Itália

Para atropelar a concorrência

Os olheiros da Internazionale descobriram Goran Pandev na temporada 2000/01, quando ele se destacou atuando pelo Belasica, da Macedônia, no Torneio de Viareggio, uma das mais tradicionais competições de equipes de base da Europa. Era um jogador de boa técnica, finalizador competente, e já tinha experiência atuando pelo time principal.

A Inter, então, decidiu contratar Pandev e o integrou às suas categorias de base quando completou 18 anos. Em Appiano Gentile, no entanto, nunca recebeu oportunidades, apesar de mostrar potencial. Para facilitar sua adaptação ao futebol italiano, foram dois empréstimos – primeiro ao Spezia, na temporada 2002/03, e depois ao Ancona, em 2003/04, quando fez sua estreia na Serie A.

Fora dos planos da Inter para a temporada 2004/05, o macedônio acabou cedido em definitivo à Lazio, onde explodiu como atacante de alto nível e se tornou peça fundamental. Na primeira temporada, marcou apenas quatro gols, mas nas quatro campanhas seguintes alcançou dígitos duplos. Totalizou 64 gols marcados, tornando-se o sétimo maior artilheiro da história biancoceleste.

A Lazio chegou a receber boas propostas do exterior por Pandev, de clubes como Bayern de Munique e Liverpool, mas recusou. O problema foi a dificuldade em chegar a um acordo para renovar seu contrato, que terminaria em junho de 2010. O impasse se prolongou até o clube tomar a decisão extrema de afastá-lo do elenco no início da atual temporada. O jogador foi aos tribunais, conquistou a rescisão do contrato e ficou livre.

O futebol nem sempre oferece uma segunda oportunidade, mas a Inter ganhou a chance de apostar novamente em Pandev. Com uma oferta financeira vantajosa (cerca de € 3 milhões por temporada), acertou com o atacante até junho de 2014, encontrando uma solução imediata importante – já que Eto’o ficará fora do time durante a Copa Africana de Nações – mas também para os planos futuros.

Com Pandev, Milito e Balotelli, o técnico José Mourinho poderá levar adiante os planos de adotar o 4-3-3, seu desejo desde que assumiu o cargo, em 2008. O argentino faria o papel de centroavante, com o macedônio e o jovem italiano caindo pelos lados, e Sneijder fazendo a armação de jogadas à frente de dois volantes.

Pandev chega sem ritmo de jogo, mas em boas condições físicas, a ponto de se cogitar seu aproveitamento já na partida desta quarta-feira contra o Chievo. O duelo em Verona, aliás, é o primeiro de uma semana que pode ser decisiva para a Inter se aproximar de forma significativa do quinto título consecutivo na Serie A. No domingo, o adversário será o fraco Siena, em casa.

Ao mesmo tempo em que a Inter tem tudo para somar seis pontos, Juventus e Milan têm um confronto direto crucial no próximo domingo, e antes disso encontram potenciais cascas de banana. A Juve – com os nervos em frangalhos, elenco rachado e um Ferrara para lá de desprestigiado – visita um surpreendente Parma, enquanto o Milan recebe o imprevisível Genoa.

Como se não bastasse a seqüência possivelmente favorável, a Inter não se dá por satisfeita no mercado. Segue negociando com a Lazio para ter o sérvio Kolarov, um dos melhores laterais-esquerdos da Serie A. A oferta é de € 8 milhões, abaixo do que o time da capital considera aceitável, mas o trunfo nerazzurro, além de propor a co-propriedade de dois jovens, é a oferta do empréstimo de Santon, sem espaço nesta temporada, mas ainda esperançoso em convencer Marcello Lippi a convocá-lo novamente. Além disso, a Lazio teme segurar Kolarov por tempo demais e se ver envolvida em um novo caso Pandev, com o jogador saindo de graça ou por um preço muito baixo.

Além da competência como lateral, o sérvio mostra versatilidade para atuar mais adiantado, ampliando o leque de opções para Mourinho. Tudo isso a tempo para o dérbi da 21ª rodada contra o Milan.

Reforçando um elenco que já é melhor do que a concorrência, a Inter não esconde o desejo de deixar para trás a “obrigação” do scudetto para poder se dedicar plenamente ao confronto da Liga dos Campeões contra o Chelsea. A eliminação contra os ingleses deixaria mais uma vez o gosto amargo na boca da torcida, e nem o título nacional bastaria para aliviar. Sem falar na probabilidade de Mourinho deixar o clube no fim da temporada caso isso aconteça.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo