Serie A

O Spezia frustrou o Milan com a virada no último minuto, num jogo de milagres de Provedel e erro crasso do árbitro contra os rossoneri

O Milan parou em várias defesaças do goleiro Ivan Provedel, mas também reclama de um lance no qual o árbitro não deu vantagem e impossibilitou a vitória milanista nos acréscimos

O Milan tinha caminho aberto para retomar a liderança da Serie A nesta segunda. No fechamento da rodada, os rossoneri precisavam de uma vitória simples para ultrapassar a Internazionale, que empatou com a Atalanta no final de semana. E não parecia uma missão difícil, considerando as limitações do Spezia. Porém, a equipe de Thiago Motta aprontou no San Siro. Desde o primeiro tempo, os milanistas pressionaram. A equipe de Stefano Pioli precisou insistir bastante até vazar o goleiro Provedel, com um gol de Rafael Leão pouco antes do intervalo. No entanto, o Spezia empatou no segundo tempo e o Milan tinha dificuldades para retomar a dianteira. Quando as redes balançaram novamente para o time da casa, a arbitragem errou feio ao anular, por ignorar a vantagem e apitar uma falta anterior. Como se a desgraça não bastasse, no último minuto, as Águias viraram o placar num contra-ataque. A derrota por 2 a 1 é dolorosa aos rossoneri, pela forma como se deu e pelo significado na tabela.

O Milan teve o início contundente que se esperava. Os rossoneri martelavam e logo passaram a acumular as primeiras chances, por mais que a defesa do Spezia muitas vezes bloqueasse as finalizações. A equipe de Stefano Pioli tinha uma postura muito agressiva, se postando no campo de ataque e trabalhando com velocidade. O goleiro Ivan Provedel começou a brilhar aos 16. Rafael Leão seria acionado por Zlatan Ibrahimovic e bateu cruzado, com muito veneno, para o goleiro do Spezia desviar espetacularmente com a ponta da chuteira. Leão era muito participativo pelo lado esquerdo e dava enorme trabalho à marcação.

A partida seguia disputada apenas em um só sentido, o do ataque do Milan. Ibrahimovic também testou Provedel num contra-ataque, mas o goleiro se manteve firme. Somente aos 28 é que Mike Maignan seria ameaçado pelo Spezia, mas defendeu em dois tempos o tiro de Arkadiusz Reca. À medida em que o tempo passava, o gol milanista parecia amadurecer. Aos 39, Alexis Saelemaekers chutou cruzado e Provedel se esticou todo para espalmar. Logo na sequência, um pênalti foi marcado com auxílio do VAR. Depois de um domínio errado de Provedel, o goleiro se enroscou com Leão na disputa e a arbitragem marcou a penalidade após revisão. Theo Hernández, contudo, cobrou mal e mandou a bola ao lado da trave.

Ao menos, a angústia do Milan não durou tanto e o gol merecidamente foi anotado nos acréscimos do primeiro tempo. Os lançamentos longos funcionavam bastante e, depois de uma bola enviada por Rade Krunic, a zaga do Spezia não conseguiu fazer o corte. Rafael Leão saiu nas costas da marcação e coroou sua excelente atuação, com um leve toque por cima de Provedel.

O início do segundo tempo ainda tinha mais iniciativa do Milan, embora o Spezia desse sinais de reação. De qualquer maneira, Provedel seguia fundamental para evitar um saldo pior. Ibra deu um chute perigoso, antes que o goleiro voltasse a aparecer em tentativa de Saelemaekers, num lance de puro reflexo com o pé. Seria a última ação do belga, antes da entrada da Júnior Messias. E, num momento em que o jogo se tornava mais confortável ao Spezia, os visitantes aproveitaram o espaço no ataque para anotar o gol. Daniele Verde escapou pela esquerda e fez o cruzamento rasteiro. Kevin Agudelo, que tinha acabado de sair do banco, surgiu sozinho para fuzilar.

A situação começava a se tornar dramática para o Milan, que ficou baqueado por alguns minutos e sofreu novas ameaças, até iniciar sua resposta. Olivier Giroud garantia mais presença de área a partir dos 25, no lugar de Brahim Díaz. Os milanistas se impunham no campo de ataque, mas o Spezia conseguia evitar o sufoco e dava suas escapadas nos contragolpes. Agudelo era um azougue e veria um passe perigosíssimo ser salvo por Davide Calabria no meio da área. Pouco depois, Emmanuel Gyasi deu um ótimo toque para Viktor Kovalenko exigir a defesa de Maignan. E a última cartada dos rossoneri veio com Ante Rebic, aos 39, na vaga de Rafael Leão – que caiu de produção na segunda etapa.

Provedel voltaria a aparecer nesta reta final, salvando um chute de Ibrahimovic. Já nos acréscimos, a confusão rolou solta. Após um passe de Rebic, Júnior Messias chutou de primeira e mandou na gaveta. O lance, porém, estava paralisado porque o árbitro Marco Serra apitou uma falta anterior no croata, sem dar a lei da vantagem. Com razão, os rossoneri reclamaram bastante e Serra ergueu os braços admitindo o erro, sem que a arbitragem pudesse voltar atrás e validar o gol legal. Na cobrança frontal da infração, Ibra mandou uma pancada que Provedel espalmou para escanteio.

O Milan não desistiria, apesar da frustração. Na batida do escanteio posterior, Ibra emendou a cabeçada e Provedel deu um leve desvio, antes que a bola batesse no travessão. Por fim, o drama rossonero se tornou completo com o inesperado gol da vitória do Spezia. Num contra-ataque já aos 51, Agudelo recuperou a bola e acionou Kovalenko na esquerda. O meio-campista fez o cruzamento de primeira para Gyasi, no meio da área, que definiu com um tiro na saída de Maignan e determinou o feito dos pequeninos.

O Spezia se distancia razoavelmente da zona de rebaixamento. Com nove pontos dos últimos 12 disputados, o time dirigido por Thiago Motta chega aos 22, seis acima do Z-3. A briga será longa, mas a reação recente anima, com triunfos fora de casa sobre Milan e Napoli. Já o Milan não aproveita a chance, embora o tropeço da Internazionale no fim de semana atenue o impacto desta derrota na tabela. Os rossoneri ficam com 48 pontos, dois a menos que os nerazzurri, enquanto o Napoli aparece com 46 logo atrás. De qualquer forma, este tropeço é daqueles que podem ser bem mais lamentados ao final da campanha, especialmente por um erro tão crasso da arbitragem.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo