InglaterraPremier League

Yaya Touré reestreou com dois gols e mostrou que pode voltar a desequilibrar no City

Yaya Touré viveu uma temporada abaixo das expectativas em 2014/15. Tudo bem, não precisava repetir o alto nível apresentado no ano anterior, carregando o Manchester City ao título em muitos momentos. No entanto, parte da decepção dos Citizens passou pelos pés do marfinense. Os dez gols anotados em 29 jogos nem uma marca tão ruim, diante da falta de intensidade do meio-campista e dos problemas físicos mais constantes do que o comum. Durante os últimos meses, até se discutiu a possibilidade de saída do jogador de 32 anos. Só que Yaya Touré respondeu os críticos logo na estreia da temporada: comandou a vitória do City sobre o West Brom, marcando dois gols no triunfo por 3 a 0 fora de casa.

Obviamente, o início da temporada contribui para a forma física de Touré. O marfinense não teve problemas para aparecer bastante no jogo, especialmente na criação e na construção. Além do mais, teve enorme felicidade nas duas vezes em que apareceu para finalizar. Na primeira, seu chute mascado morreu no canto do gol de Myhill. Já o segundo tento foi fruto de toda a sua competência, em um chute colocado e com curva que ficou longe do alcance do goleiro. Na sequência, Kompany completou o placar, completando cobrança de escanteio.

Até o momento, o Manchester City não fez grandes contratações para o seu meio de campo. O clube negocia intensamente com o Wolfsburg para trazer Kevin De Bruyne, mas, por enquanto, não há nada de concreto. Por isso mesmo, a recuperação de Yaya Touré é tão importante. O marfinense é a principal referência do setor, especialmente pela qualidade que apresenta com e sem a bola. Além, é claro, de poder receber a pecha de craque, por toda a diferença que costuma fazer em suas arrancadas rumo à área.

A prova ainda é pequena, 90 minutos não dizem muita coisa. Mas, ao menos neste sentido, os motivos para os Citizens terem esperanças são evidentes. Com Yaya Touré arrebentando, o clube viveu alguns dos melhores momentos de sua história. E, depois de intercalar êxitos e fracassos nos últimos quatro anos, a torcida é para que este seja a “temporada sim”: que, assim como em 2012 e 2014, o meio-campista possa liderar o clube novamente ao topo da tabela.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo