Serie A

O Genoa ameaçou, mas a atuação brilhante de Dybala deu a virada para a Juve

O Genoa já tinha sido uma pedra no sapato da Juventus durante a última temporada. Uma das raras derrotas da Velha Senhora aconteceu em sua visita ao Luigi Ferraris. E o Grifone parecia disposto a aprontar mais uma vez neste sábado, abrindo dois gols de vantagem logo nos primeiros sete minutos. No enanto, os bianconeri não teriam o mesmo desgosto. Paulo Dybala assumiu a bronca e liderou o triunfo de sua equipe. Foram três gols do camisa 10, que ainda contou com a ajuda de Juan Guillermo Cuadrado para garantir os 4 a 2 no placar. Os juventinos somam seis pontos nas duas primeiras rodadas da Serie A.

A vantagem precoce do Genoa aconteceu da maneira mais dolorosa possível para a Juventus. No primeiro minuto de jogo, Miralem Pjanic mandou a bola contra o próprio patrimônio. Já na sequência, seria a vez da arbitragem anotar um pênalti a favor do Grifone, com ajuda do VAR. Na cobrança, Andrej Galabinov venceu Gianluigi Buffon. Era uma boa vantagem, mas que também provocava a Velha Senhora a partir com tudo. Exatamente o que aconteceu.

Pressionando bastante, a Juve descontou aos 14 minutos. Boa trama coletiva, com Pjanic arrancando à linha de fundo e se redimindo com a assistência para Dybala. Ainda assim, os bianconeri precisaram perseverar até os acréscimos do primeiro tempo para alcançar o empate. Em mais um lance determinado pelo VAR, os visitantes tiveram um pênalti corretamente anotado a seu favor, por um toque de mão dentro da área. Na cobrança, Dybala marcou mais uma vez.

Mais ativa no ataque, a Juventus garantiu a virada aos 17 do segundo tempo, no gol mais bonito da partida. Cuadrado recebeu ótimo passe por elevação de Mario Mandzukic, matou no peito, fintou o marcador e tirou a bola do alcance de Mattia Perin. Por mais que o Genoa tenha tentado reagir, a Velha Senhora manteve a diferença e fechou a conta já nos acréscimos. Dybala completou sua tripleta com um belo chute no canto de Perin.

Apesar do susto, a Juventus reafirma a sua qualidade da maneira mais contundente possível. Embora Dybala concentre os holofotes, os outros homens de frente participaram bastante, inclusive na construção das jogadas de gol. No entanto, os louros ficam mesmo com o camisa 10. Se muito se cobrou do argentino na temporada passada, ele ressalta o seu protagonismo já com uma atuação para ser lembrada.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo