ItáliaSerie ASérie B

Recuperação de falência e ascensão meteórica: Carpi joga pela 1ª vez a Serie A

O Carpi recebeu o Bari nesta terça-feira, segurou o empate sem gols em casa e, com quatro rodadas de antecedência, garantiu sua promoção à Serie A da próxima temporada. Será a primeira vez que o clube, de 109 anos, disputará a elite italiana desde a instituição do campeonato da maneira como o conhecemos. O momento de pura alegria, no entanto, vem confrontado por uma pequena polêmica recente, mas nada que diminua o tamanho do feito do time nos últimos anos.

VEJA TAMBÉM: Faz 25 anos que Maradona deixou o San Paolo em êxtase e deu ao Napoli seu último scudetto

O Carpi já jogou na primeira divisão, mas na época em que a Serie A ainda não havia sido criada. Entre as temporadas 1919/20 e 1921/22, a equipe disputou o torneio equivalente à elite nacional, mas que era dividido por regiões e repleto de times. Desde a criação da Serie A, unificada, em 1929, nunca mais conseguiu retornar ao topo da pirâmide. Naturalmente, a promoção conquistada nesta terça-feira foi muito celebrada, mas a equipe sabe que enfrentará uma certa resistência de dirigentes de outros clubes do Italiano.

Em fevereiro, o dono da Lazio, Claudio Lotito, criticou a presença de clubes sem tradição no Campeonato Italiano, afirmando que isso prejudicava o poder de barganha da liga na hora da negociação dos direitos de televisão. “Se o Carpi subir, se times que não valem um centavo subir, em dois ou três anos não teremos um centavo. Fui muito bem ao vender os direitos de TV, trouxemos € 1,2 bilhão graças à minha habilidade. Consegui um acordo entre Sky e Mediaset, que em dez anos ninguém havia conseguido. Se em três anos tivermos Latina e Frosinone, quem compraria os direitos? Eles nem sabem onde fica Frosinone.”

Independentemente do que pensa o dono da Lazio, o trabalho feito pelo Carpi deve ser exaltado. O clube declarou falência em 1999, retornou no ano seguinte em torneios amadores e conseguiu a promoção à quarta divisão, a primeira profissional da pirâmide italiana à época, apenas em 2010. A ascensão à segunda divisão aconteceu só na temporada passada e, depois de um 12º lugar em 2013/14, o time já garantiu o acesso e disputa nas quatro rodadas finais o título da Serie B. Um dos destaques do time foi o goleiro Gabriel, de apenas 22 anos, emprestado pelo Milan. Dos 34 jogos que fez até agora, o brasileiro passou 20 sem sofrer gols. A questão técnica não é a única que chama a atenção, e o diretor esportivo do clube, Christian Giuntoli, gosta de exaltar a administração responsável da agremiação.

“Nosso crescimento não aconteceu por sorte, é a realização de um projeto que cresceu bastante. O clube é sólido, sem alarde e age com precaução. Acima de tudo, a cadeia de comando é pequena, e isso facilita o processo de tomada de decisões do clube”, afirmou após o acesso.

Na Serie A 2015/16, o Carpi terá que encontrar um outro estádio para chamar de seu. O time atualmente joga para, no máximo, 4.144 pessoas no Sandro Cabassi, e as regras da primeira divisão exigem um estádio para pelo menos 20 mil pessoas. O que, para uma comuna que caberia dentro do San Siro, é algo inimaginável – o território tem população de pouco mais de 67 mil pessoas.

É incrível que um clube desta dimensão tenha alcançado um feito tão grande, e o trabalho por trás disso deve ser exaltado. Os problemas do futebol italiano vão muito além do que um time pequenino conseguindo seu espaço no topo em meio à irresponsabilidade administrativa dos grandes. Talvez com dirigentes sensatos como os que o Carpi teve nos últimos anos o futebol italiano possa retomar seu rumo de grandeza.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo