ItáliaSerie A

Ranocchia intromete-se em legião sul-americana da Inter

A Internazionale passa por uma fase de transição. Folha salarial reduzida, poucas estrelas e até troca de dono, depois que Massimo Moratti vendeu 70% das ações para o tailandês Erick Thohir. O que segue o mesmo é a importância de jogadores estrangeiros na equipe, principalmente sul-americanos.

O gol de Andrea Ranocchia na vitória por 3 a 0 sobre a Udinese foi o primeiro de um italiano na Serie A de 2013/14. Mesmo na temporada inteira, contando a Copa Itália, o zagueiro foi o único nascido no país a balançar as redes pelo time azul de Milão.

Dos 27 gols da equipe de Walter Mazzarri na liga nacional – dois foram contra -, 20 foram marcados por sul-americanos, a maioria da Argentina, como Rodrigo Palacio, artilheiro do time com sete. Seus compatriotas Ricky Alvárez (4), Esteban Cambiasso (3), Mauro Icardi (2) e Diego Milito (2) também contribuíram bastante com o sistema ofensivo do quarto colocado do Italiano.

Além dos argentinos, a Inter marcou com o colombiano Fredy Guarín e com o brasileiro Jonathan. Também estrangeiros, mas de outros continentes, o meia argelino Saphir Taider, o zagueiro português Rolando e o lateral japonês Yuto Nagatomo deixaram seus gols. Ano passado foi parecido. Foram 55 gols na temporada da Serie A e apenas Antonio Cassano (7), Tommaso Rocchi (3) e o próprio Ranocchia (2) foram às redes.

Essa fórmula já se mostrou um sucesso. Na final da Liga dos Campeões de 2009/10, a Inter foi campeã contra o Bayern de Munique com nenhum italiano entre os titulares – Materazzi entrou no decorrer do jogo – e sete sul-americanos. A expectativa é pelo menos voltar a disputar a principal competição de clubes da Europa após duas temporadas de ausência.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo