Serie A

Com justiça: Lazio manda no clássico outra vez e almoça a Roma no Olímpico

A vice-liderança da Serie A não anda significando muito quando os rivais de Roma se encontram no Estádio Olímpico. Que os romanistas ocupem uma posição melhor na tabela, a hegemonia no Derby della Capitale nesta reta final da temporada é toda da Lazio. Depois de eliminarem os giallorossi nas semifinais da Copa da Itália, os biancocelesti fizeram a outra metade da Cidade Eterna sofrer de novo e venceram o clássico pelo Italiano, como não acontecia desde novembro de 2012. Atuação enorme do time de Simone Inzaghi, bem mais letal para conquistar a vitória por 3 a 1. Nem mesmo o pênalti escandalosamente mal marcado a favor dos adversários valeu alguma coisa. Triunfo com gosto especial, não apenas pela maneira categórica como foi conquistado, mas também por provavelmente ter sido o último dérbi da carreira de Francesco Totti.

O horário matutino do clássico, para atender o mercado asiático, não atrapalhou em nada a intensidade das equipes durante os primeiros minutos. A Roma tentou partir para cima, mas encontrou um paredão no goleiro Thomas Strakosha. Foram duas boas defesas, que seguraram o placar zerado e permitiram que a Lazio saísse em vantagem aos 12 minutos. Em jogada rápida de Sergej Milinkovic-Savic, Keita Baldé recebeu na entrada da área e, mesmo marcado por dois, conseguiu bater rasteiro. A bola passou por entre as pernas de Emerson Palmieri, antes de vencer Wojciech Szczesny. Tranquilidade mais do que necessária para o plano de jogo biancocelesti a partir de então.

A Roma tinha mais posse de bola, mas não a objetividade da Lazio. Os biancocelesti trancavam muito bem os arredores de sua área e ameaçavam nos contra-ataques. Szczesny começou a aparecer, com boas defesas para evitar o segundo tento dos rivais. Entretanto, os romanistas passaram a chegar mais perto do gol nos cinco minutos finais da primeira etapa. E com a ajuda providencial da arbitragem, arrancaram o empate. Wallace passou longe de tocar em Kevin Strootman, mas o holandês mergulhou na área. Pênalti anotado pelo assistente de linha de fundo, que não tinha o melhor ângulo e, por isso, achou que viu a infração. Na cobrança, Daniele De Rossi demonstrou uma tranquilidade imensa para superar Strakosha.

O goleiro da Lazio, aliás, protagonizaria um lance primordial logo na volta do intervalo. Edin Dzeko arrematou à queima-roupa e o albanês operou um milagre, desviando a bola com a ponta dos dedos. Não só evitou a virada da Roma, como permitiu a vitória de sua equipe. Dois minutos depois, a partir de um contra-ataque, Dusan Basta aproveitou a sobra de bola na entrada da área. Teve tempo de dominar e o chute desviado acabou entrando no cantinho. O sérvio voltou a balançar as redes pela Serie A após três anos. Seu último gol tinha sido justamente contra os giallorossi, mas na época em que ainda defendia a Udinese.

Diante da falta de criatividade de sua equipe, Luciano Spalletti tentou dar mais ofensividade à Roma. Mandou Diego Perotti a campo, no lugar de Federico Fazio, e mudou o desenho tático. Depois, ainda colocou Francesco Totti na vaga de Daniele De Rossi. Pouco adiantou. A Lazio tinha o jogo nas mãos e se fechava muito bem. Já nos 10 minutos finais, poderia ter imposto uma goleada vexatória. Lucas Biglia deu uma caneta em Totti, mas Felipe Anderson não aproveitou o contragolpe e parou em Szczesny. Baldé fez o terceiro aos 40, em novo ataque rápido, aproveitando jogadaça de Senad Lulic, muito bem no dérbi. O senegalês sairia ovacionado no Olímpico instantes depois. E por pouco ainda não aconteceu um golaço de bicicleta de Milinkovic-Savic. No apagar das luzes, ainda houve tempo para Antonio Rüdiger receber o vermelho direto, por entrada dura.

Por mais que a Roma jogue bem durante boa parte da temporada, a falta de atitude em vários dos grandes jogos pesa contra. Um quadro que precisa mudar urgentemente, levando em conta que o time de Spalletti tem pela frente Milan e Juventus nas próximas rodadas. Os pontos perdidos podem custar a segunda colocação para o Napoli e, consequentemente, a vaga direta na fase de grupos da Liga dos Campeões. E, não custa lembrar, a ida para as preliminares culminou na eliminação precoce nesta temporada, diante do Porto.

A Lazio, por outro lado, amadurece. Não dá mais tempo de brigar pela vaga na Champions, com as expectativas sepultadas após a derrota para o Napoli. De qualquer maneira, o saldo é positivo para os biancocelesti, tranquilos na quarta colocação e indo à Liga Europa. Considerando que Simone Inzaghi conta com uma equipe jovem e ainda está no início de seu trabalho, dá para esperar uma evolução nos próximos meses. A final da Copa da Itália é a primeira chance de glória. E, como se viu neste domingo, há consistência para ao menos sonhar.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo