ItáliaLiga EuropaSerie A

Em um mercado tão movimentado, Cutrone é o grande achado que o Milan fez em casa

Por mais que o Milan já soubesse da qualidade de Patrick Cutrone, o desempenho do garoto de 19 anos vem saindo bem melhor do que a encomenda. Não era segredo para ninguém a aptidão do prodígio para balançar as redes. O inesperado é a maneira como ele mantém sua fome de gols também entre os profissionais. O atacante ganhou a confiança de Vincenzo Montella a partir da pré-temporada. As boas atuações o alçaram ao posto de titular, ao menos neste primeiro momento. E os tentos vão acontecendo com uma facilidade espantosa, levando em conta a parca experiência do camisa 63. Nesta quinta, Cutrone guardou mais uma vez: garantiu a vitória por 1 a 0 sobre o Shkendija, colocando os rossoneri na fase de grupos da Liga Europa.

Os números de Cutrone já eram fantásticos desde as categorias de base. Fez 41 gols em 52 jogos pelo Campeonato Primavera. Além disso, era um velho conhecido das seleções italianas. Passou por todas as categorias desde o sub-15, sempre deixando sua marca. Foi um dos protagonistas dos azzurrini que chegaram às quartas de final do Campeonato Europeu Sub-17 de 2015 e, no ano seguinte, figurou na equipe italiana que alcançou a final do Sub-19 – ao lado do colega milanista Manuel Locatelli, derrotados pela França de Kylian Mbappé no jogo decisivo.

Diante de um retrospecto tão bom, a transição de Cutrone no Milan soava como natural. Sua estreia na equipe profissional aconteceu em maio, entrando nos minutos finais da penúltima rodada da Serie A. A pré-temporada, portanto, seria o momento de se ambientar em um nível mais competitivo e buscar seu espaço ao menos entre os suplentes. Não foi o que aconteceu. Com a lacuna deixada por Carlos Bacca e Gianluca Lapadula, o comando do ataque caiu em seu colo. E, pelo visto, o prata da casa agrada mais a Montella do que o recém-contratado André Silva. O italiano foi titular em quatro dos cinco jogos oficiais disputados até aqui. Contribuiu com três gols e duas assistências.

Nesta quinta, Cutrone precisou de pouco tempo para brilhar. Sem se esforçar tanto, após a goleada por 6 a 0 no San Siro, o Milan abriu o placar contra o Shkendija em 13 minutos. O centroavante recebeu passe longo de Locatelli e, aproveitando a bobeira da defesa macedônia, demonstrou muitos de seus predicados: movimentou-se para criar o espaço, dominou com categoria, teve calma para fintar o zagueiro e tirou a bola do alcance do goleiro. Desta vez escalado ao lado de André Silva, deixou o campo no início da segunda etapa, para a entrada de Suso. Mereceu os devidos aplausos.

Pode até ser que Cutrone tenha “sorte de principiante”, por tudo o que vem fazendo logo na primeira chance. Ainda assim, o atacante possui várias virtudes já perceptíveis. E, considerando a sua idade, tem uma boa margem de evolução. A chegada de Nikola Kalinic tende a minar um pouco a sua sequência. Independentemente disso, este início de temporada serviu para o garoto se firmar na rotação – nem que seja para jogar as partidas de menor importância, na Copa da Itália ou na Liga Europa. E o seu poder de fogo, combinado com a boa mobilidade, permitem também variações táticas a Montella caso queira escalar dois homens de frente.

Se o Milan gasta alto para reformular o seu elenco, é bom ressaltar a relevância das categorias de base neste processo recente. Gianluigi Donnarumma e Manuel Locatelli são dois ótimos produtos da casa que desabrocharam nas últimas temporadas. Cutrone mostra que pode seguir essa linhagem, em um momento no qual o natural seria se voltar ao mercado. A personalidade para se impor no elenco principal, enquanto os milhões jorram, é um bom indicativo para o futuro do rapaz.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo