ItáliaSerie A

Em ritmo de festa

Mesmo com cinco reservas em campo contra o Chievo, a Juventus não encontrou dificuldade alguma para vencer. Com dez minutos de jogo, o domínio da Velha Senhora sobre o time de Verona era tão claro quanto perigoso — e chega a assustar que uma hora tenha sido necessária para furar o gol rival. A forma como a equipe conseguiu manter a intensidade por 90 minutos impressiona.

E a surpresa é ainda maior porque foi o primeiro teste da Juventus na temporada com a utilização de um time misto. Cinco reservas entraram em campo para descansar atletas que haviam jogado contra o Chelsea na Liga dos Campeões e devem pegar a Fiorentina e a Roma nas próximas rodadas do Campeonato Italiano. Barzagli, Lichtsteiner, Pirlo, Vidal e Giovinco puderam descansar graças a reservas que, de quebra, não permitiram que o nível caísse.

Mesmo sem Pirlo, o maestro do time, a Juventus teve 62% de tempo de posse de bola contra o Chievo. Muito disso se deve à boa estreia de Pogba no papel de “regista” e até a uma surpreendente participação de Bonucci, que conseguiu distribuir bem o jogo juventino. A Velha Senhora chutou 27 vezes ao gol e, mesmo com tanto controle da partida, ainda se esmerou na defesa e conseguiu 27 desarmes. Os números chamam atenção por terem sido conseguidos contra o Chievo. Ainda que seja uma equipe modesta, sempre é um dos adversários mais difíceis de serem domados na Itália.

Daqueles que assumiram a titularidade, ninguém foi melhor do que Quagliarella. O atacante substituiu Giovinco e provavelmente vai manter a posição nas próximas rodadas. Depois de marcar contra o Chelsea, o artilheiro dos gols espetaculares anotou duas vezes contra o Chievo e chegou a um gol a cada 37 minutos. Em resumo, mostrou que pode ser um dos centroavantes tão necessitados pela Velha Senhora. Até porque ainda virão as fases artilheiras de Vucinic, Giovinco e até as de Matri e Bendtner, quem sabe. Sem contar a força dos zagueiros na bola aérea e o meio-campo artilheiro.

Num ritmo muito bom para o início da temporada de uma equipe que pretende brigar no topo do Campeonato Italiano e da Liga dos Campeões, a Juventus chegou a 43 jogos de invencibilidade na Série A, marca já próxima das 58 partidas do Milan no início da década de 1990. Nessas condições, provavelmente nem será preciso jogar até maio para conquistar o bicampeonato nacional.

Em relação à equipe que conseguiu o título invicto na temporada passada, a produção ofensiva no segundo tempo é a principal melhora notada: dois terços das finalizações da Velha Senhora ocorrem na metade final dos jogos. Além disso, há um elenco ainda mais forte, que não perdeu qualquer atleta que tenha realizado mais de cinco partidas como titular e ainda contratou jogadores do nível de Giovinco, Asamoah, Isla, Lúcio, Pogba e Bendtner. Não é o acaso que colocou a Juventus na ponta do campeonato, isolada, com quatro vitórias em quatro jogos.

Pallonetto

– Seleção Trivela da 4ª rodada: Gillet (Torino); Roncaglia (Fiorentina), Legrottaglie (Catania), Benatia (Udinese); Angelo (Siena), Maresca (Sampdoria), Rosina (Siena) e Asamoah (Juventus); Borriello (Genoa), Ranégie (Udinese) e Quagliarella (Juventus). Treinador: Cosmi (Siena).

– É absurdo, mas a torcida do Cagliari pagou por mais um ato de insanidade de seu presidente. O terreno do novo estádio do clube ainda tem guindastes e tratores, sem contar o gramado em condições precárias. A prefeitura da cidade, por questões de seguranças, exigiu que Cagliari x Roma fosse disputado de portões fechados, mas o manda-chuva sardo pediu que o torcedor mesmo assim se dirigisse à partida. Resultado? Jogo cancelado e vitória romanista por 3 a 0 no tapetão.

– As equipes de Milão jogaram oito vezes no novo gramado de San Siro. Resultado? Nenhuma vitória. A derrota da vez veio às custas da Inter, que perdeu para o Siena pela primeira vez na história. Uma substituição errada de Andrea Stramaccioni no início do segundo tempo foi letal. Colocar Álvarez no lugar de Guarín abriu a equipe de vez e não rendeu nada ofensivamente.

– O Milan vai ainda pior: perde em casa e fora dela. Desta vez, a Udinese foi a algoz. Massimiliano Allegri finalmente promoveu uma alteração tática desde o apito inicial, mas pouco adiantou. Francesco Guidolin alterou o posicionamento do time friulano com 15 minutos de jogo e anulou o 4-3-3 milanista. Sufocado taticamente, o Milan não conseguiu decidir.

– Goleiro do Genoa, Frey fez uma boa partida contra a Lazio, com duas defesas importantes. Depois do jogo, o arqueiro afirmou ter perdido 12kg desde a temporada passada. Será que ninguém da comissão técnica da equipe percebeu esses quilinhos a mais no ano passado?

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo