Itália

Após romper ligamentos dos dois joelhos, mesmo um gol em amistoso vale muito a Zaniolo

Retornando de sua segunda lesão de ligamento em nove meses na pré-temporada da Roma, Zaniolo fez um belo gol em amistoso contra o Debreceni

Nicolò Zaniolo recebeu de Mikhitaryan, dominou colocando na frente, ganhou na velocidade do seu marcador e, embora tenha adiantado um pouco demais a bola, conseguiu chegar a ela antes do goleiro do Debreceni para marcar o terceiro gol da Roma na vitória por 5 a 2 neste domingo. Era apenas um amistoso de pré-temporada, mas, para quem rompeu os ligamentos dos dois joelhos em um intervalo de nove meses, não importa o palco. Perceber que ainda é capaz fazer uma jogada dessas vale muito em qualquer contexto.

Em janeiro de 2020, Zaniolo rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho direito em um jogo contra a Juventus. Ficou 172 dias afastado. Como sua recuperação aconteceu durante o início da pandemia, não perdeu tantos compromissos assim por causa da interrupção do futebol italiano. Retornou em julho, fez algumas partidas saindo do banco, e estava empolgado para iniciar a nova temporada que terminaria com a Euro 2020.

No entanto, em setembro do ano passado, antes mesmo da nova Serie A começar, aconteceu de novo. Durante uma partida da Liga das Nações contra a Holanda, rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo. Na época, até levou na boa, com um tom otimista e brincadeiras em entrevistas. Mas a recuperação foi longa. Zaniolo perdeu toda a temporada 2020/21, incluindo a Euro 2020, na qual seria presença certa na equipe que acabou conquistando o título em Wembley.

Zaniolo havia marcado no primeiro amistoso de pré-temporada da Roma. Era, porém, mais um jogo treino contra o Montecatini, no Centro de Treinamento de Trigoria. E foi de pênalti, em uma vitória por 10 a 0 sobre um time da quarta divisão. A partida deste domingo foi mais próxima a um jogo de verdade, apesar das muitas substituições, e seu gol diante do campeão da última Segundona húngara (e sete vezes campeão nacional) no Estádio Olímpico exigiu uma combinação de técnica e físico que passa um sinal de otimismo.

Após disputar o primeiro tempo contra o Triestina, no amistoso anterior da Roma, Zaniolo entrou no intervalo na vaga de Lorenzo Pellegrini e, após sete minutos em campo, fez o terceiro da vitória italiana por 5 a 2. E se não dá para dizer que explodiu de alegria, tirou a camisa e se jogou nas arquibancadas (vazias), ficou claramente muito satisfeito com o lance, vibrou, sorriu e recebeu os cumprimentos dos companheiros.

Porque mais do que ninguém ele sabe o quanto aquele lance significa para ele neste momento.

.

.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo