Depois de duas temporadas no meio da tabela em seu retorno à Serie A, o realizou uma aposta arriscada para a atual edição do campeonato. Os gialloblù demitiram Roberto D’Aversa, responsável pela ascensão desde a Serie C, e contrataram Fabio Liverani. A mudança drástica no estilo de jogo não funcionou e o clube passou a conviver com o risco de rebaixamento. A diretoria admitiu o erro ao recontratar D’Aversa no início de janeiro. Ainda assim, reforços eram necessários e a janela de inverno seria bastante movimentada no Ennio Tardini. São seis novidades, a última delas confirmada nesta sexta: o centroavante .

Pellè estava sem clube desde o início de janeiro, quando seu contrato com o Shandong Luneng se encerrou. Durante o fechamento da janela, sua contratação era dada como certa, mas a falta de um vínculo permitia que o centroavante fosse registrado depois. Nesta sexta-feira, veio a confirmação do acerto com o veterano de 35 anos. Um jogador que, por seu histórico no futebol, pode contribuir bastante aos gialloblù no segundo turno da Serie A – e ocupará a lacuna provocada pela lesão de Roberto Inglese no comando do ataque.

Pellè chegou a defender o Parma na Serie A 2011/12 e voltou brevemente em 2012/13, mas marcou apenas um gol em 12 partidas. O centroavante estourou de maneira relativamente tardia, e só enquanto esteve no exterior. O italiano empilhava gols pelo Feyenoord, balançando as redes 50 vezes em duas edições da Eredivisie. Depois, pelo Southampton, seus números não eram tão assombrosos. Ainda assim, faria parte de uma equipe bastante competitiva, sobretudo pela parceria com Sadio Mané no ataque. Acabaria se credenciando como titular da Itália na Euro 2016, antes de fazer as malas rumo à China.

Pellè não foi exatamente tão dominante no Campeonato Chinês. De qualquer maneira, esteve entre os principais artilheiros da competição em duas temporadas. Já na última campanha, encurtada pela pandemia, também teve papel destacado. Anotou oito gols em 18 partidas, ajudando seu time a se classificar à Champions Asiática. Ao final de seu contrato, optou arrumar as malas e voltar ao seu país. A antiga ligação com o Parma acabou preponderando.

Aos 35 anos, Graziano Pellè é um reforço para impacto imediato no Parma. Sua idade deixa dúvidas quanto ao rendimento, mas até pelo estilo de jogo, pode se sair bem como homem de referência no Ennio Tardini. Além disso, o contrato não tem muitos riscos: o vínculo se estende apenas até junho. Caso os gialloblù não consigam escapar do rebaixamento, poderão aliviar sua folha de pagamentos e o veterano volta a ficar livre para buscar um novo clube. Mesmo assim, o objetivo de sobrevivência está bem claro para ambas as partes.

Pellè não será a única novidade para o ataque do Parma. O clube também trouxe por empréstimo Joshua Zirkzee, do . Pouco aproveitado na atual temporada, o jovem de 19 anos poderá ser um complemento a Pellè. Já para a ponta direita, os gialloblù desembolsaram €13 milhões por Dennis Man. O romeno de 22 anos é uma das grandes revelações do Steaua Bucareste e, no atual campeonato de seu país, tinha 14 gols e seis assistências em 18 partidas. Além deles, também vieram o o zagueiro Mattia Bani, emprestado pelo Genoa; o lateral direito Andrea Conti, emprestado pelo Milan; e o lateral esquerdo Vasilios Zagaritis, contratado junto ao Panathinaikos.

O Parma tem um elenco até inchado, mas sofre com lesões de jogadores importantes e também com a queda de rendimento de outros, após a mudança tática promovida por Liverani. A equipe venceu apenas duas partidas em todo o primeiro turno da Serie A e atravessa péssimo momento recente, com sete derrotas e um empate nas últimas oito rodadas. Os reforços poderão ajudar Roberto D’Aversa em sua dura missão. Ao menos, a distância para respirar não é tão grande. O time está a três pontos de deixar o Z-3 da Serie A. Neste final de semana, terá um confronto direto com o Bologna.