e proporcionaram uma noite memorável à neste domingo, com um duelo em Old Trafford à altura da rivalidade e da história da competição. Se no confronto recente pela Premier League o placar ficou zerado, desta vez os dois times valorizaram suas virtudes ofensivas com uma chuva de gols. As duas equipes tiveram atuações positivas, mas o United provou como realmente vive momento superior e mereceu a vitória por 3 a 2. Os Red Devils já ofereceram um excelente primeiro tempo e, no momento em que os rivais pressionavam, conquistaram a emocionante vitória no fim. Rashford foi o nome do jogo com uma exibição de gala, mas saiu do banco para ser o herói com o gol decisivo. O time de Ole Gunnar Solskjaer passa às oitavas com o triunfo.

Jürgen Klopp não escalou o Liverpool completo, com Sadio Mané no banco, apesar da formação repleta de titulares. Entre os problemas, os recorrentes desfalques na zaga – que, no fim das contas, realmente causariam problemas aos visitantes. Da mesma maneira, se Solskjaer não escolhia o melhor à disposição, com menção especial a Bruno Fernandes entre os reservas, o treinador contava com uma equipe bastante forte em Old Trafford. Promessa de um jogo em alto nível que logo se cumpriu.

Durante o início da partida, o Manchester United estava bem postado e pronto para aproveitar sua velocidade na linha de frente. Os Red Devils agrediam a cada brecha e Alisson logo teria trabalho. quase abriu o placar aos dez minutos, parando numa defesa do goleiro com o pé. No entanto, apesar do início mais confiante do United, os Reds aproveitaram seu entrosamento para abrir o placar aos 17. Roberto Firmino deu um passe sensacional entre as linhas de marcação dos rivais e achou Mohamed Salah. O egípcio tocou com categoria, por cima de Dean Henderson, e garantia a vantagem aos visitantes.

O Liverpool parecia aproveitar o momento, mas a resposta do Manchester United não demoraria. O empate foi arrancado pelos Red Devils aos 26, com todos os méritos de . O atacante fez um lançamento fantástico, quase da linha do meio-campo, rente à lateral. A assistência do jovem atravessou todo o campo de ataque e passou por cima do time inteiro dos Reds, até cair perfeitamente a Greenwood na ponta direita. O garoto bateu cruzado, desta vez sem dar chances a Alisson. O goleiro ainda precisaria se manter atento para evitar uma chegada de Donny van de Beek logo na sequência.

O Manchester United terminaria melhor o primeiro tempo, com chegadas mais constantes no ataque e precisão em seu jogo direto. Paul Pogba acertou uma cabeçada para fora, antes de Scott McTominay também errar sua testada. Os Red Devils exploravam bastante os lados do campo, especialmente o esquerdo, contra uma defesa do Liverpool que se mostrava desprotegida à velocidade dos rivais. Pouco antes do intervalo, a virada só não saiu porque Thiago Alcântara salvou na pequena área a batida de McTominay. Alisson ainda seria ameaçado por mais um chute de Pogba para fora.

Se o segundo gol do Manchester United era merecido desde o primeiro tempo, o time precisou de três minutos para virar na volta à etapa final. Desta vez a cortesia se inverteu, com Greenwood dando um ótimo lançamento para Rashford arrancar na esquerda. Rhys Williams também contribuiu, ao errar o corte e permitir que o atacante disparasse. Diante de Alisson, Rashford teve frieza para só tirar do alcance do goleiro. Porém, foi importante ao Liverpool não se abater e despertar na sequência do jogo. Os Reds foram para cima e passaram a pressionar os anfitriões. Assim, o empate viria logo aos 13.

James Milner desperdiçou um ótimo lance na área, ao bater para fora quando estava livre. O veterano, contudo, se redimiria com a jogada do gol. O capitão roubou a bola no meio, num passe ruim de Edinson Cavani, e armou o contragolpe rapidamente. Firmino recebeu na esquerda e, numa assistência que o próprio Milner deixou passar, Salah fuzilou. Os Reds cresceram com o tento e quase viraram na sequência, com Henderson salvando uma batida potente de Trent Alexander-Arnold. Klopp logo mandaria a campo Sadio Mané no lugar de Georginio Wijnaldum, mas Solskjaer foi rápido na resposta com Fred e Bruno Fernandes nas vagas de Van de Beek e Greenwood.

O Liverpool seguiria mostrando sua força ofensiva e Henderson precisou trabalhar novamente, quando Salah parecia pronto a anotar sua tripleta. O momento era dos Reds, que se mantinham no campo de ataque e forçavam a defesa adversária. Henderson foi importante nesta fase da partida, pegando ainda outra batida mais fraca de Salah aos 30. Porém, quando os visitantes se mostravam mais prontos, as trocas do United se mostraram mais efetivas. Bruno Fernandes marcou o gol da vitória aos 33.

Cavani sofreu uma falta de Fabinho na entrada da área e Bruno Fernandes foi inteligente na batida. Com Alisson posicionado mais ao centro do gol, o português aproveitou a abertura a seu lado e mandou o tiro cruzado, que morreu no canto esquerdo do goleiro. Klopp ainda enviou a campo Xherdan Shaqiri e Divock Origi, mas o volume ofensivo do Liverpool na reta final não gerava grandes lances. Pelo contrário, o United quase anotou o quarto, numa cabeçada de Cavani em cruzamento de Bruno Fernandes que bateu na trave. O maior risco corrido pelos Red Devils veio num recuo de Pogba, que a defesa salvou. Num jogaço de dois times que buscaram a vitória, o Manchester United foi realmente melhor. Explorou melhor seu ataque e não cometeu tantas falhas defensivas quanto os oponentes.

O Manchester United avança às oitavas de final e pega o West Ham na próxima etapa, com jogo marcado para o início de fevereiro. Já o Liverpool amplia sua série ruim na Copa da Inglaterra. Os Reds não conquistam a taça desde 2006 e, a partir da chegada de Klopp, nunca passaram sequer dos 16-avos de final. Na sequência da semana, o Liverpool já terá outra decisão pela frente na Premier League, pegando o Tottenham em Londres. Já o Manchester United encarará um compromisso mais tranquilo ao receber o Sheffield United, em Old Trafford.