Itália

O sonho de Mancini: conquistar a Eurocopa e a Copa do Mundo em sequência com a Itália

Roberto Mancini assumiu uma missão difícil. Precisa reconstruir o time e a auto-estima da Itália, depois da trágica eliminação na repescagem das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018 para a Suécia. O que não lhe falta é ambição. Em ótima entrevista à Gazzetta dello Sport, o treinador contou seu sonho: conquistar a Eurocopa e a Copa do Mundo em sequência e com um futebol propositivo.

LEIA MAIS: Buffon elogia novos goleiros italianos: “A seleção não precisa de mim”

“Ser o técnico da Itália é algo extraordinário e preciso abordá-lo com altas ambições. Por exemplo, eu sonho em vencer a Euro e a Copa do Mundo em sequência. Alguns países conseguiram, não vejo por que uma superpotência histórica como a Itália não possa fazer o mesmo. É um sonho”, afirmou.

O plano de Mancini também envolve um estilo de jogo que contrasta com a fama de ser uma equipe defensiva que a Itália possui. “Estamos seguindo o caminho de Arrigo Sacchi, que mudou o futebol no final da década de oitenta e começo de noventa. Eu quero um time que sempre tome a iniciativa e que ataque consistentemente. Estamos fazendo um pouco disso agora, mas precisamos transformar mais oportunidades em gols”, afirmou.

Mancini comentou individualmente alguns jogadores da seleção italiana. Elogiou Zaniolo, da Roma, que, segundo ele, está “atuando como trequartista”, mas pelo físico e técnica pode ser um meia parecido com Paul Pogba. Afirmou que Federico Chiesa precisa marcar mais gols e que é normal que tenha estagnado um pouco “por causa da pressão que carrega nos ombros”.

Outro mencionado foi Nicolò Barella, do Cagliari, especulado no Chelsea. Comparou-o a Marco Tardelli e alertou que ele precisa tomar o próximo passo da carreira com cuidado. “Eu dizia a Tardelli que Barella se mexe muito como ele. Tem técnica, qualidade, raramente perde a bola, é bom no ar, apesar de não ser alto, nunca desiste e costuma chegar ao ataque, mas precisa marcar mais gols”, analisou.

“Considerando sua idade e a relativa falta de experiência na Serie A, ele já tem um forte domínio da sua função. Barella pode estabelecer um exemplo para jovens jogadores italianos que podem dar um pouco mais para dar esse passo à frente. Ele tem um potencial enorme de crescimento e, se deixar o Cagliari, precisa ter certeza que jogará regularmente. Se fizer isso em um grande clube, e for titular, então ele pode melhorar muito mais. No entanto, se ele se arriscar a ficar meia temporada no banco, pode estagnar”, encerrou.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo