lesão e a reserva.

Entre os concorrentes de Neres para a posição está Anthony, além de concorrer com nomes como o capitão do time, Dusan Tadic, e com Steven Berghuis, que chegou nesta temporada e tem atuado atrás do centroavante Sébastien Haller. Na temporada passada, Neres chegou a atuar em uma ponta, com Anthony na outra e Tadic pelo meio. Com a chegada de Brghuis, perdeu espaço de vez.

Neres vivia grande fase na temporada 2018/19 e chegou à Copa América daquele ano como titular, aproveitando a ausência de Neymar. Ao longo da competição, porém, perdeu espaço e acabou no banco. Seu último jogo pela seleção acabou sendo em amistosos depois da Copa América, em setembro de 2019.

Em novembro de 2019, sofreu uma lesão grave no joelho que o afastou por muitos meses. Voltaria só na temporada 2020/21. O jogador perdeu espaço e passou a ficar no banco muitas vezes. Em 2020/21, fez 39 jogos, sendo 29 como titular. Na atual temporada, 2021/22, Os jogos como reserva se tornaram maioria: foram 22 jogos, com apenas seis como titular.

Com o Ajax buscando contrata Steven Bergwijn, do Tottenham, Neres era negociável e faltava só uma proposta que atendesse ao pedido do Ajax. Esperava-se que o Everton pudesse entrar na jogada, mas foi o Shakhtar que ficou com o jogador, tendo um histórico grande de brasileiros, além de um elenco já com muitos jogadores do país. Atualmente, o clube ucraniano tem 11 brasileiros (contando Júnior Moraes, naturalizado ucraniano).

Tensão e incerteza na Ucrânia

No Shakhtar, Neres pode ter a chance de ser titular mais vezes, de fato. Mas terá que brigar por posição ainda assim. O time tem o experiente Yevgen Konoplyanka, de 32 anos, que atua pelos lados, assim como o brasileiro Pedrinho. Neres chega como um reforço importante do clube dirigido pelo italiano Roberto De Zerbi e a aposta das pessoas que trabalham com Neres parece ser mais minutos de jogo em torneios europeus – já que a liga ucraniana não é vista na maior parte do mundo.

O problema é que o Shakhtar nem em competição europeia está mais nesta temporada. O time foi eliminado na Champions League em último lugar no seu grupo e, portanto, não irá nem para a Liga Europa. Só mesmo na próxima temporada para disputar uma competição europeia. Em termos locais, o Shakhtar segue forte: o time lidera o Campeonato Ucraniano depois de 18 jogos, com 47 pontos, dois a mais que o rival Dynamo de Kiev.

Além disso tudo, a Ucrânia vive uma situação geopolítica tensa. O Shakhtar não joga mais em Donetsk desde que a guerra entre Ucrânia e Rússia começou, em 2014, após os russos anexaram a Criméia. O próprio estádio do Shakhtar, a moderna Donbass Arena, foi bombardeado por forças separatistas – que a Ucrânia alega que foram apoiadas pelo exército russo, o que o Kremlin nega.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo