ItáliaSerie A

Os três tenores

Os três times com mais títulos e com mais torcida na Serie A dão indício que podem brigar pelo título em 2011/12. A Juventus e o Milan dividem a liderança na virada do ano, ambos com 34 pontos. São seguidos pela Udinese, a Lazio vem em seguida, mas a Inter já dá sinais nesse fim de ano que pode voltar a brigar pela ponta. São oito pontos de diferença para os líderes, mas há motivos para os nerazzurri terem esperança.

Se a Juventus é um time consistente e que ainda não conhece derrota na temporada e o Milan é um time que já regularidade e um elenco forte, a Inter começou a se recuperar na metade final do turno. Nos últimos jogos, conseguiu emplacar quatro vitórias consecutivas, que alavancaram o time ao quinto lugar, já de olho no grupo de cima.

O elenco comandado por Claudio Ranieri é desgastado e tem alta média de idade, mas tem potencial para chegar longe nesta temporada. Giampaolo Pazzini é quem tem conseguido ser mais regular no time e sendo sempre perigoso, o talento de Diego Forlán, a ótima finalização de Diego Milito, a solidez de Lúcio e Walter Samuel e, principalmente, o grande futebol de Wesley Sneijder. Todos esses jogadores têm variado muito seu futebol e, exceção ao holandês, machucado, terminaram com sinais de melhora.

Coadjuvantes como Ricky Álvarez e Philippe Coutinho deixaram algum sinal que podem ajudar o time e, se conseguirem manter o bom desempenho, devem ajudar o time em uma das posições mais carentes, a criação no meio-campo.

Na Juventus, o destaque é a coletividade. Um time que sabe ser solidário e que tem um jogador de meio-campo e um atacante dividindo a artilharia – Claudio Marchisio e Alessandro Matri. Este último é um dos melhores atacante em atividade na Serie A, com bom poder de finalização ao mesmo tempo que tem boa movimentação. Já o primeiro é o grande destaque da temporada na Itália. Pepe e Vucinic são jogadores técnicos e com função tática importante. Sem a bola, são marcadores. Com a bola, atacantes.

É um time trabalhador, que busca recuperar a bola como puder. Esse é um aspecto fundamental que Antonio Conte conseguiu imprimir sua marca no time. E juntando isso a um elenco razoavelmente homogêneo em todas as posições tornou o time muito forte e sério candidato ao título.

O Milan conta com o jogador que é candidato a nome do campeonato até o final: Zlatan Ibrahimovic. Além dele, a temporada de Kevin-Prince Boateng é novamente excelente e o meio-campo revigorado com Antonio Nocerino e Alberto Aquilani ganhou muito mais qualidade de passe e chegada ao ataque. Robinho é excelente coadjuvante, enquanto Pato tem grande potencial para voltar a fazer seus gols importantes. Thiago Silva é a segurança na defesa, confiável. Um elenco forte e que estará na briga pela ponta até o final.

Os elencos de Juventus e Milan são superiores à Inter. Em uma situação normal, ambos devem terminar à frente dos nerazzurri, até pela força de conjunto.

A última vez que o trio terminou nas primeiras posições foi em 2008/09, mas naquela edição a Inter nadou de braçada na primeira posição e terminou com dez pontos de vantagem para Juventus e Milan. Antes disso, em 2004/05, os três times chegaram a brigar pelo título, que ficou com a Juventus, com sete pontos de vantagem para o segundo colocado, Milan.

Naquele campeonato, após as mesmas 16 rodadas, a situação era bastante parecida. A Juventus liderava com 39 pontos, seguida pelo Milan com 35 e Udinese com 31. Os mesmos três primeiros colocados de 2011/12. A diferença é o quarto colocado. Se na atual temporada é a Lazio e só depois vem a Internazionale, em 2004/05 a Inter ocupava a quarta posição.

Naquele ano, a Juventus tinha um time muito mais experiente e, pode-se dizer, mais forte do que o atual. Ciro Ferrara, Paolo Montero e Igor Tudor faziam parte do elenco bianconero na defesa, com Émerson, Pavel Nedved, Mauro Camoranesi e Alessio Tacchinardi no meio-campo, Zlatan Ibrahimovic, David Trezeguet e Alessandro Del Piero no ataque. No banco, Fabio Capello comandava o esquadrão.

No Milan, Dida era o goleiro, com Cafu, Paolo Maldini, Alessandro Nesta, Dario Simic e Jaap Stam na defesa. Rui Costa, Clareence Seedorf, Kaká, Pirlo no meio e Andriy Shevchenko, Filippo Inzaghi , Jon Dahl Tomasson e Hernán Crespo eram os atacantes. Carlo Ancelotti era o comandante.

A Inter tinha no seu elenco nomes como Carlos Gamarra, Sinisa Mihajlovic, além de Javier Zanetti, Iván Córdoba e Nicolás Burdisso. No meio, ainda figuravam Edgar Davids, Juan Sebastián Verón, Kily González Emre Belozoglu e Esteban Cambiasso. No ataque, Adriano ainda era conhecido mais por seus feitos em campo, com Álvaro Recoba, Obafemi Martins e Cristian Vieri.

O artilheiro da Serie A naquela temporada foi o então atacante do Parma, Alberto Gilardino, que marcou 24 gols, junto com Cristiano Lucarelli. Da campeã Juventus, que se destacava no quesito era Zlatan Ibrahimovic, atualmente o nome do Milan, que marcou 17 vezes na temporada. Na Inter, quem liderava a artilharia era Adriano, com 16 gols.

Há ainda algumas curiosidades. Luca Toni, atualmente um reserva pouco utilizado pela Vecchia Signora, marcou 20 gols na temporada pelo Palermo. Vincenzo Montella, atual técnico do Catania e camisa 9 da Roma na época, marcou 21 vezes e foi o terceiro na tabela de artilheiros. Mirko Vucinic, um dos destaques da Juventus na atual temporada, acabou sendo destaque naquela temporada pelo Lecce, com 19 gols marcados.

Os times mudaram, o campeonato mudou. Mas os protagonistas podem ser os mesmos. É, ao menos, o que pode se esperar para a segunda metade da temporada. Os torcedores da Juventus esperam que o resultado seja o mesmo e o time volte a levantar o título da Serie A, que não vem desde o bicampeonato conquistado em 2004/05 e 2005/06, retirado da equipe pelo escândalo Calciopoli. O último título, oficialmente, veio em 2002/03.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo