Itália

Grazie, Fenomeno

Gastar US$ 19,5 milhões por um garoto de 20 anos podia parecer exagero na época. Mas não quando o jovem em questão é claramente destinado a se tornar um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos. Quando Massimo Moratti notou a possibilidade de contar com Ronaldo, em 1997, não pestanejou e abriu a carteira para pagar o valor da cláusula de rescisão prevista no contrato do brasileiro com o Barcelona.

Ronaldo vinha de uma temporada brilhante na Espanha, com 47 gols em 49 jogos oficiais. O clube catalão não quis reconhecer seu valor com um novo contrato, e quando notou que tinha perdido o atacante, ainda tentou apelar à Fifa, sem sucesso. No dia 28 de julho, na ocasião do amistoso com o Manchester United, San Siro teve casa cheia para abraçar aquele que, para os italianos e para o mundo, passaria a ser conhecido como Fenômeno. O novo camisa 10 nerazzurro.

Pelo que já havia feito em tão pouco tempo de carreira, Ronaldo era visto como o homem capaz de fazer da Inter campeã italiana depois de nove anos. O elenco à disposição do técnico Luigi Simoni tinha nomes importantes, como Zamorano, Djorkaeff, Zanetti e Simeone, baluartes como Pagliuca, Berti e Bergomi, e apostas para o futuro, como os jovens Recoba e Kanu. Mas também era um grupo de jogadores apenas esforçados, como Zé Elias, Cauet, Ganz, Moriero, entre outros.

Ronaldo tinha a missão de carregar a Inter nas costas, mas em sua estreia oficial quem roubou a cena foi Recoba, autor dos dois gols da vitória por 2 a 1 sobre o Brescia, no Meazza. O gol chegaria na segunda tentativa: uma jogada à Ronaldo, ajudando a equipe a vencer o Bologna por 4 a 2, fora de casa.

Com o passar das rodadas, Ronaldo ganhou ritmo, entendimento com os companheiros e com o futebol jogado na Serie A. A Inter esteve durante todo o tempo na briga pela ponta da tabela, chegando a reduzir para um ponto a vantagem da Juventus em março, quando venceu o dérbi com o Milan por 3 a 0. O confronto direto do dia 26 de abril tinha cara de final, e a derrota por 1 a 0 teve gosto amargo. Em especial porque, em um dos lances mais polêmicos da história do campeonato, o árbitro Piero Ceccarini ignorou um pênalti de Mark Iuliano em Ronaldo. Restou à Inter se conformar com o vice.

Assim como no Barcelona, Ronaldo ficou com a frustração de não levar o título nacional, mesmo com um rendimento espetacular. E se na Catalunha havia vencido a Recopa europeia, na Itália consolou-se com a Copa Uefa, vencida com um contundente 3 a 0 sobre a Lazio na final. No fim de 1997, recebeu seu segundo prêmio de melhor do mundo pela Fifa e também sua primeira Bola de Ouro.

Depois da Copa do Mundo de 1998 e toda a polêmica que envolveu sua participação na final após um obscuro episódio na concentração, Ronaldo não conseguiu repetir o altíssimo nível da campanha anterior, além de começar a sentir o peso das contusões. Fez 14 gols, metade deles de pênalti, em 19 jogos, mas a Inter teve um campeonato praticamente anônimo, acabando em oitavo lugar e ainda perdendo a vaga na Copa Uefa em um desempate com o Bologna.

Na Liga dos Campeões, o Fenômeno só balançou as redes uma vez, contra o Spartak Moscou, naquele que seria seu único gol na competição por um clube italiano. A Inter foi eliminada nas quartas de final pelo Manchester United, que ficaria com o título.

Em novembro de 1999, teve início o calvário de Ronaldo por causa do joelho direito. Em um jogo contra o Lecce, ele lesionou o tendão patelar e teve de se submeter a uma cirurgia e a seis meses de recuperação. Voltou no dia 12 de abril de 2000, contra a Lazio, em Roma. Todos conhecem a imagem. Algo sai bizarramente do lugar no joelho do brasileiro, que cai no gramado gritando de dor. Nova cirurgia, realizada pelo médico Gérard Saillant, e muitas dúvidas sobre a capacidade de Ronaldo voltar aos campos.

A operação tirou Ronaldo de toda a temporada 2000/01. Na campanha seguinte, a Inter seria dirigida pelo argentino Héctor Cúper, vindo de duas finais de Liga dos Campeões com o Valencia. Ronaldo foi declarado apto a jogar no final de 2001, mas Cúper preferiu administrar a situação com cautela, usando o atacante esporadicamente.

Na reta final, com a Inter disputando o título, Ronaldo cresceu – motivado, também, pela determinação de Luiz Felipe Scolari em levá-lo para a Copa do Mundo. Em abril, marcou em três fins de semana consecutivos, ajudando a Beneamata a depender apenas de suas próprias forças para ser campeã. Bastava vencer a Lazio no Olímpico de Roma, ironicamente o palco de sua lesão mais grave.

A Inter perdeu por 4 a 2 e viu a Juventus se sagrar campeã. Ronaldo terminou o jogo em lágrimas, naquela que teria sido sua última aparição oficial com a camisa do clube. De volta para a pré-temporada de 2002/03, decidiu escancarar suas diferenças com Cúper e exigir melhorias contratuais para seguir. Sem acordo, restou à Inter negociá-lo com o Real Madrid no dia 31 de agosto, por € 39 milhões.

Para saber como foi a experiência de Ronaldo no Real Madrid, você lê clicando aqui a coluna de Ubiratan Leal sobre a carreira do atacante na Espanha.

Em janeiro de 2007, já em baixa na capital espanhola, Ronaldo se transferiu para o Milan, repetindo assim a prática de defender o grande rival de um ex-clube. Não participou da campanha do título europeu dos rossoneri, porque já havia atuado na competição pelo Real Madrid. Mas teve um desempenho positivo na Serie A, marcando 7 gols em 14 jogos e ajudando a equipe a terminar na quarta colocação.

A participação de Ronaldo na temporada 2007/08 ficou comprometida pela lesão muscular sofrida no fim de julho, prejudicando sua preparação. Ele só entraria em campo oficialmente no dia 25 de novembro, contra o Cagliari, mas se machucou outra vez três dias depois, no aquecimento para enfrentar o Benfica pela Champions. Como resultado, ficou fora da delegação que conquistou o Mundial de Clubes no Japão.

De volta, no dia 13 de janeiro, Ronaldo viveu seu último grande momento no futebol italiano na goleada de 5 a 2 sobre o Napoli. Marcou duas vezes e ofuscou até a novidade do dia, Pato, que fazia sua estreia. Um mês depois, contra o Livorno, saltou para disputar uma bola no alto e, ao cair, rompeu o tendão patelar, desta vez do joelho esquerdo. Uma dor conhecida, e que desta vez significava o fim da passagem pelo Milan, já que seu contrato terminaria em junho.

Pela primeira vez na carreira, Ronaldo era um jogador sem clube. E sua história na Itália se encerrava desta maneira: marcada por 68 gols e inúmeras atuações brilhantes dentro de campo, mas sem resultados excepcionais e com as duas maiores lesões que sofreu na carreira.

1997/98 (Inter)
Serie A –
32 jogos, 25 gols
Copa da Itália –
4 jogos, 3 gols
Copa Uefa –
11 jogos, 6 gols
Total –
47 jogos, 34 gols

Serie A – 14/set – Bologna 2×4 Inter (7' do 2º tempo)

Copa Uefa – 16/set – Inter 2×0 Neuchatel Xamax-SUI (14' do 2º)
Serie A – 21/set – Inter 3×2 Fiorentina (43' do 1º)
Serie A – 27/set – Lecce 1×5 Inter (3' e 36' do 2º)
Serie A – 5/out – Inter 1×1 Lazio (41' do 1º, de pênalti)
Copa da Itália – 15/out – Piacenza 0x3 Inter (17' e 19' do 1º, 13' do 2º)
Serie A – 1º/nov – Inter 1×0 Parma (15' do 1º)
Serie A – 22/nov – Inter 2×2 Milan (22' do 2º, de pênalti)
Serie A – 30/nov – Vicenza 1×3 Inter (23' do 2º)
Serie A – 6/dez – Sampdoria 1×1 Inter (9' do 1º)
Copa Uefa – 9/dez – Inter 3×0 Strasbourg-FRA (27' do 1º)

Serie A – 1º/fev – Brescia 0x1 Inter (29' do 2º)
Serie A – 11/fev – Fiorentina 1×1 Inter (26' do 1º)
Serie A – 15/fev – Inter 5×0 Lecce (17' do 1º, 24', de pênalti, e 33' do 2º)
Serie A – 28/fev – Inter 2×0 Napoli (27' do 2º, de pênalti)
Copa Uefa – 3/mar – Inter 1×0 Schalke 04-ALE (17' do 1º)

Serie A – 14/mar – Inter 4×0 Atalanta (32' do 2º)
Serie A – 22/mar – Milan 0x3 Inter (31' do 2º)

Serie A – 28/mar – Inter 2×1 Vicenza (47' do 2º, de pênalti)
Serie A – 5/abr – Inter 3×0 Sampdoria (42' do 2º)
Serie A – 11/abr – Roma 1×2 Inter (5' e 32' do 2º)

Copa Uefa – 14/abr Spartak Moscou-RUS 1×2 Inter (45' do 1º e 30' do 2º)
Serie A – 19/abr – Inter 2×0 Udinese (39' do 2º)
Copa Uefa – 6/mai – Inter 3×0 Lazio (25' do 2º)

Serie A – 10/mai – Bari 2×1 Inter (34' do 1º)

Serie A – 16/mai – Inter 4×1 Empoli (17', de pênalti, e 27' do 2º)

1998/99 (Inter)
Serie A – 19 jogos, 14 gols
Copa da Itália – 3 jogos
Liga dos Campeões – 6 jogos, 1 gol
Total – 28 jogos, 15 gols

Serie A – 20/set – Inter 1×0 Piacenza (21' do 2º, de pênalti)
Liga dos Campeões – 21/out – Inter 2×1 Spartak Moscou-RUS (14' do 2º)
Serie A – 1º/nov – Inter 2×3 Bari (40' do 2º, de pênalti)
Serie A – 8/nov – Milan 2×2 Inter (6' do 1º)
Serie A – 13/dez – Udinese 0x1 Inter (42' do 2º)
Serie A – 10/jan – Inter 6×2 Venezia (3' do 1º, de pênalti, e 26' do 2º)
Serie A – 3/abr – Inter 2×0 Fiorentina (45' do 1º e 38' do 2º, ambos de pênalti)
Serie A – 18/abr – Inter 1×1 Vicenza (42' do 2º, de pênalti)
Serie A – 2/mai – Roma 4×5 Inter (16' do 1º e 10' do 2º)

Serie A – 9/mai – Inter 1×3 Parma (24' do 1º)

Serie A – 16/mai – Venezia 3×1 Inter (6' do 2º, de pênalti)
Serie A – 23/mai – Inter 3×1 Bologna (7' do 1º)

1999/2000 (Inter)
Serie A – 7 jogos, 3 gols
Copa da Itália – 1 jogo
Total – 8 jogos, 3 gols

Serie A – 3/out – Inter 2×1 Piacenza (24' do 2º)
Serie A – 24/out – Inter 1×2 Milan (19' do 1º, de pênalti)
Serie A – 21/nov – Inter 6×0 Lecce (4' do 2º, de pênalti)

2000/01 (Inter)
Não atuou

2001/02 (Inter)
Serie A – 10 jogos, 7 gols
Copa da Itália – 1 jogo
Copa Uefa – 5 jogos
Total – 16 jogos, 7 gols

Serie A – 9/dez – Brescia 1×3 Inter (18' do 1º)
Serie A – 19/dez – Inter 3×0 Verona (7' e 10' do 2º)
Serie A – 14/abr – Inter 2×1 Brescia (34' e 37' do 2º)

Serie A – 21/abr – Chievo 2×2 Inter (14' do 2º)
Serie A – 28/abr – Inter 3×1 Piacenza (35' do 2º)

2006/07 (Milan)
Serie A – 14 jogos, 7 gols
Total – 14 jogos, 7 gols

17/fev – Siena 3×4 Milan (16' do 1º e 36' do 2º)

11/mar – Inter 2×1 Milan (40' do 1º)

7/abr – Milan 3×1 Empoli (13' do 1º)

15/abr – Messina 1×3 Milan (41' do 2º)

21/abr – Milan 3×1 Cagliari (14' do 1º e 25' do 2º)

2007/08 (Milan)
Serie A – 6 jogos, 2 gols
Total – 6 jogos, 2 gols

13/jan – Milan 5×2 Napoli (15' do 1º e 1' do 2º)

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo