ItáliaSerie A

A vitória da economia

Com mais um tropeço da Juventus, a Lazio está cada vez mais perto de um feito improvável: brigar pelo título da Serie A. Pelo segundo ano consecutivo, a equipe romana começou o campeonato marcando muitos pontos e surpreendendo. Desta vez, porém, o time de Vladimir Petkovic não dá mostras de que vai cair de produção, como aconteceu com o de Edy Reja.

Dois fatores são fundamentais para hoje a Lazio estar com 42 pontos, três a menos do que a líder Juventus. O primeiro deles foi a manutenção da base que fez um bom campeonato, classificando a equipe à Liga Europa: foram contratados apenas Ederson e Ciani, reservas, enquanto alguns jogadores que retornaram de empréstimo (Cavanda, Carrizo e Floccari) foram mantidos.

O outro grande motivo foi a contratação do técnico Petkovic. O suíço de origem bósnia tinha em seu currículo recente um fracasso no Samsunspor, da Turquia, mas fez ótimo trabalho no Young Boys e a diretoria laziale viu potencal neste trabalho de três anos à frente dos aurinegros da Suíça. Lá, Petkovic implantou um esquema muito ofensivo, com três atacantes, e agradou. Em Formello, o esquema tático é similar: um 4-3-3 travestido de 4-5-1, com Candreva e Lulic pelas pontas e Klose centralizado no ataque.

A Lazio surpreende não apenas pelos números e pela performance, mas também pela solidez que ganhou desde a chegada do técnico. Candreva, Hernanes e Klose passaram a render mais, neste esquema, e hoje são garantias de que a Lazio pode brigar até o fim. A preparação física também é diferente e os jogadores parecem mais inteiros do que no mesmo período da temporada passada.

Hoje, a Lazio tem 42 pontos, a mesma quantidade que tinha no mesmo estágio da temporada 1999-2000, quando foi campeã. Os números de Petkovic são equivalentes aos de Tommaso Maestrelli e Sven-Göran Eriksson, técnicos que levaram a Lazio a seu bicampeonato nacional, respectivamente em 1974-75 e 1999-2000.

Porém, ao contrário do que acontecia no fim dos anos 1990, quando Sergio Cragnotti gastava milhões para calibrar a equipe com jogadores estelares, a Lazio economiza. O custo-benefício com a contratação de Petkovic é enorme: o técnico ganha apenas € 600 mil euros por ano. Antonio Conte, por sua vez, ganha € 3 milhões pelo mesmo período. Até Stefano Colantuono (com € 700 mil anuais) ganha mais do que o técnico laziale.

A folha de pagamentos da Lazio, inclusive, é apenas a quinta maior do país, atrás de Milan, Juventus, Inter e Roma, nesta ordem. De acordo com dados da Gazzetta dello Sport, divulgados em setembro, a folha salarial biancoceleste é de € 66,2 milhões. A Juve tem € 115 milhões de custos com salários de jogadores, por exemplo. Hoje, a folha da Lazio só não é menor porque a equipe ainda não conseguiu se desfazer de jogadores contratados de maneira errônea, no passado recente. Zárate, por exemplo, tem o maior salário do time, ao lado de Klose (€ 2,1 milhões/ano) e nem joga.

O Napoli, que divide a vice-liderança do campeonato com os laziali, segue, de certa forma a mesma linha da Lazio. Com a sexta maior folha salarial do campeonato (€ 53,2 milhões/ano), a diferença entre o modus operandi dos dois clubes é clara: antes de estabilizar o Napoli como um dos principais clubes do país, o presidente Aurelio De Laurentiis gastou bastante com a contratação de jogadores – e ainda o faz, a exemplo de Inler, que chegou em Fuorigrotta contratado por €18 milhões. Porém, não há como fugir: Lazio e Napoli são as duas equipes que mais tem sabido lidar com a nova realidade da economia italiana e são exemplos a serem seguidos. Inter e Milan já perceberam e buscam cortar seus gastos. Resta saber se saberão se adaptar a isso, já que sempre construíram seus impérios esbanjando dinheiro.

Pallonetto

– Janeiro não está sendo um bom mês para a Juventus. Depois de perder para a Sampdoria no retorno do campeonato, na última semana, a Velha Senhora tropeçou novamente: 1 a 1 contra o Parma, no Tardini. O time parmense, comandado por Roberto Donadoni, é o único invicto em casa na Serie A.

– O Napoli teve sua punição de dois pontos anulada depois de apelo à Corte Federal italiana e agora divide a vice-liderança do campeonato com a Lazio, com 42 pontos. As suspensões de Paolo Cannavaro e Gianluca Grava também foram retiradas.

– A Inter voltou a jogar bem depois de dois meses. O grande responsável pela enormidade de chances criadas nos últimos jogos, contra Pescara e Bologna, é Fredy Guarín, que tem jogado mais adiantado e é o grande jogador da equipe na temporada.

– A Fiorentina atravessa fase difícil: a equipe de Vincenzo Montella não tem jogado mal, mas não venceu ainda em 2013 e já acumula três derrotas em sequência.

– Semifinais da Coppa Italia definidas: Lazio e Juventus se enfrentam em jogos de ida e volta a serem realizados em 22 e 29 de janeiro; Inter e Roma duelam em 23 e 30 do mesmo mês.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo