Itália

Motim dos jogadores, protestos da torcida e crise: o que está acontecendo com o Napoli?

A temporada era promissora para o Napoli. Os principais jogadores haviam sido mantidos e ganhado a companhia de reforços importantes. O trabalho do treinador Carlo Ancelotti, um dos mais vitoriosos da história, entrava em seu segundo ano e a briga pelo título era realidade. A campanha ainda está no começo, mas o clube chega ao começo de novembro em crise, após um motim dos jogadores contra a concentração e protestos da torcida.

[foo_related_posts]

O Napoli recebeu o Red Bull Salzburg, na última terça-feira, longe do seu melhor momento na temporada. Havia perdido para a Roma no fim de semana, após empates contra Atalanta e Spal, e eram apenas duas vitórias nas últimas sete partidas. Independentemente do resultado contra os austríacos, estava planejada uma longa concentração até a manhã de domingo, depois do duelo contra o Genoa, pela Serie A.

Após o empate por 1 a 1 no San Paolo, porém, os jogadores recusaram-se a entrar no ônibus que os levaria à concentração. Segundo o jornal La Repubblica, o presidente Aurelio de Laurentiis foi avisado e seu filho, Edoardo, foi confrontado nos vestiários “em tons severos” pelos jogadores, liderados pelo capitão Lorenzo Insigne. “Voltaremos para casa, diga ao seu pai”, teria dito, de acordo com a publicação.

Ancelotti tentou mediar a situação, não conseguiu, e saiu do San Paolo sem dar a entrevista coletiva obrigatória pós-partida. De Laurentiis determinou a lei do silêncio até “data indefinida” e mandou emitir uma nota na qual ameaçou acionar os jogadores. “O clube comunica que, em referência ao comportamento dos jogadores da equipe principal, protegerá seus direitos econômicos, patrimoniais, de imagem e disciplinares em cada âmbito competente”, disse.

Nessa mesma nota, afirma que a decisão de concentrar os jogadores foi responsabilidade de Ancelotti e, posteriormente, De Laurentiis criticou a imprensa por reportar que a medida tinha fins punitivos. “É uma concentração construtiva, não punitiva”, disse, à rádio Kiss Kiss. E o clube acrescentou: “Destinada a trazer de volta ao grupo de jogadores a concentração e as motivações necessárias às vésperas de duas importantes e delicadas partidas”.

O caos não pegou bem com a torcida. O elenco voltou aos trabalhos no San Paolo, nesta quinta-feira, e foi recebido por 150 torcedores com faixas e bombas de fumaça. Foram chamados de mercenários. “Merecemos mais”, “Apenas a camisa”, “Coloque a base em campo” foram outros gritos ouvidos. Segundo a ANSA, De Laurentiis também foi alvo: “Apenas você está vencendo”.

O clima anda um pouco estranho no Napoli há alguns meses. Pilares do sucesso napolitano nos últimos anos, Callejón e Mertens têm contrato apenas até o fim da temporada. Em entrevista à Sky Sports da Itália, em meados de outubro, De Laurentiis falou que não fará “grandes esforços” para renovar com a dupla e que, se eles quiserem, podem ir para a China – literalmente.

“Cada jogador tem um valor, dependendo da posição em que jogam, como jogam, idade e o que fazem. Se eles querem se vender na China, com salários inflados para viver uma vida de merda por dois ou três anos, é problema deles. Na vida, você tem que escolher entre ser feliz e ter um emprego que você gosta ou trabalhar apenas por dinheiro. Para mim, dinheiro é um meio e não um fim. Se for um fim para eles, eles devem ir para a China”, disse.

Na mesma entrevista, De Laurentiis teve que negar atritos com Ancelotti e criticou a atitude de Insigne. “Ele é um excelente esportista, mas precisa ficar calmo, mudar sua postura e abandonar algumas coisas. Eu o entendo, eu o protejo e gosto muito dele, mas ele sempre considerou sua situação em Nápoles desconfortável. Eu apenas quero dizer que ele precisa ficar calmo e ser uma pessoa mais pacífica, mas isso é problema dele”, disse.

Insigne chegou a dizer que tem uma “relação um pouco estranha” com Ancelotti, que mudou o capitão de posição para encaixá-lo em seu esquema 4-4-2, o que também já foi assunto em declarações públicas dos dois lados. Essas declarações de De Laurentiis vieram depois que o ponta-esquerda não foi nem relacionado para a partida contra o Genk, pela Champions League, no começo de outubro. Depois da pausa para jogos de seleções, o jogador, seu agente Mino Raiola e Ancelotti reuniram-se para aliviar as tensões.

“Ele é um grande jogador”, continuou de Laurentiis, “e pode estar em boa ou má forma. Se estiver em má forma, depende do treinador não escalá-lo. Insigne não pode chegar fazendo piadas, com uma atitude quase desafiadora. O treinador é um homem de família, tem 60 anos e não o mandará para aquele lugar porque tem três vezes a idade dele”.

E, agora, com esse clima pesado, o Napoli recebe o Genoa no último jogo do sábado pela Serie A, precisando vencer para não perder ainda mais contato com a ponta. Está em sétimo lugar, a 11 pontos da líder Juventus, e a reação não pode demorar, sob o risco de ver uma temporada que tinha tudo para ser excelente sair pela janela.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo