Serie A

O Venezia conquista os playoffs da Serie B e retorna à primeira divisão italiana após 19 anos

Com um gol aos 48 do segundo tempo, o Venezia voltou à elite após três refundações

Depois de Empoli e Salernitana, a Serie B confirmou nesta quinta-feira o último clube promovido à elite do Campeonato Italiano. E quem sobe é uma camisa tradicional, o Venezia, que possui um título da Copa da Itália em seu currículo e 12 aparições na Serie A. O acesso encerra um longo hiato dos arancioneroverdi na primeira divisão, sem disputar a Serie A desde 2001/02. Os venezianos terminaram a atual edição da segundona na quinta colocação e apresentaram sua força nos playoffs. Depois de despacharem Chievo e Lecce, os Leoni Alati confirmaram a promoção com o empate por 1 a 1 contra o Cittadella – graças a um gol anotado aos 48 do segundo tempo, evitando a prorrogação.

Fundado em 1907, o Venezia não demorou a integrar a elite do Campeonato Italiano. Durante a criação da Serie A no fim dos anos 1920, porém, os arancioneroverdi eram uma equipe de segunda divisão. O auge do time aconteceria na virada dos anos 1930 para os anos 1940. Foi quando os venezianos disputaram as primeiras edições da primeira divisão e também conquistaram a Copa da Itália em 1940/41. Por lá brilhavam Valentino Mazzola e Ezio Loik, que depois se transferiram ao Torino e se tornaram pilares de um dos maiores esquadrões da história.

O Venezia deixou a Serie A em 1946/47 e viraria um time de Serie B ou C nos anos seguintes, até voltar à primeira divisão em três temporadas na década de 1960. Depois disso, rolou um longo declínio que incluiu até a quarta divisão nos anos 1980. O retorno à elite ocorreu na virada do século. Foram duas campanhas entre 1998 e 2000, além de um breve retorno em 2001/02. Desde então, os arancioneroverdi voltaram a se acostumar com as divisões de acesso. Nestes 19 anos, os venezianos conviveriam com persistentes crises e três refundações, precisando recomeçar na Serie D. Foi somente a partir de 2015/16 que se iniciou a ascensão atual.

Em 2015, o Venezia foi refundado por causa da crise financeira e acabou adquirido por investidores americanos. O time conquistou o acesso de imediato na Serie D e, na Serie C, seria guiado por Pippo Inzaghi a mais uma promoção consecutiva. Também seria quinto colocado na Serie B de 2017/18, quando perdeu a chance de acesso nos playoffs. Em 2018/19, o Venezia não foi bem e terminou rebaixado, mas seria salvo graças à falência do Palermo. Ficaria no 11° lugar durante a campanha passada na segundona, até consumar a promoção no atual campeonato.

Durante quase toda a Serie B, o Venezia permaneceu na zona dos playoffs de acesso. Em apenas uma rodada o time chegaria a entrar no G-2, mas o bom desempenho em casa firmou o time na quinta colocação. Já nos playoffs, os arancioneroverdi conseguiram um desempenho excepcional. Começou com o jogo de repescagem contra o Chievo e a vitória por 3 a 2 na prorrogação – com direito a uma virada no tempo extra. Depois, contra o favorito Lecce na semifinal, o Venezia ganhou por 1 a 0 em casa e segurou o empate por 1 a 1 fora. Já na decisão contra o Cittadella, o roteiro se repetiu – mas com suas doses de dramaticidade.

Por ter a melhor campanha, o Venezia disputou a ida fora de casa e venceu por 1 a 0, gol de Francesco Di Mariano. Assim, o empate bastaria no Estádio Pierluigi Penzo. O problema é que, aos 26 do primeiro tempo, Federico Proia abriu o placar para o Cittadella. Dez minutos depois, os venezianos ainda tiveram uma expulsão. Mas, apesar da desvantagem numérica durante mais de meio jogo, o time da casa conseguiu evitar grandes sufocos. A vitória parcial dos visitantes, mesmo assim, ia forçando a prorrogação. Então, os arancioneroverdi marcaram o gol que provocou o empate e selou o acesso aos 48 do segundo tempo. O rodado Riccardo Bocalon, crescido a dez minutos do estádio, saiu do banco e se tornou o herói da promoção.

Responsável pelo acesso do Venezia, Paolo Zanetti é um novato na casamata. Aos 38 anos, já tinha treinado Südtirol e Ascoli, conquistando o maior feito da carreira em seu primeiro ano em Veneza. Já dentro de campo, os arancioneroverdi contaram com uma equipe montada praticamente inteira para esta temporada. Dos novatos, o centroavante Francesco Forte e o ponta Francesco Di Mariano foram decisivos pela produção ofensiva. O meia Mattia Aramu também teria seu peso. Vale destacar ainda o zagueiro e capitão Marco Modolo. Trazido do Carpi, o beque foi o único que participou de todas as campanhas desde a Serie D em 2015/16. Seria titular no jogo do acesso nesta quinta.

O retorno do Venezia tem seu peso pelo passado do clube na Serie A, mesmo que não sejam temporadas numerosas, e até por recolocar a cidade de Veneza no mapa da primeira divisão. A ascensão rápida gera questões sobre a readaptação na primeira divisão, mas os atuais donos conseguiram recuperar a estabilidade dos arancioneroverdi depois de tantas crises. Será uma história a se acompanhar, com uma das camisas mais diferentes do futebol europeu voltando a ficar em evidência.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo