Serie A

Com direito a um gol avassalador de Díaz, o Milan derrotou a Juve sem deixar margem às dúvidas

O Milan conquistou uma vitória inquestionável no San Siro, que impulsiona a equipe entre os líderes e congela a Juve no meio da tabela

O Milan atravessa um início de temporada inegavelmente melhor que o da Juventus pela Serie A. E, no confronto de peso dentro do San Siro, os rossoneri conquistaram uma vitória inquestionável diante da Velha Senhora. Os bianconeri até começaram bem o duelo, mas acabaram dominados com o passar dos minutos. Rafael Leão atravessa um momento excepcional e empurrou os milanistas até que o primeiro gol saísse antes do intervalo, com Fikayo Tomori. Porém, o momento inesquecível do clássico ficou por conta de Brahim Díaz, com uma arrancada fenomenal que fechou a contagem em 2 a 0. A equipe de Stefano Pioli se mete entre os líderes, enquanto Massimiliano Allegri segue criticado pelo marasmo da Juve no meio da tabela.

Os primeiros minutos garantiram velocidade em campo. E a Juventus era melhor nesta largada da partida, com boa fluidez pelos lados do campo. Filip Kostic incomodou logo de cara, antes de Juan Guillermo Cuadrado tirar tinta da trave num chute cruzado. Depois, em mais uma jogada de Cuadrado, Dusan Vlahovic ajeitou para Arkadiusz Milik assustar. Danilo também tentaria um chute para fora. A Velha Senhora aproveitava os espaços deixados pela marcação milanista, que demorou a se acertar.

O crescimento do Milan dependeu da participação de Rafael Leão. O atacante liderou a mudança no cenário do jogo, com o domínio dos rossoneri a partir dos 20. Um primeiro aviso aconteceu após cobrança de escanteio. Leão recebeu no susto e emendou um chute de letra, que triscou na trave. Os milanistas jogavam no campo de ataque e quase sempre dependiam do português. Ele seria bloqueado por Vlahovic num chute com pouco ângulo, em lance no qual sua equipe pediu um toque no braço, antes de mais uma bola na trave. Foi um lindo tiro de longe aos 34, em que Leão buscou o canto e acertou o pé do poste.

Mais acuada, a Juve não encontrava muito escape, diante de uma recomposição mais segura dos adversários. E mesmo que as chances não fossem tão frequentes assim nos minutos anteriores ao intervalo, o Milan mereceu o primeiro gol nos acréscimos. Após escanteio, Olivier Giroud carimbou Fikayo Tomori, que conseguiu dominar e girar para um chute fatal. Haveria muita reclamação dos juventinos, por uma falta não marcada em Cuadrado antes do escanteio.

A Juventus voltou para o segundo tempo com a entrada de Weston McKennie na vaga de Cuadrado. Os bianconeri ficavam com a posse de bola, mas sem criar. E um contragolpe clareou ainda mais a vitória do Milan, com o segundo gol aos nove minutos. Vlahovic deu um péssimo passe e Brahim Díaz arrancou do círculo central. O meia deixou dois comendo poeira e acelerou até invadir a área, quando finalizou diante de Wojciech Szczesny, que tocou na bola sem evitar o tento. Leandro Paredes e Fabio Miretti entraram na sequência, enquanto Rade Krunic era novidade no Milan. O trabalho defensivo dos milanistas era ótimo para controlar a vantagem. Pouco depois viria Ante Rebic na vaga de Giroud.

Neste momento, se fosse para sair um gol, o terceiro do Milan parecia mais provável. Aos 22, Theo Hernández saiu sozinho com Szczesny e tentou encobrir o goleiro com pouco ângulo. Bateu para fora, quando tinha opções melhores para o passe. Milik apareceu livre para uma cabeçada aos 26, mas facilitou a defesa de Ciprian Tatarusanu. O resultado parecia sem grandes ameaças, com a Velha Senhora sem muito fôlego. Não fosse o preciosismo do ataque milanista, o estrago seria maior. Um breve suspiro da Juve ocorreu aos 39, com Moise Kean travado em batida perigosa ao lado da trave. Era pouco. Mesmo mais presente no ataque, o time sequer descontou. E o terceiro não ocorreu num contragolpe porque Szczesny defendeu uma pancada de Divock Origi no mano a mano. Já estava de bom tamanho. Nos acréscimos, ainda deu tempo para uma confusão entre os rivais que rendeu três cartões amarelos.

O Milan se mete entre os líderes, mas espera a sequência da rodada. Os rossoneri somam 20 pontos, igualados a Napoli e Atalanta, que entram em campo apenas no domingo. A equipe de Stefano Pioli possui credenciais para defender seu Scudetto. Por outro lado, a Juventus estaciona no meio da tabela. A Velha Senhora fecha o sábado na oitava posição, com 13 pontos. A equipe só conquistou uma vitória nas últimas cinco rodadas. Os questionamentos compreensíveis sobre Massimiliano Allegri aumentam um pouco mais.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo