É muito bem documentado como o Real Madrid tem uma tendência a deixar talentos jovens escaparem pelos seus dedos. Haverá no próximo domingo um jogo emblemático nesse sentido, com Theo Hernández de um lado e do outro, dois laterais que não tiveram muitas chances no Santiago Bernabéu, mas que agora estão entre os melhores da posição e prestes a brigar pelo primeiro lugar da Serie A no clássico entre Milan e .

A trajetória de ambos são diferentes, mas, em comum, nenhum deles chegou sequer a 25 jogos pelo Real Madrid antes de irem embora. “Estávamos no Real Madrid e não jogávamos muito”, afirmou Hernández ao DAZN. “O melhor que poderíamos fazer era ir embora porque, se você não joga, você não é feliz e você não tem as oportunidades que gostaria de ter”.

Formado na base do , Hernández vazou antes de fazer sua estreia pelo clube principal. Segundo um comunicado dos colchoneros em 2017, anunciando a venda do jogador ao rival, ele rejeitou propostas para renovar contrato e também de outros europeus, sempre repetindo que desejava defender o Real Madrid.

Cuidado com o que deseja: Hernández ficou apenas uma temporada no Bernabéu, com 23 jogos. Foi emprestado à Real Sociedad no ano seguinte e acabou vendido ao Milan, em 2019. Atualmente, não é apenas um dos melhores laterais do Campeonato Italiano, mas um dos melhores jogadores.

Hakimi foi formado na base do Real Madrid e pelo menos teve experiência no . Chegou ao time principal na mesma temporada que Hernández, a última da primeira passagem de Zidane, e jogou ainda menos, apenas 17 vezes. Nos dois anos seguintes, foi emprestado ao Borussia Dortmund, pelo qual começou a mostrar seus atributos, especialmente no setor ofensivo. Ao fim da cessão temporária, o Real Madrid aproveitou para fazer dinheiro com ele e o vendeu por € 40 milhões à Internazionale.

Em seus primeiros meses em Milão, Hakimi ainda estava se adaptando e chegou a ser cobrado por Antonio Conte para melhorar a parte defensiva. Firmou-se como titular e disputou os 90 minutos de oito das últimas nove rodadas da Serie A.

“Hakimi e eu fizemos o melhor que podíamos e agora estamos aqui em Milão. Acharf é um jogador incrível, ele tem muito talento, velocidade, qualidade, somos muito similares”, elogiou Hernández. “Não lhe direi nada antes do dérbi. Em campo, somos inimigos, mas fora dele, somos bons amigos”.

A Internazionale superou o Milan na tabela de classificação no último fim de semana e chegará ao clássico com um ponto de vantagem na liderança.

.