Texto publicado originalmente em dezembro de 2018 e atualizado

A Serie A chegou a passar quase quatro décadas sem realizar jogos em 26 de dezembro, até retomar a ideia recentemente. Em 2018, a liga tentou aproveitar a visibilidade da data e entrar na onda da Premier League, o que não ocorria desde 1971. Todavia, o Boxing Day na Bota não durou mais do que uma temporada e os dirigentes italianos retomaram uma pausa mais longa para as festividades já em 2019, como se repete também em 2020. No país católico, o 26 de dezembro celebra Santo Stefano, primeiro mártir da religião. De qualquer maneira, o futebol na virada do ano já foi relativamente comum ao Calcio.

Desde 1992, a Serie A oferece uma pausa natalina aos seus clubes, que se estende até o início de janeiro. Em algumas temporadas entre as décadas de 1970 e de 1980, foi comum a realização de uma rodada “de fim de ano”, principalmente em 31 de dezembro. Já antes disso, desde a reorganização do campeonato após a Segunda Guerra Mundial, não existiam filtros às datas em dezembro – se fosse conveniente, as partidas aconteceriam em qualquer dia, independentemente de qual fosse. Assim, vez ou outra, o 26 de dezembro surgia no calendário.

O episódio mais curioso nestas mais de sete décadas aconteceu em 1955/56. Afinal, aquela temporada foi a única que teve uma rodada praticamente completa em pleno Natal. Cinco partidas aconteceram em 25 de dezembro, incluindo uma intensa vitória da Internazionale por 4 a 3 sobre o Genoa e uma virada do Torino sobre a Roma por 2 a 1. De qualquer maneira, o jogo de camisas mais pesadas ficou para o complemento da jornada, em 26 de dezembro. O Dia de Santo Stefano foi recheado por um fulgurante Milan x Juventus, realizado durante a tarde no San Siro.

Os dois times não vinham tão bem assim na tabela, apesar dos grandes nomes em campo e dos títulos recentes. Campeão na temporada anterior, o Milan tentava se aproximar dos líderes, enquanto a Juventus estava na parte inferior da tabela e parecia distante de romper o jejum que se estendia desde 1952. As arquibancadas não se encheram completamente naquele 26 de dezembro. Quem esteve presente, ao menos, pôde ver um ótimo triunfo rossonero por 3 a 1.

Enquanto o goleiro Lorenzo Buffon (primo do avô de Gianluigi) continha a pressão atrás, o ataque do Milan resolvia na frente. Eduardo Ricagni e Juan Schiaffino, duas vezes, anotaram os gols milanistas – com direito a um lindo tento de falta do uruguaio. Cesare Maldini, Nils Liedholm e Gunnar Nordahl foram outros que atuaram pela equipe naquela ocasião. Já a Juve, que tinha Giampiero Boniperti estrelando seu ataque, descontou com Leonardo Colella durante o segundo tempo. A reação poderia ser mais contundente, mas Buffon pegou um pênalti cobrado por Karl Aage Praest no final.

Aquela temporada não seria tão boa aos dois gigantes. O Scudetto ficou com a imparável Fiorentina, conquistando a taça pela primeira vez, em timaço protagonizado por Julinho Botelho – autor do gol na vitória por 1 a 0 sobre a Triestina naquele Natal. O Milan foi o vice-campeão, mas a 12 pontos de distância da Viola. Já a Juventus ocupou a modesta nona colocação, igualada em pontos com outras cinco equipes.