InglaterraPremier League

Recriaram em Lego as maiores pinturas de Le Tissier, o verdadeiro artilheiro dos golaços

Quem não se lembra dos primórdios da Premier League na década de 1990, dificilmente conhece Matt Le Tissier. Uma pena. O meia nunca disputou uma Copa do Mundo ou conseguiu levar o Southampton à Champions – no máximo, chegou em sétimo na liga. Apesar do interesse de gigantes do país, sequer quis abandonar os Saints, em uma prova de gratidão ao clube que o deu oportunidades desde a base. Entretanto, certamente o veterano está entre os jogadores mais técnicos que passaram pelo futebol inglês nas últimas décadas. Para o craque alvirrubro, não bastava marcar gols, ele tinha que fazer golaços. E foram muitos entre os 161 que anotou ao longo de sua carreira no Campeonato Inglês.

HISTÓRIA: Blackburn, o primeiro milionário da Premier League era sonho de um torcedor fanático

O melhor (ou pior, caso você estivesse do outro lado do campo) é que os recursos de Le Tissier pareciam infinitos. Os gols bonitos eram muitos, e nas mais diversas variedades. Dribles curtos e uma chapelaria completa. Chutes fortes, colocados, de curva ou por cobertura – às vezes, misturando mais de um efeito. Cobranças de falta, de escanteio e bolas de primeira. Tudo parecia muito fácil para o inglês. Talvez isso seja o que mais encanta.

Para homenagear a classe de Le Tissier, o Guardian resolveu recriar os seus três golaços mais famosos em Lego. Os três vencedores do prêmio de “gol do mês” da Premier League, anotados entre outubro de 1993 e dezembro de 1994 – quando, a despeito da excelente fase do meia, a Inglaterra não se classificou para a Copa de 1994. Já a ausência no elenco final do técnico Glen Hoddle para o Mundial de 1998 mexeu tanto com o craque que, segundo ele mesmo, sua carreira desandou. Restava então, assistir aos velhos vídeos e admirar o fino talento:

Para o seu deleite, vale também ver os lances reais:
 

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo