Copa da ItáliaItália

Romada total: Spezia inflige uma eliminação vexatória à Roma na Copa da Itália, com direito até a uma proibida sexta substituição

A Roma tem uma extensa lista de vexames, nas famosas “romadas”. No entanto, no histórico de decepções dos giallorossi, é até difícil encontrar uma eliminação tão vergonhosa quanto a desta terça. O time de Paulo Fonseca garantiu um pacote de trapalhadas na queda diante do Spezia, pelas oitavas de final da Copa da Itália. Os azarões ensaiaram a surpresa desde o início, quando abriram dois gols de vantagem. A Roma buscou o empate e forçou a prorrogação, mas o tempo extra seria dolorosamente pior. Com duas expulsões num intervalo de míseros 41 segundos, os nove homens romanistas não aguentaram a pressão e perderam por 4 a 2 – incluindo um golaço de Riccardo Saponara no fim. E como se não fosse suficiente, o time da capital ainda infringiu o regulamento ao fazer seis substituições, o que resultaria na eliminação de qualquer forma.

Não foi a primeira vez que o Spezia serviu de carrasco à Roma na Copa da Itália. Quando o clube ainda estava na Serie B, em dezembro de 2015, experimentou a façanha no Estádio Olímpico. Após o empate sem gols, conseguiu derrubar os giallorossi nos pênaltis. A volta ao local que boas lembranças trazia à torcida aconteceu agora em outras condições, com o Spezia na primeira divisão. E a equipe correspondeu com um primeiro tempo contundente. Andrey Galabinov abriu o placar cobrando pênalti logo aos seis minutos e, aos 15, Saponara ampliou com um bonito chute rumo ao ângulo.

A reação da Roma começou aos 43 do primeiro tempo, depois de muita pressão nos minutos anteriores. Luca Pellegrini teve a chance de pênalti e converteu. Já no segundo tempo, os anfitriões desperdiçaram um caminhão de chances até aliviarem o peso sobre os ombros. Henrikh Mkhitaryan parecia adiar o vexame numa ótima tabela com Borja Mayoral, ao tocar por cima do goleiro e determinar o empate aos 28. Os giallorossi poderiam até arrancar a virada aos 41, numa bobeira da zaga. Porém, Mayoral vivia uma noite repleta de erros e desperdiçou mais uma oportunidade tremenda, de frente para o gol. Custaria caro, numa prorrogação que se provou logo desastrosa aos romanistas.

Logo no primeiro minuto do tempo extra, Gianluca Mancini recebeu o segundo amarelo por uma disputa no meio-campo. O jogo mal recomeçou e, exatos 41 segundos depois, o goleiro Pau López também foi expulso com o vermelho direto. O arqueiro saiu desastradamente fora da área e, ao furar a bola, acertou apenas o adversário. Com isso, Paulo Fonseca resolveu realizar duas substituições, mandando a campo o goleiro Daniel Fuzato e o zagueiro Ibañez. Só tinha um problema: os giallorossi já tinham feito quatro trocas.

Embora a Fifa permita uma sexta substituição adicional na prorrogação, as federações podem adaptar o texto e na Itália isso não é contemplado. Os italianos oferecem uma pausa a cada time durante a prorrogação para trocas, mas não para que um sexto substituto participe do jogo – o que fez a Roma. Conforme flagrado pela transmissão, o capitão Pellegrini tentou avisar a comissão técnica sobre a infração, mas ninguém deu ouvidos. O erro culminaria de qualquer forma numa derrota dos romanistas por 3 a 0 nos tribunais. O Spezia, entretanto, não quis esperar tanto e definiu a vitória em campo.

O terceiro gol dos visitantes se esboçava e saiu logo no início do segundo tempo extra. Daniele Verde apareceu com liberdade na área e definiu de cabeça o cruzamento da esquerda. Todavia, o golpe de misericórdia ficaria para os instantes finais, dado por Saponara – recém-contratado pelo clube. De fora da área, o medalhão anotou um gol maravilhoso. Deu uma cavadinha na bola e encobriu Daniel Fuzato – que nem estava tão adiantado assim, na linha da pequena área. A implosão dos giallorossi se consumava com louvores.

O Spezia, que faz campanha digna nesta estreia pela Serie A, alcança novamente as quartas de final da Copa da Itália. Poderá desafiar o Napoli na próxima fase. Já a Roma, que vinha merecendo atenções na temporada, atravessa dias horripilantes. O time já vinha oscilando no Campeonato Italiano e a derrota por 3 a 0 diante da Lazio na última sexta-feira ligou o sinal de alerta. A eliminação desta terça amplia o desastre e também as críticas sobre o trabalho de Paulo Fonseca, numa coleção de vacilos que sequer se restringe ao campo. O que pode piorar? O reencontro justamente com o Spezia pela Seria A, no Olímpico, durante o próximo sábado.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo