Na briga por pelo menos uma vaga na próxima Champions League, Gennaro Gattuso comemorou a boa resposta do Napoli à derrota no meio de semana contra o Spezia com a vitória por 2 a 1 sobre a Udinese conquistada já no fim do jogo. Mesmo sem apresentar um grande futebol, os Partenopei conseguiram os três pontos, e para Gattuso isso é o que importa: “Não dá para ser sempre o Brad Pitt, às vezes tem que ser feio como eu”.

Aos microfones da Sky Sport Italia, após a vitória em Udine, Gattuso lamentou a derrota para o Spezia, mas celebrou a resposta de seus comandados no fim de semana, mesmo que a atuação não tenha sido das mais brilhantes. Em mais uma frase para a sua coleção de declarações icônicas, afirmou: “O sempre quer ser (jogar) bonito, mas às vezes é bom ser feio. Não dá para você ser sempre o Brad Pitt, loiro e de olhos azuis. Às vezes, é preciso ser um pouco feio, como eu”.

Gattuso reconheceu que a derrota para o Spezia na última quarta-feira o tirou do sério, sobretudo pelo que entendeu como falta de empenho de seus jogadores. “O que aconteceu com o Spezia me enfureceu, porque a bola bateu na trave e tínhamos cinco jogadores olhando a bola enquanto o Tommaso Pobega reagiu mais rápido. Isso é falta de determinação, é inaceitável”, afirmou.

Como jogador, Gattuso não era dos mais técnicos, mas se destacou pela entrega em campo e pela mentalidade vencedora que demonstrou sobretudo vestindo a camisa do Milan. Como treinador, influenciado por sua própria experiência, diz não se irritar com problemas de capacidade técnica, mas sim com a incapacidade de “farejar o perigo”. O técnico do Napoli cobrou ainda maior empenho coletivo do grupo e a capacidade de se recuperar rapidamente dos baques.

“Não fico bravo com os meus jogadores por sua técnica, mas, sim, quando eles não farejam o medo. Acho que somos um time que várias vezes não identificou o perigo quando ele se aproximava. Quero ver uma equipe que segue em frente. Não quero que percamos uma chance e eu veja imediatamente os defensores reclamando um com o outro: ‘Ah, perdemos um gol, isso significa que estamos fadados a sofrer um’. Não! Temos que trabalhar como equipe.”

Identificando também um problema de mentalidade e de manutenção da bola quando sob pressão, Gattuso foi firme ao dizer que isso pode ser resolvido com treinamentos: “Precisamos melhorar quando estamos sob pressão, porque sei que não tenho um time capaz de absorver por muito tempo a pressão, esta não é a nossa abordagem. Mas podemos fazer melhor do que fazemos agora. Não me diga que mentalidade é algo que não possa ser treinado ou melhorado, eu não acredito nisso”.

Com o triunfo sobre a Udinese, o Napoli chegou a 31 pontos em 16 partidas disputadas. Vencendo o jogo que tem a menos, os Partenopei já encostam na terceira colocada, a Roma, que soma atualmente 34 pontos. Lutar pelo título parece um objetivo distante demais, embora não impossível, com o Milan liderando atualmente com 40 pontos. Porém, se depender do nível de cobrança de Gattuso, o Napoli não vai largar o osso independentemente de qual seja a disputa – jogando bonito ou feio.