Itália

Essa aí passou

A Itália vinha de dois empates na Eurocopa. Não importaria por quanto goleasse a Irlanda, na última rodada. Se Espanha e Croácia empatassem entre si por 2 x 2, a Squadra Azzurra estaria eliminada. De tão desanimada com as possibilidades de conseguir passar de fase, a federação italiana já havia até fretado o avião que levaria a equipe de volta ao país, após a possível eliminação precoce.

Pois bem, a Itália bateu a Irlanda e a Espanha venceu a Croácia. A equipe de Prandelli, assim, conseguiu se classificar para as quartas de final da Euro, mesmo mostrando aquele que talvez seja o pior futebol entre os times que chegaram ao mata-mata. E mostrando um futebol inconvincente mesmo ao enfrentar a Irlanda, definitivamente o pior time entre os 16 da competição.

Pelo menos até que saia a definição de quem a Nazionale encontrará nas quartas de final, será hora de comemorar. Cassano reencontrou as redes, com um gol de cabeça; Balotelli marcou um golaço de voleio, poucos minutos de arriscar uma expulsão por causa de uma cotovelada; De Rossi se mostrou em ótima forma, mesmo jogando mais avançado; Barzagli provou que valeu a pena aguardar por sua presença. E só isso.

Antes de Cassano abrir o placar, aos 35 minutos do primeiro tempo, a desorganização em campo imperava e até Pirlo errava passes bobos. Depois do gol, a equipe de Prandelli passou quase uma hora esbanjando sua incapacidade de confirmar a vitória sobre a Irlanda – por quase metade do segundo tempo, aliás, chegou a sofrer riscos inconcebíveis de sofrer o empate. E, mesmo com tudo isso, a Itália ainda arriscou terminar os jogos do Grupo C na liderança da chave. Um presente grande demais para este time, convenhamos.

Melhorar ainda é possível e obrigatório: a equipe só marcou três de seus quatro gols graças a lances de bola parada. O jogo italiano precisa evoluir bastante e pelo menos duas escolhas de Prandelli precisam ser revistas. A primeira delas diz respeito ao esquema tático. A Itália do 3-1-4-2 contra a Espanha e a Croácia não conseguiu vencer, mas é aquela que parece poder ir mais longe na Eurocopa. Conseguiu criar no ataque lances imprevisíveis e ainda ser suficientemente sólida no campo defensivo.

O 4-3-1-2 que conseguiu vencer a Irlanda é aquele mesmo que acabou goleado pela Rússia no amistoso pré-Euro. Pela dificuldade em fazer com que o sistema de jogo encaixe, é de se esperar dificuldades quando a Itália encontrar algum time sério pela frente. Prandelli também precisará continuar resolvendo seus problemas primários de escalação. Nas últimas semanas, o comandante teve coragem de sacar Montolivo, Maggio, Giaccherini e Balotelli. O próximo passo será expurgar o fantasma Thiago Motta do onze inicial e, quem sabe, dar uma oportunidade a Diamanti.

Pallonetto

 

– As notas do colunista para a Itália que empatou com a Croácia, pela 2ª rodada da fase de grupos: Buffon (6); Bonucci (6), De Rossi (6,5), Chiellini (5); Pirlo (7); Maggio (5,5), Motta (5,5), Marchisio (6), Giaccherini (5); Cassano (5,5), Balotelli (5). Substitutos: Montolivo (5), Di Natale (6), Giovinco (sem nota).

– As notas do colunista para a Itália que venceu a Irlanda, pela 3ª rodada da fase de grupos: Buffon (6,5); Abate (6,5), Barzagli (6,5), Chiellini (6), Balzaretti (7); De Rossi (6,5), Pirlo (6), Marchisio (5,5); Motta (5); Cassano (6), Di Natale (6). Substitutos: Bonucci (6), Diamanti (6,5), Balotelli (7).

– A comissão disciplinar que cuida do escândalo de apostas na Itália definiu as punições para a próxima temporada. Na Serie A, o Pescara começará com dois pontos a menos. Os outros penalizados são times das divisões de acesso: Novara (-4), Reggina (-4), Empoli (-1), Padova (-2), Piacenza (-11), Albinoleffe (-15), Monza (-5), Ancona (-8), Ravenna (-1) e Avesa (-1).

– O próximo sábado (23/6) é a data limite para a resolução das co-propriedades: os acordos devem ser renovados ou encerrados. São 264 jogadores de clubes italianos com direitos econômicos divididos entre dois times. Os desfechos mais aguardados: Giovinco (Parma/Juventus), Borini (Roma/Parma), Giaccherini (Juventus/Cesena), Acerbi (Chievo/Genoa), Diamanti (Bologna/Brescia), Kucka (Genoa/Inter) e Viviano (Palermo/Inter).

– Em uma entrevista à Rede Record, Cicinho revelou que utilizava álcool e cigarros em Roma, durante a temporada. Esse é o mesmo jogador que reclamava da falta de oportunidades e que passou as últimas temporadas em condições físicas precárias. É o tipo de declaração que deveria fazer com que o atleta fosse punido pelo clube: o contrato do lateral vai até o próximo dia 30. E ele disse que pretende continuar na Europa…

– Com quem as mulheres italianas dariam uma “escapadinha”? Uma enquete realizada em um site de encontros extraconjugais do país, 24% responderam que estariam a fim de uma noite com Balotelli. Marchisio e Giovinco completam o pódio.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo