Itália

Gol heróico, títulos e atritos com técnico: termina a vitoriosa carreira de Bonucci

Aos 37 anos, Leonardo Bonucci, ídolo da Juventus e da Seleção da Itália, se aposentou com a camisa do Fenerbahçe

A goleada de 6 a 0 do Fenerbahçe sobre o Istanbulspor teve um gosto amargo. O resultado, além de não ter sido suficiente para tirar o título da Super Liga Turca do Galatasaray, também marcou o adeus de um dos defensores mais importantes e vitoriosos da última década. Leonardo Bonucci entrou aos 29 minutos de partida para ser ovacionado em seu último jogo como atleta profissional.

Aos 37 anos, e em queda física por conta da avançada idade e de lesões ao longo das últimas temporadas, o italiano pendura as chuteiras com uma carreira brilhante. Ao todo, foram 19 títulos em clubes, sendo desses 17 com a camisa da Juventus e também talvez o mais importante deles, em que o zagueiro teve participação direta.

Herói de título da Azzurra

Bonucci foi o autor do gol da Itália que empatou por 1 a 1 a grande final da Eurocopa contra a Seleção da Inglaterra, em pleno Wembley. Depois de fazer um gol também nas cobranças de pênaltis, ele ainda foi eleito o melhor jogador da final, que culminou com o seu único título vestindo a camisa da Azzurra.

O gol feito há 3 anos foi um dos grandes momentos de sua carreira, com mais altos do que baixos, e que em meio a atritos, foi marcada pela liderança e companheirismo que marcaram seus 19 anos como profissional.

Carreira começou em rival

Inicialmente, Bonucci começou atuando como goleiro e depois virou volante. Mas ainda nas categorias de base do Viterbese, time de sua cidade natal, ele virou zagueiro para nunca mais mudar de posição. Seu primeiro grande clube foi a Internazionale, onde teve poucas oportunidades. Emprestado a Treviso e Pisa, ele foi negociado em 2009 com o Genoa, sendo parte do acordo que levou Thiago Motta e Diego Milito para a equipe nerazzurra.

Imediatamente negociado com o Bari, o zagueiro de então 23 anos se destacou, e foi convocado para a Seleção Italiana que disputou a Copa de 2010. Logo após o Mundial, Bonucci passou a construir uma história de idolatria e identificação com a Juventus.

Idolatria e conquistas na Juventus

Contratado por 15 milhões de euros, Bonucci iniciou sua parceria com Giorgio Chiellini, mas só foi brilhar mesmo a partir da temporada seguinte, com a chegada do técnico Antonio Conte. A mudança de um esquema tático com 3 zagueiros com a entrada de Andrea Barzagli fez com que a Vecchia Signora tivesse não somente um dos trios mais fortes do mundo, como também marcou o início de uma era vencedora.

Leonardo Bonucci e Giorgio Chiellini fizeram dupla histórica na Juventus (Icon Sport)

Mesmo não sendo um zagueiro rápido, Bonucci compensava a falta de velocidade com bom posicionamento, força física, jogo aéreo e também saída de bola, com passes e lançamentos precisos. Nas suas duas passagens, entre 2010 e 2017, e 2018 e 2023, o defensor fez 502 jogos com a camisa bianconera, sendo o sexto a
mais ter atuado pela Juventus, e ganhou oito edições da Serie A, quatro Copas da Itália e cinco Supercopas Italianas pela Vecchia Signora.

Atritos com Allegri

Suas duas saídas da Juventus tiveram um personagem em comum: Massimiliano Allegri. Por mais que fosse homem de confiança na defesa do treinador, Bonucci começou a se estranhar com ele em 2017. Após uma discussão, o técnico vetou o zagueiro de uma partida pela Champions League contra o Porto, que posteriormente culminou na ida de Bonucci para o Milan, por 42 milhões de euros.

Por mais que tivesse sido o capitão do time rossonero ao longo da temporada 2017/2018, Bonucci retornou à Juventus na temporada seguinte, em uma operação que custou 35 milhões de euros e o passe de Mattia Caldara. Acertado com o técnico, o zagueiro voltou dizendo estar arrependido da forma como saiu por conta de ‘um momento de raiva’. As incertezas de outrora se tornaram novamente idolatria, com o defensor reconquistando o coração dos torcedores com excelentes exibições.

O retorno de Allegri em 2021 culminou com a época em que Bonucci mais passou a sofrer com lesões e a idade passou a pesar mais. Além de perder a faixa de capitão, o zagueiro passou a frequentar o banco de reservas, e foi informado de que não fazia parte dos planos mais da Juventus.

O começo da temporada foi de recomeços inclusive de país para o zagueiro. Entretanto, sua primeira experiência no exterior não foi boa. Contratado como um dos principais reforços de um time que estrearia na Champions League, Bonucci atuou em apenas 7 jogos pelo Union Berlin, e resolveu deixar o time alemão em janeiro, por conta da pouca minutagem.

No Fenerbahçe, o italiano teve muito mais espaço, mas ainda assim como opção no banco do que como titular absoluto. Sem o mesmo espaço e vigor físico de outrora, o zagueiro optou por interromper uma duradora e vencedora carreira, um ano após seu eterno companheiro Giorgio Chiellini.

Foto de Vanderson Pimentel

Vanderson Pimentel

Jornalista formado em 2013, e apaixonado por futebol desde a infância. Em redações, também passou por Estadão e UOL.
Botão Voltar ao topo